Itabuna

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itabunda
"Capital da jaca"
Bandeira de Itabuna.png
Bandeira
Aniversário 28 de julho
Fundação 1910
Gentílico papa-jaca
Lema Veneraris ist Jacae
Apelidos Tabocas; Itabunas; Ferradas
Prefeito(a) Cuma
Localização
Localização de Itabunda
Estado link={{{3}}} Bahia
Mesorregião República da Bahia do Sul
Microrregião Liga Ilhéus-Itabuna
Municípios limítrofes Buerarema, Governador Lomanto Júnior, Ibicaraí, Ilhéus, Itajuípe, Itapé, Jussari
Distância até a capital 31,3 km via BR-415 km
Características geográficas
Área 432,244 km²
População 220.000 (isso tudo!?) hab. ontem
Idioma Oxentês
Densidade média hab./km²
Altitude 0 metros
Clima Indeciso pqp
Fuso horário UTC (+)3
Indicadores
IDH 0,7 aparentando 0,1 1500
PIB R$ acarajé² 1500
PIB per capita R$ 1 acarajé por habitante 1500

Cquote1.png Você quis dizer: Itabunda Cquote2.png
Google sobre Itabuna
Cquote1.png Meu povo, minha pova, prometo trazer a praia para nossa querida cidade! Cquote2.png
Promessa política em Itabuna
Cquote1.png Você já foi ao shopping hoje? Cquote2.png
Itabunense para ilheense despeitado sobre Itabuna
Cquote1.png Na União Soviética, a jaca come o itabunense! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Jaca
Cquote1.png Como jaca todo dia! Cquote2.png
Ilheense despeitado para Itabunense sobre Jaca

Itabuna é uma cidade baiana, atual capital de Ilhéus e uma das maiores cidades da Bahia. Localizada no cruzamento entre a BR-101 (que liga o Chuí à Lisboa) e a BR-415 (que liga Ilhéus ao Acre), Itabuna tornou-se um grande centro urbano, supostamente o mais importante de sua região, mas ninguém liga para eles.

História[editar]

Durante muito tempo o atual território de Itabuna ficou sob o domínio de Ilhéus. A cidade, fundada por Xuxa Meneguel e Jorge Amado (em um momento de fraqueza), foi chamada inicialmente de Ferradas, nome auto-explicativo. Hoje a cidade é mantida por um grupo de políticos engajados com o bem-estar social de suas próprias famílias. E vão muito bem, obrigado. A palavra "Itabuna" é de origem indígena e significa pedra preta, o real motivo desse nome é desconhecido, mas os historiadores da região presumem que sejam as águas imundas do Rio Cachoeira.

Itabuna, por mais que seja uma cidade nova, é repleta de lendas acerca de supostos moradores que tem mais de 200 anos de idade mas com aparência de 20 a 50. Historiadores dizem que os primeiros seres a habitarem Itabuna foram os caras que vendem suco de laranja assoviando "OLIA O ÇUCO DE LARANJA" na avenida cinquentenário, além do maluco que fica nas portas das padarias com caixinhas de moedas.

O que pouca gente sabe é que o povo de Itabuna é descendente do povo derrotado na Guerra de Canudos. O próprio Antônio Conselheiro, que fora dado como morto, veio disfarçado de plantador de jaca e chegou a fazer alguns números circenses no antigo porto de Ilhéus. Lá, ele conheceu o pai de Jorge Amado e juntos fizeram um projeto para fundar uma seita que se baseava na Lei de Gerson. A iniciação nesta seita era feita num local secreto no meio do caminho entre Ilhéus e Ferradas, num lugar onde tinha uma pedra preta e escura, onde eram realizados rituais que consistiam em dar tabocadas nos ouvidos dos iniciados onde eles tinham que comer uma jaca até dizer: "Já caguei bolinha preta!", sendo que os mais fracos desistiam e retornavam para Ilhéus, ficando então somente os mais fortes, capacitados e preparados para aguentar as tabocadas da Polícia Militar de Itabuna.

Primeiros moradores de Itabuna trazendo consigo uma jaca roubada de Ilhéus.

Um mar de gente oriunda de Canudos imigravam para a região cacaueira de Itabuna, acreditando nas histórias mentirosas de Jorge Amado que dizia que a linda Ilhéus era uma cidade rica, próspera, que havia chuva frequente e a maior das mentiras, que haviam morenas deliciosas (e liberais) como a Juliana Paes, com o pseudônimo de Gabriela, e ainda se vestiam como piranhas. Para o desespero dos forasteiros quando chegavam no porto de Ilhéus, que só achavam um rebanho de raimundas, saíram novamente em peregrinação para encontrar a lendária terra onde as jacas eram fartas, o clima era imprevisível e as mulheres, liberais. Prosseguiam então numa estrada esburacada, com a iminência da cobrança de pedágio, a famigerada BR-145, ali fretavam jumentos que pertenciam a um tropeiro que dizia ser dono o único dono da Rota (que anos mais tarde seria a única empresa de ônibus a monopolizar o transporte intermunicipal) - que para desespero de quem estava atrasado, ainda tinha que passar pelas fazendas da família Amado, onde hoje fica o Makro e Atacadão - com destino para a terra da jaca prometida.

Naquela época, já era difícil encontrar um restaurante aberto em Ilhéus. Fechavam para o almoço, descanso que para eles era merecido, e quase sempre tinha o crescente problema da mesa "farta" de tudo: falta arroz, feijão, macarrão, carne de vaca, porco e etc; mas tem teiú assado e caranguejo. A celebre frase cultural de que "tem, mas acabou" é lema do comércio ilheense que afeta diretamente Itabuna. Com os restaurantes fechados para almoço, o jeito para os que ali se estabeleciam era procurar um pé de jaca mais no interior (território itabunense) e ali acomodar suas numerosas famílias.

Com o tempo, os forasteiros foram chegando e se amontoando debaixo de pés de jaca. Vinham sempre com suas famílias numerosas, normalmente um homem magro, uma mulher sempre grávida e uns 12 filhos, além de mais 3 gerações consorciadas formadas por tios e avós; eles preferiam sempre ficar nos lugares onde havia mais oferta de jaqueiras disponíveis, para assim poderem usufruir do tão delicioso (e viscoso) alimento. Por se assentarem, se alimentarem e levar suas vidas em função das jacas, receberam o glorioso título de papa-jacas.

Os papa-jacas sumiram de Ilhéus e fundaram Itabuna. Diz-se que pelo alto teor de ferro, as jacas ficavam com um curioso gosto de ferrugem, talvez por causa do salitre. Com a emigração, Ilhéus voltou a ser a mesma cidade FANTASTICAMA de sempre, afinal a putaria toda foi pro Pontalzinho em Itabuna. O povo voltou a dormir as 18hs30min; restaurantes novamente fechavam as 12h para almoço.

Geografia[editar]

Para achar Itabuna no mapa, primeiro vá no Google Earth, então procure por uma grande mancha preta no mar do sul da Bahia. Esta mancha gigantesca não foi um petroleiro afundado, essa porcaria é a foz do Rio Cachoeira, ou seja, Ilhéus. Para ir a Itabuna basta seguir o rastro preto do mar pelo rio adentro, até a próxima aglomeração urbana. Voilà! Seja bem-vindo a ilustre cidade das jacas!

Itabuna faz divisa com municípios de grande classe, como Buerarema, Ilhéus, Canavieiras, Juazeiro, Rio de Janeiro, Jequié, Springfield, Marsilac e São Bernardo do Campo. Devido ao atual crescimento exponencial da cultura cacaueira, que milagrosamente achou uma solução contra a vassoura de bruxa, Itabuna lidera o ranking das 5 cidades mais ricas do mundo no setor de venda de vassouras, superando as capitais do Cazaquistão, Uganda, Alagoas, Piauí e Somália.

Outro grande destaque da malfadada hidrografia da cidade, são as "lindas" baronesas do Rio Cachoeira, que se multiplicam desenfreadamente, invadem a Avenida Beira Rio a cada chuvisco e exalam um delicioso odor característico com o qual os papa-jacas iniciam sua jornada diária.

Economia[editar]

Itabuna é uma das cidades localizadas numa grande plantação de cacau, tirando dali boa parte do sustento de sua precária economia. O cacau. todavia, é quase que exportado integralmente em sua totalidade. O comércio interno gira mais em torno da compra e venda de jaca, pedras de crack, cheque sem fundo e cartão de crédito clonado.

Os sinal de prosperidade de um itabunense é visível por sua longevidade. Quem consegue passar de 30 anos de idade é convidado para um dia de mergulho no rio Cachoeira. Se voltar vivo é convidado para fazer parte da prefeitura, tendo as opções de se filiar pelo PT ou DEM. Se não gostar de política, ser dono de uma mortuária em Itabuna concede status também, pois não existe lugar no mundo que venda mais caixão que Itabuna. Em uma só rua é possível encontrar um hospital em que os apartamentos VIP tem vista para o cemitério (história verídica). Na mesma avenida é possível encontrar centenas de mortuárias e carros fúnebres.

Política[editar]

Fernando "Cuma" Gomes troca sempre de cadeira com o Geraldo "Cabeça de Pitú" Simões. Um fica 4 anos na prefeitura, vem o outro e fica mais 4. Assim funciona a política itabunense. Cuma tornou-se o prefeito mais rico do Brasil e criou alguns anos depois um desafio em nível nacional: "Quem quer ser um salafrário - e reeleito?". Ao conseguir eleger seu sucessor (Cpt. Azêdo), foi passar o bizu ao prefeito de Ibirapitanga, um jovem com grande potencial. Já Geraldo "Pitú", fez melhor: comprou fungo no Pará e espalhou sobre os pés de cacau voando na vassoura de bruxa da CEPLAC. Pelo seu feito, hoje tornou-se secretário de agricultura do governador Pé-na-Jaca Wagner.

Embora se perpetuem no poder indiscriminadamente, pelo menos os líderes políticos de Itabuna concedem à população uma série de excelentes programas sociais, sendo eles:

  • Bolsa Jaca - A família que possuir renda menor que R$50 por mês (incluindo os filhos pedintes alocados estrategicamente em Ilhéus e Itacaré), recebe R$10 em barras de jaca (que valem mais do que dinheiro) todo mês.
  • Auxílio ao Homossexual Filhinho De Papai (Ah, FDP) - Em Itabuna, na prática, não existe filhinho de papai nenhum, porque são tudo pobre metido a rico. São uns duros que se passam por ricos usando roupa falsificada e moto pokémon. O segredo que eles não contam é que deixaram de comer jaca para poder juntar uma graninha e pagar o financiamento da moto pokémon. O auxílio visa desviar verbas (já desviadas) do SUS para não privá-los do vício da jaca e morrer por inanição.
  • Bolsa Bolceta - Como o comércio de Itabuna anda meio pra baixo, é preciso movimentar um pouco a economia com o que Itabuna tem de sobra: Puta e Cabasso! Agora com o Bolsa Bolceta, os cabassos irão pagar somente R$20 reais, e ter acesso VIP (Very Impotente Person), aos melhores (sic) cabarés bregas de Itabuna! O Velhinho que Comeu e Não Pagou estava cadastrado neste programa inédito e imprescindível para a reestruturação da economia regional.

População[editar]

Por incrível que pareça, Itabuna possui 200.000 habitantes, acredite se quiser. A sua população de características singulares levou o município a entrar para o Livro dos Recordes como a cidade com o maior número de caloteiros, estelionatários, pistoleiros e pistoleiras do mundo, e neste último tipo de atividade, Itabuna se tornou o maior brega a céu aberto do mundo, localizado no bairro do Pontalzinho. Desconfia-se que Maria Machadão, a antiga dona do Bataclan, quando se aposentou, tenha ido morar em Itabuna. Pesquisas recentes identificaram que a sua última morada era uma casa localizada onde hoje se encontra a FTC, e onde foi edificada a antiga prefeitura, nas adjacências do Pontalzinho. Curioso, porém não surpreendente, é saber que de sua família, nasceram inúmeros políticos, inclusive alguns prefeitos de Ilhéus e Itabuna.

Culinária[editar]

O pé-de-jaca (ou jaqueira) que deu origem à cidade de Itabuna.

A jaca. Cada tipo de jaca tem suas propriedades nutritivas: jaca dura (para as bichas) ou mole (para os broxas), podre (que são gentilmente doadas às instituições de caridade da cidade vizinha, Ilhéus) ou verde (para os punheteiros), jaca é rica em potássio, sendo que neste quesito Itabuna só perde para o potássio superior do Cazaquistão.

Também é bastante consumido o Pitu, um raro animal que pode se beber ou comer com farinha, dependendo do gosto do cidadão.

Esportes[editar]

O Itabuna Esporte Clube é o time de futebol que representa a cidade trazendo orgulho para todos, pois vive apanhando no campeonato baiano, isso quando não está falido licenciado das atividades esportivas por falta de pitu para pagar seus pseudo-atletas. O time é o responsável pela grandiosa revelação do futebol regional, um garoto de Buerarema, Neto Berola, que jogou no Itabuna por 3 sofríveis anos, mas agora já jogou até no Al Wasl FC, dando tristeza pro Itabuna que novamente voltou a perder...

Lazer[editar]

  • Jaca
  • Doce de jaca
  • Subir no pé de jaca
  • Tomar licor de jaca
  • Tomar sorvete de jaca
  • Tomar suco de jaca
  • Tomar tigela de açaí e jaca
  • Jaca todas as 5 horas da tarde
  • Juntar pra comer jaca com os amigos
  • Ir pra Olivença fumar jaca nas pedras
  • Ir com uma mulher buscar jaca no mato
  • Dizer quando algo termina: "JACA-BÔ?'
  • Ser o único lugar do Brasil onde não e pergunta: "tem picolé de jaca?"
  • Pular atras do trio bebo que nem um jegue
  • Churrasco de gato
  • "Adulterar" o cacau, colocando caroço de jaca
  • Comer jaca no shopping (???) Jequitijaca (aquele mesmo, que não tem escada rolante )[Agora ja tem uma importada da Chilna]
  • Tio fazer cooper na beira do rio cachoeira

Turismo[editar]

Praça Cachoeira, em Itabuna, point oficial de skatista frustrado, tio que faz cooper na beira do rio, ladrão ciclista e estudante sem grana pro shopping. Além da 'geração saúde' e pagodeiros que batem o famoso "baba" na quadra.

Um dos monumentos mais conhecidos de Itabuna é o Canal Lavapés, também conhecido como Canal das Muriçocas, onde se localizam os maiores mosquitos da família dos insetos, capazes de, dependendo da época do ano, atingir o tamanho de uma galinha e serem capazes de sozinhas levantarem até o mosquiteiro. De tempo em tempos a chuva torrencial no rio Cachoeira traz baronesas e barões para grudarem em suas pontes, mas que logo são liberados para descer o rio e ir decorar as praias de Ilhéus.

Os skatistas locais ficam horas e horas na praça local praticando, e já estão fazendo campeonatos regularmente. Como a maioria deles só anda, anda e se fode andando, decidiram abandonar as rodinhas e adotaram o controle, jogando Tony Hawk's Pro Skater, nas milhares de Lan 'Creche' House's que se proliferam vertiginosamente pela cidade, superando inclusive (!) as igrejas. Os poucos que restaram e continuaram sua jornada, realizaram a recente edição (2006) do Jaca Bolinha Preta Open Skate Championship, o campeão fez a manobra mais radical: subiu o meio-fio de ollie.

No fim-de-semana não tem porra nenhuma pra fazer a não ser pegar o busu e ir pra Olivença, capital de Ilhéus. Na realidade, atualmente o lugar mais badalado da cidade é o Shopping Jequitijaca (leia-se, galeria). Mais interessante é o nome da praça no bairro Pontalzinho que, no centro da imensa quantidade de bares onde a pederastia rola solta no fim de semana, chama-se "Praça do Trabalho".

O turismo sexual vem sendo fortemente explorado em Itabuna, tendo em vista a grande demanda dos autointelectuais que preferem ser chamados "poeteiros", as putas vieram de mansinho e deram um belo fio terra na cidade.

O prédio mas alto de Itabuna tem magníficos 5 andares, lá eles ainda desconhecem o elevador, e não imaginam o que seja uma escada rolante fora do Jequitijaca (que só tem piso térreo), esses tais prédios são mais antigos do que a fundação do Rio de Janeiro, porém os moradores de lá acham-os super modernos. Mas vamos ser justos, existem outras edificações na cidade que são as casas de madeira na entrada da cidade que eles acham super rústicas e uma obra de arte feita pelos pedreiros que se tornaram artesãos depois de não acharem gente querendo construir casas normais (de alvenaria). Presume-se que em 2011, uma parceria entre a prefeitura e o Grupo W.A. Engenharia, responsável pela construção do gigantesco e super moderno estádio da nossa cidade, crie também para o nosso povo um parapeito enorme e com vista para o mar, visando mostrar para Itabuna e seu povo o maior motivo de risada dos nossos vizinhos ilheenses: tomar banho na merda dos itabunenses!