Intuicionismo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Hebe camargo.jpg Um artigo com imagens fica uma gracinha!
Este artigo possui poucas ou nenhuma imagem o ilustrando. Por favor considere adicionar novas imagens para deixá-lo mais interessante.
60px-Bouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Intuicionismo.

Cquote1.png Eu sou o exemplo que o intuicionismo realmente existe! Cquote2.png
Capitão Planeta sobre intuicionismo

Intuicionismo ou neo-intuicionismo (em oposição ao pré-maluquice) é uma abordagem à matemática de acordo com a atividade mental construtiva dos humanos, onde até mesmo a porra pode virar ácido.

Sobre o intuicionismo[editar]

Qualquer objeto matemático é considerado um produto da construção de uma mente e portanto, a existência de um objeto é equivalente à possibilidade de sua construção, ou seja, qualquer merda que pensamos possa existir nas nossas cabeças. Isto contrasta com a abordagem clássica, que afirma que a existência de uma entidade pode ser provada através da refutação da sua não-existência.

Para os intuicionistas, isto é inválido; a refutação da não existência não significa que é possível achar uma prova construtiva da existência. Como tal, intuicionismo é uma variedade de construtivismo matemático, mas não a única, onde quanto mais se fuma, mais pode se tornar real uma certa coisa.

O intuicionismo faz a validade de um enunciado matemático ser equivalente a ele ter sido provado. Que outros critérios podem existir para a verdade (intuicionismo argumentário) se os objetos matemáticos são meramente construções mentais?

Pois bem, pense numa coisa, que seja grande e pesada, não muita para que possa poder pegar nas suas mãos. Pegue ela, mire no primeiro idiota que estiver vindo e jogue nela, se tudo isso funcionar, cai fora daqui para não arrumar briga pelo estrago que fizestes com ele.

Conclusão geral[editar]

O intuicionismo também rejeita a abstração de infinito real; isto é, ele não considera como objetos dados entidades infinitas como o conjunto de todos os números naturais ou uma sequência arbitrária de números racionais. Por isso, não adianta pensar no Goku Super Saiyajin ou em outros protagonistas de animes, pois nem todo o entorpecente do mundo faria com que essas coisas se materializassem na vida real.