Inteligência Artificial

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um esboço.
Este artigo é tão pequeno que o seu piruzinho fica com inveja.
Você pode ajudar o seu pinto artigo tomando Viagra.
Cquote1.png Não é feitiçaria, é tecnologia Cquote2.png
Feiticeira sobre Inteligência Artificial

Cquote1.png É muito difícil ir de Arad a Bucareste! Preciso de um algoritmo! Cquote2.png
Stuart Russell e Petter Norvig(Autores do livro texto mais usado em IA, Sua Anta!!!) sobre Inteligência Artificial
Cquote1.png Melhor! vamos fazer um livro de 1000 páginas sobre isso e mandar nossos alunos fazer o algorítmo!! Cquote2.png
Petter Norvig falando para Stuart Russell sobre Inteligência Artificial
Cquote1.png Genial! Cquote2.png
Stuart Russell falando paraPetter Norvig sobre a Citação anterior

A Inteligência Artificial não tem uma definição única, pois ela é algo muito complexo para que seja definido e várias frentes teóricas discutem qual seria a melhor denominação desta. Em suma, esta ciência tenta regredir a inteligência do computador a algo mais humano, ou seja, mais tolo.

Introdução[editar]

Crianças robôs com inteligência artificial são comumente usadas por cidadãos incapacitados de constituir família

Há definição desta ciência tem como base duas frentes teóricas principais. A primeira chamada Existencial-Purista-Weak diz que a Inteligência Artificial envolve métodos utilizados para deixar computadores estúpidos o bastante para parecer humanos e tomar decisões pífias. Ela tem como principal objetivo é propor um cérebro artificial que pudesse, finalmente responder a pergunta: "Qual é a definição de Inteligência Artificial"

Já a segunda, Polinomial-Dadaísta-Turingiana define que a Inteligência Artificial não precisa tomar decisões como a Purista-Weak, mas tem que raciocinar como um humano, não necessariamente tomando decisões e dando respostas, sendo que estas respostas devem ser tão idiotas quanto o possível.

Resumindo, ambas as frentes teóricas formam um complô para tornar o computador, esta legítima máquina onipotente-onipresente-oniconsciente-inteligente em algo dotado de nanismo mental chamado humano.

História[editar]

A Inteligência Artificial foi proposta no Japão, na década de 60, inicialmente para ser usada nos robôs, sim robôs, que cerca de 20 anos depois seriam chamados por diversos nomes como Jiban, Jiraya, Jaspion dentre outros.

Aplicações[editar]

Robô com Inteligência Artificial penteando seus longos cabelos

As aplicações desta área são as mais interessantes e têm potencial de ajudar a humanidade trazendo novas perspectivas para o futuro, seja com cachorros-robô que latem ao ver o dono, robô que faz ginástica, luminárias que mudam de cor com a mudança da temperatura. Veja que estas aplicações têm a maior relevência e são o que bilhões de dolares em pesquisas conseguiram gerar até hoje.

Além disto, ela serve como base para filmes que nada tem a ver com Inteligência Artificial, apesar de serem denominados como tal, mas que dão a diretores e atores dinheiro de pessoas que após assistirem o filme pensam ter entendido o sentido da vida e tudo que realmente pode ser feito com um cérebro artificial, que é nada.

Outra aplicação comum são os jogos de computador e video games. Jogos como The Sims contam com uma engine de Inteligência Artificial que consegue imitar um humano como poucos, apenas os do Mobral. Em contrapartida um outro exemplo é o jogo Driver no qual os pedestres nunca são atropelados devido a perspicácia definida pela IA empregada neste jogo, ou seja, uma mentira cabeluda.

Mas as aplicações mais importantes da IA são dentre elas: Descobrir o caminho para ir de Arad a Bucharest; colocar oito rainhas em um tabuleiro de xadrez sem que nenhuma ataque a outra; fazer o guerreiro chegar ao ouro sem cair no poço e sem ser devorado pelo Wumpus; ou então descobrir quem é pai ou filho, primo ou avô, mãe ou tataraneta, papagaio ou cachorro do tio da vizinha de alguém.

A poda alfa beta[editar]

È o algoritmo que a inteligência da policia, utiliza para prender os bandidos. Usam o corte alfa beta para podar os bandidos menores, e nunca o no pai. É usado também em larga escala por jardineiros e floriculturas que, podam sempre os nos folhas desnecessários e preservam os nos raízes. A poda consiste em uma verificação pericial de toda a arvore se há galhos ou no folhas desnecessários eles são podados.

Ver também[editar]