Ipojuca

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Ipojuca é apenas um município considerado o pior lugar do mundo para se morar (para se visitar, aí talvez seja o 1055º melhor lugar do mundo para visitar). Está localizado em algum lugar estranhamente calmo de Pernambuco, o que faz as pessoas que visitam ali acharem estar num cemitério ou algo do tipo tamanho pouco movimento, o que gera a Ipojuca o singelo apelido de "Tediolândia City". Ipojuca é tão ruim, tão sem tecnologia e tão pequena que as pessoas acham que Porto de Galinhas que é o nome da cidade e só conhecem isso de lá.

História[editar]

Ipojuca foi fundada em 1560, porque antes disso só vivam ali uns índios que nunca fizeram porra nenhuma e por isso a história tende a ignorá-los. Os portugueses pegaram esses índios vadios todos e os colocaram para praticar o trabalho saudável e forçado de construir igrejas, resorts, quiosques e outras coisas para agradar turistas porque a região era muito bela e poderia trair muita gente.

Dizem que há uma beleza natural no município de Ipojuca, só não se sabe onde esta paisagem natural está porque aquela paisagem não tem nada de natural, não apenas pela presença de playboys recifense sujando as praias mas também porque quando os portugueses aportaram ali só havia Mata Atlântica, um bioma feio, imprestável e que ninguém gosta. Os novos dominadores trataram logo de derrubar toda a mata nativa e plantar em seu lugar cana-de-açúcar, bambu, coqueiros e palmeiras, criando uma paisagem incrível sem graça formada sempre pelo mesmo tipo de árvore e uma visível desertificação do solo.

Somente no ano de 1890 os pernambucanos lembraram da existência daquela vasta plantação de cana-de-açúcar repleta de boias-fria miseráveis, e lembrou de conceder à região o seu status de município.

Em 2011 a cidade de Ipojuca passou por uma revolução, pois apareceu em suas praias estaleiros, portos e usinas petroquímicas. A decisão de construir essas coisas ali não foi arbitrariedade do governo federal, mas sim porque havia na região uma altíssima existência de bóis-frias, que puderam todos ser facilmente contratados para trabalhar nesses portos e estaleiros a baixíssimos salários. Bastava dar um casebre que não fosse de pau-a-pique, uma marmita todo dia, calçados e uma faculdade de baixa qualidade que os habitantes acharam que se tornaram as pessoas mais ricas e prósperas do mundo, trabalhando com alegria e satisfação em subempregos num regime de semiescravidão.

Economia[editar]

Uma das belíssimas lagoas naturais de Ipojuca, largamente visitada por turistas.

Ipojuca é considerada o terceiro maior PIB do estado de Pernambuco, algo inesperado para um vilarejo inútil e pequeno. Tal prosperidade econômica só é possível porque alguém construiu na região o Estaleiro Atlântico Sul e a Refinaria Abreu e Lima, responsáveis por empregar 100% dos trabalhadores de Ipojuca (os vagabundos abrem quiosques em Porto de Galinhas). Anteriormente um município baseado na exploração de bóias-frias para cortar cana, todo aquele bando de peão miserável foram mão-de-obra ideal e de baixo custo para sustentar o estaleiro e a refinaria que se instalaram no município, bastava pagar a dentadura de um, pagar a casinha de outro, que os habitantes trabalhavam felizes, realizados e satisfeitos como semiescravos.

Turismo[editar]

Enquanto a peãozada de Ipojuca trocou o trabalho de cortar cana para ir se fuder no porto carregando navios, aqueles nativos mais saudosistas preferem continuar fazendo porra nenhuma, ajudando assim no turismo da cidade, vendendo bugigangas da pior qualidade ou petiscos comuns a exorbitantes preços em Porto de Galinhas o ponto de destino mais popular do município para o turismo, sendo o maior ponto de encontro de playboys de Recife. Ainda não se sabe o que turistas vão fazer em Porto de Galinhas, porque não tem nada lá, só uma falsa propaganda de que é a melhor praia do mundo, e como os turistas estão gastando uma grana preta para chegar lá, ficam constrangidos em admitir que estão desperdiçando dinheiro com passeios toscos de jangada, comendo caranguejo velho, comprando lembrancinhas por preços surreais, então sempre apesar de tudo todos estão sorrindo, felizes e se enganado que as férias estão legais. É em Porto de Galinhas que localiza-se ainda a Rua Piscinas Naturais, onde está uma praia repleta da maior variedade de gente retardada, todos advindos de todos cantos do mundo, sorrindo identicamente aos asilados em manicômios enquanto ficam coletando conchas, brincando com musgos e achando a coisa mais maravilhosa do mundo haver peixes na água, vai entender essa maluquice...