Ipameri

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Cquote1.svg Itapemeri é o caralho, porra! Meu nome é Ipameri Cquote2.svg
Ipameri
Cquote1.svg Na União Soviética, Ipameri é quem abandona os ipamerinos Cquote2.svg
Reversal Russa sobre Ipameri
Cquote1.svg É perto de Caldas Novas? Cquote2.svg
Turista sobre a localização de Ipameri
Cquote1.svg Essa é a estrada que vai pra Catalão? Cquote2.svg
Turista sobre a rota para Catalão
Cquote1.svg Dessa vez o Novo Horizonte será campeão! Cquote2.svg
Torcedor, no início do Campeonato sobre o time da cidade
Cquote1.svg PQP! Só pode ter sido jogo comprado. Cquote2.svg
Torcedor sobre a derrota do time da cidade para o Goiás, na final do campeonato
Cquote1.svg Eu confesso! Buááááááá Cquote2.svg
Prefeito Chorão sobre desvio de verbas
Cquote1.svg Ipameri já foi uma cidade prospera! Cquote2.svg
Velho aposentado cidadão ipamerino sobre uma suposta Ipameri de muitos muitos anos atrás que foi boa

Ipameri é uma cidadezinha de nome bem genérico localizada lá no interior de Goiás e que não tem a menor importância ou relevância, embora seus cidadãos achem esse município grandes coisas mesmo não sendo.

História[editar]

Ipameri foi fundada em 1870 por um fazendeiro, Francisco José Dutra, um homem interesseiro que, à beira da morte por haver sido picado por uma oportunista e peçonhenta cascavel, prometeu ao Divino Espírito Santo todas as terras que ele podia ver do alto do Morro de São Domingos, caso ele sobrevivesse àquela mordidinha. Pois bem, sobrevivendo à mordida da tal cobra, ele, homem de palavra, doou as referidas terras que vieram a se tornar a grande e imponente Ipameri. Bem, como isso é uma conversa fiada lenda, desconsiderem.

Diz-se que a referida metrópole surgiu, na verdade, em decorrência do surgimento de acampamentos de bandeirantes situados à margem esquerda do "Vai-Vem", bandeirantes estes que estavam a procura de ouro. Na verdade, procuravam índias virgens, mas como estava em falta, levavam ouro mesmo.

A palavra "Ipameri" vem do tupi-guarani, Ypanmeri, que significa "Entre Rios". Esse nome se deve, segundo alguns estudiosos desocupados, ao posicionamento geográfico da sede municipal, que se encontra, obviamente, entre dois rios. Por isso, talvez, é chamada de "Mesopotâmia Goiana", e abriga grande número de árabes fundamentalistas islâmicos com forte tendência terrorista. Atualmente, um dos rios que cruza a cidade, o famoso "Vai-Vem", ou Tietê Ipamerino, está sendo chamado só de "VAI" porque virou o rola-bosta da cidade. A explicação seria o fato de que tudo que existe em Ipameri, em virtude do atraso causado pela incapacidade administrativa de alguns de seus governantes, vai embora da cidade. Dizem que o rio, por falta de água limpa e peixinhos, está indo para a imensa Catalão, uma cidade vizinha berço do povo mais metido de Goiás.

Bem, vamos pular um pouco, por que história é um saco... Alguns, muitos, anos mais tarde, Ipameri se consolidou como uma das, se não a mais, importantes cidades do estado Goiaz (ainda com "z" e sem acento). Foi alcunhada, inclusive, com o honroso título de "Sala de Visitas do Estado" porque quem chegava ali logo ia embora, parecendo uma visita. Segundo a lenda, rolaram vários atos libidinosos altamente interessantes e adúlteros nesta referida sala de visitas...

Orgulha-se de ter sido a primeira cidade goiana a receber energia elétrica, cinema, jóquei, jornal e agência de banco, o que cria uma falsa sensação de que é uma cidade de vanguarda quando na verdade ninguém quer saber disso mas de como a cidade hoje é toda falida e caindo aos pedaços. Ipameri, portanto, é a cidade onde os velhos ficam resmungando que "já foi boa no passado".

População[editar]

Com mais de 25.000 habitantes, é uma cidade até grande comparada com as miúdas cidades dos arredores. A população não cresce tanto porque Ipameri é conhecida como "Cidade de Velho" em virtude de grande parte de sua população ser composta de aposentados, ou também pelo lema local proferido pelo mantra "Ipameri já teve", se referindo às grandes inovações conquistadas por esta nobre terra, que foram perdidas através dos anos de ladroagem na prefeitura.

A cidadezinha teve de tudo, hoje não tem nada. Só restam alguns fazendeiros ricos, uns estudantes maconheiros e alguns políticos vagabundos que nem após arruinar a cidade largaram o osso. O resto da população foi pra Catalão (Berlândia Goiana), ou foram para a Uberlândia original, e podem estar vagando pelo mundo, sem rumo definido. Contudo, sempre que é época de festa (Mocajee, Pecuária, Carnaval, e feriados prolongados), esses "filhos pródigos" retornam à terra natal, dando uma certa vida à cidade que atualmente vive em coma.

Política[editar]

Nota: Tirem as crianças e os idosos da frente do computador, as informações aqui contidas são sujas, pornográficas e corruptas.


Prédio decrépito da prefeitura de Ipameri. Se não cuidam nem de onde trabalham, imagina do resto?

Bem, aqui a coisa é séria... Ou, pelo menos, deveria ser. Na história política de Ipameri já ocorreu de tudo, como: Estádios dados como prontos que nunca saíram do papel, casas populares que sumiram, dinheiro do Fundo Municipal de Previdência que sumiu. Aliás, sumir dinheiro na Prefeitura de Ipameri é algo que acontece com frequência praticamente mensal... Será que existem forças paranormais ou espirituais desconhecidas naquele prédio, ou é "mão esperta" mesmo? Bem, não entrando no mérito, ou "demérito", da questão, o que importa é que o prefeito tem status, o carro oficial é um Hyundai Tucson preto, um luxo.

Até gostaria-se de citar os nomes de alguns desses magos do poder público, hábeis em fazer tanto dinheiro sumir, mas em virtude de suas ligações criminosas, para preservar a integridade física deste autor das atitudes daqueles que sugaram as provisões monetárias do município, faz-se necessário o silêncio.

Mas as hordas de puxa-sacos desses pilantras é vasta. O eleitor ipamerino é ferrenho defensor de seu bandido de estimação, não importa o que façam, sempre será invenção da oposição, e isso vale para todos os lados.

Economia[editar]

A economia da cidade tem como "carro chefe" a exportação dos doces produzidos por uma padaria. O principal produto exportado por esta empresa multinacional é a famosa "Ameixa de Queijo", uma diliça. Também movimenta a economia, no ramo da culinária, o famoso "churrasquim", atualmente exportado para EUA, França e Reino Unido. O "Sanduíche" também é um produto de sucesso, que é, obviamente, sucesso na Alemanha, inclusive sendo o sanduíche oficial da última edição da Oktoberfest Munich.

A distribuição de drogas é altamente rentável, fato que levou à cidade o título de "Colômbia do Centro-Oeste". Como incentivadores do uso desses entorpecentes, figuram, inclusive, celebridades ligadas ao meio político.

Cultura[editar]

A cidade é culturalmente muito rica, tendo vários expoentes nos campos da literatura, música, teatro e, atualmente, nas ciências. Isto é herança dos áureos tempos em que Ipameri era a melhor e a maior cidade de Goiás. É claro que todas essas personalidades de sucesso tem vergonha de Ipameri e vão fazer sucesso em outro lugar, deixando Ipameri apenas cheia de velhos saudosos.

É de se ressaltar a crescente cultura do homossexualismo na idade, tanto masculino quanto feminino. Segundo os estudiosos, este fato se deve à curta distância entre as cidades de Catalão, que de avião é "pertim" de "Berlândia", e a cidade de Goiandira (recentemente renomeada para Gay Andira). Estas cidades estão "exportando" homossexuais para a pacata Ipameri e seduzindo os cornos locais que não aguentam mais as mulheres da cidade. Atualmente é a única coisa que vai pra Ipameri, todas as outras estão saindo.

Idioma[editar]

Como a cidade abrigou grande número de imigrantes (árabes, italianos, alemães, entre outros) surgiu na cidade uma espécie de dialeto próprio derivado do idioma goianês, um fato um tanto quanto interessante. Abaixo um breve dicionário dos principais termos do ipameriês:

  • Traiada = Loira bonita
  • Pra Incardí = Bastante
  • Estrovano = Atrapalhando
  • Isturdia = Esses dias
  • Apear = Descer
  • Prosear = Conversar
  • Xapi = (tradução e uso desconhecido)

Esportes[editar]

O esporte também é responsável, em grande parte, por movimentar a economia da cidade. O time da cidade é o famoso Novo Horizonte Futebol Clube, conhecido localmente como Vasco da Gama Ipamerino, por ter só vices campeonatos. O time é um grande "celeiro" de jogadores que atualmente tem representantes na Itália, França, Inglaterra e Alemanha. É aquele time que aparece só no começo do ano, no campeonato estadual, pra encher o saco do Goiás, mas nunca conquistar nada de útil.

Lazer[editar]

Um ponto positivo, pelo menos, são as opções de lazer oferecidas pela cidade. Ipameri é sempre agitada por estudantes maconheiros, que são muitos na cidade, em virtude da existência de um campus da PUC-GO (que dizem eternamente que está por falir, talvez já até tenha falido mesmo, mas continua ali) e da UEG. Sempre acontecem festas em repúblicas estudantis regadas à muita cerveja, onde se ouve, invariavelmente, "moda de viola", e onde o cheiramento de gatinhos é prática frequente.

Tirando isso, os jovens da cidade se aglomeram no salão do Jockey Club para apreciar emocionantes brigas de gangues (SDO, GDC, PQP, etc.), de onde frequentemente sai um morto. Apesar do nome, não é lugar de garbo e elegância para assistir corrida de cavalo, apenas uma ruína para reunir jovens.

Nos sábados na Praça da Liberdade se agregam as falsas patys, que estão de olho nas picapes turbinadas dos filhos dos fazendeiros ricos, ou dos estudantes ricos da agronomia, e os falsos playboy (playboys desprovidos de grande aporte financeiro, mas que mesmo assim se comportam como otários de grande aporte financeiro) que pegam carona no carro de algum amigo, tomam um whisky barato para fazer moral, e acabam garfando alguém.

Nas sextas-feiras as reuniões ocorrem na praça do Largo do Rosário (Praça da Maconha), onde jovens se reúnem para cheirar gatinhos e para ver o GPTapa bater nos "mano das quebrada".

Ocasionalmente, nesses eventos grandiosos supracitados, o GPTapa, sucursal da ROTAM, intervêm e deita o cacete nos arruaceiros. Essa manifestação de hospitalidade e carinho é bastante apreciada, existe até torcida pra ver qual vagabundo desmaia primeiro.