Itaguara

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome-searchtool blue.png Itaguara é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Se você já ouviu falar dessa cidade, não tem, pelo menos, dois dentes na boca.

Sciences de la terre.svg.png



Cquote1.png Nunca vi lugar mais bonito na minha vida! Cquote2.png
Geraldo Magela, o Ceguinho, sobre Itaguara
Cquote1.png Odeio esta bosta de cidade!. Cquote2.png
Turista pensando estar em Carmópolis de Minas

Vista Aérea de Itaguara

História[editar]

No final do século XVII os violentos bandeirantes paulistas, que gostavam de matar indios só para ouvir o barulho da queda, alcançaram a nossa região buscando as minas de ouro e esmeraldas.Eram os índios da tribo Cataguás, pacatos e de boa índole que só se enfureceram ao ver a maldade daqueles filho-da-puta dos paulistas. O primeiro foi Fernão Dias Paes Leme e logo atrás dele o seu rival Lourenço Castanho Tasques, que dizem as más línguas comia a sua mulher. Fernão Dias foi matar indios em Sabará e adjacências e Lourenço Tasques aqui pelas nossas bandas. O lugar que Castanho arrebatou dos índios ficou conhecido como Conquista. Fernão Dias morreu nesta aventura envenenado a mando de Castanho para ficar de vez com sua mulher e sua riqueza. Um tal de José Rodrigues foi acusado e condenado por crime de assassinato e para ser anistiado foi expulso de Portugal. Chegando em São Vicente adquiriu Conquista do bandeirante, pagando uma ninharia e começou uma fazenda de criação de gado. Dando uma de religioso e tentando a absolvição do pecado, mandou erigir uma capela em honra a Nossa Senhora das Dores. Com sua influência ($$$), acabou onseguindo que o bispo de Mariana intercedesse ao Papa (mediante a doação de quase meio quilo de ouro!) para conseguir o perdão do seu pecado. O papa falou com Deus pelo celular e conseguiu na hora. O que que o dinheiro não resolve, não é? Ao redor da capelinha foram construidas casinhas de pau-a-pique para seus jagunços, amásias e escravos residirem. Logo instalaram ali um boteco e um puteiro, que começou a funcionar precariamente, pois, tinha para atender a clientela apenas a irmã do padre. Depois importaram mais putas de Igarapé.


O Nome Itaguara[editar]

Vai tomar.jpg


Dizem os historiadores locais e das cidades vizinhas (os mais importantes, não se preocuparam com isto), que Itaguara significa em tupi-guarani ' pedra do lobo'. Além do mais, para ter o significado pretendido teria que ser uma palavra oxítona: Itaguará (ita + gwa'rá), não é? Traduzir 'Itaguara' como 'pedra do lobo' é uma tolice: o nosso guará (Chysocyon brachyurus) é um canídeo carnívoro que vive nos campos e cerrados e não suporta lugares altos, nem penhascos. A palavra 'Itaguara' foi uma invenção de burocratas ignorantes em zoologia para denominar a nossa cidade, por que acharam bonito a sua sonoridade. Naquela época tinha um cara no Rio de Janeiro que queria dar nomes indígenas para todas as cidades de Minas Gerais. A cidade de São Francisco de Paula foi denominada Jacareguai, (ainda bem que conseguiram reverter), Rio do Peixe virou Piracema, São Roque virou Itaobim, São Sebastião de Entre Rios virou Matipoó, São José da Ponte Nova virou Tapararuba, Santa Helena virou Caputira, Pontal virou Itira e quase Carmópolis de Minas virava Tupanuara. Esse cara deve ter dado a bunda para algum índio e apaixonado pela 'cultura' indígena.


Quanta baboseira, meu Deus...
Município de Itaguara
""
Bandeira itaguara.jpg Brasaoitaguara.jpg
Aniversário 31 de dezembro
Fundação 31 de novembro
Gentílico itaguarense
Lema 'Clara Ex Stirpe
Prefeito(a) Allison Diego
Localização
Localização de Itaguara
Estado Minas Gerais
Mesorregião Mesorregião do Cu do Mundo
Microrregião Microrregião da Preguinha nº 4 do Cu do Mundo
Região metropolitana Belzonte
Municípios limítrofes Carmópolis de Minas,Carmo do Cajuru, Piracema, Cláudio, io Manso, Itatiaiuçu e a bosta de Crucilândia.
Distância até a capital 678 quilômetros
Características geográficas
Área 411 km²
População 8.371 (corrigida) hab. Contagem da População 2010 - IBGE
Idioma Não disponível
Densidade 204 hab./km²
Altitude 8.844 metros
Clima quente, morno, frio e gelado
Fuso horário UTC -39
Indicadores
IDH 0,090 PNUD/2000
PIB R$ 131.203,25 IBGE/2008
PIB per capita R$ 15.673 IBGE/2008

Evolução Administrativa[editar]

Em setembro de 1870 a capela e o lugarejo de Conquista com 56 fogos que se formou em torno dela foi considerada freguesia do município de Bonfim. Por falta de interesse da população local a freguesia foi suprimida em julho de 1872. Em maio de 1877 por iniciativa do padre Ananias, voltou a ser considerada freguesia. Padre Ananias ajudou muito a povoar a nossa cidade nos seus primórdios: tinha 12 filhos, poucos com a mesma mulher. Era proprietário de uma fazenda em Aroeira ás margem do rio Pará. Em maio de 1878 foi elevado a distrito como Nossa Senhora das Dores de Conquista, pertencente ainda ao município de Bonfim, porém quando em 1901 foi criado o município de Itaúna, Conquista passou a fazer parte dele. Em 1923 mudaram o nome do distrito para Itaguara, que em dezembro de 1943 desmembrou-se de Itaúna, tornando-se um município. É comarca e desde 1946 passou a fazer parte de Região Metropolitana de Belo Horizonte, sendo a segunda maior cidade da conurbação.


Orografia[editar]

Apresenta muitos morros e algumas serras com altitude variando entre 800 m e 9.000 m. As mais importantes são a serra do Himalaia, a da Bocaina, a da Boa Vista, a do Rôla na Moça e a do Campo Grande. O ponto mais elevado é o pico Everest com 8.844 metros de altura. O solo é argiloso e por isso usado como matéria prima para a indústria de cerâmica. A terra ruim não é adequada paracultivo de grãos e formação de pastagens, só dá tiririca e assa-peixe.


Rios[editar]

O município é cortado pelo ribeirão Conquista e rio São João, afluentes do rio Pará e do Engenho Véio, que serve de limite entre nosso município, Carmópolis de Minas e Cláudio e pelo rio São Francisco. O rio São Francisco, vulgo Pataca, antes de desaguar no rio Nilo, serve o reservatório que abastece a cidade de água potável.


Demografia[editar]

O município conta com 8.231 habitantes, sendo 4.527 homens e veados e 3.704 mulheres. (Os dados mostrados na contagem do IBGE está inflado em 4.000 pessoas, por que os recenseadores ganhavam por entrevista e para melhorar o ganho fizeram esta tramóia). 81% da população vive na zona urbana e 19% na zona rural. Cerca de 65% da população do município é formada de mestiços de negro com branco (mulatos), negro com índio (cafuzos) e branco com índio (mamelucos).


Educação[editar]

Da população de 8.231 pessoas, 4.690 pessoas são alfabetizados (sabem ler pelo menos), 1.070 pessoas apenas assinam o nome com dificuldade e 2.471 pessoas são analfabetos de pai e mãe. Na cidade temos 3.167 pessoas frequentando escolas, 696 pessoas cursam o pré-escolar, 1.346 pessoas cursam o ensino fundamental, 443 pessoas cursam o ensino médio e 31 pessoas cursam faculdades em outras cidades da região. São 21 mulheres e 10 homens. As mulheres cursam Pedagogia, Educação Física, Desenho e Arte Culinária e os homens cursam Letras, Enfermagem, Direito e Balé.


Saúde[editar]

A cidade não tem nenhum hospital e 2 ambulatórios de unidade hospitalar geral. Registra-se 296 óbitos por ano, sendo 8% de AIDS, 15% de intoxicação por anabolizantes e drogas, 6% de acidentes de carro, 10% de acidente de motocicleta, 29% por erro médico e 50% de velhice e outros motivos que os médicos estagiários não conseguiram descobrir e não tiveram tempo de consultar o curandeiro.


Turismo[editar]

Os principais eventos da cidade são o 'Festival de Inverno e Gastronomia' realizado no mês de junho/julho, o Carnaval e as competições de rali de motocicletas. No 'Festival de Inverno e Gastronomia' a cidade fica cheia de pessoas feias de Betim e Contagem, boiolas de Oliveira, Cláudio e Itapecerica e caipiras de Crucilândia, Passa Tempo e Piracema. Num palco são apresentados grupos musicais de qualidade duvidosa (que cobram caro) e na praça uma competição de culinária. Para agradar o público de maior poder aquisitivo e mais animado (boiolas de fora e da cidade) a iguaria mais servida é jiló recheado com linguiça.

Um bêbado no Festival de Inverno

O Carnaval é aquela doideira. Uma carreta de som no volume máximo estacionada num canto da praça toca música baiana das 9 horas da noite até as 5 horas da manhã. As virgens da cidade (25 moças pela última estatística), as que já foram virgens, os boiolas, os candidatos a boiolas que pintam o cabelo de vermelho, azul, amarelo e roxo ficam pulando e levantando as mãos feito alucinados. O efeito do álcool e de 'otras cositas' fazem diminuir o número de virgens e aumentar o número de veados. A turma que pinta o cabelo colorido e usa perucas de fitinhas, depois de tomar tudo o que podem ficam tontos e largados a deus-dará e no outro dia amanhecem com uma dorzinha danada na hora de cagar. Segundo um psicólogo no programa da Ana Maria Braga isto não quer dizer nada, por que se você tomar umas cachacinhas de vez em quando pode ser considerado alcoolatra? E se você der a bunda de vez em quando pode ser considerado homossexual?


Economia[editar]

Vaquinha245.gif
Patrocinador melhor.jpg


Itaguara é uma cidade dormitório. A maioria de sua população mora aqui e trabalha em Betim, Contagem e Belo Horizonte. Durante os dias de semana, no horário comercial, você só encontra na cidade, eu que sou preguiçoso e não faço nada, o padre, o juiz (as vezes, pois mora fora!), as crianças, os aposentados, as donas de casa e os que vivem tirando leite das vacas. O município tem 24.700 cabeças de bovinos, a maioria vacas leiteira, que fornece leite para a cooperativa. Tem uma fundição que vende ferro gusa e algumas cerâmicas e olarias. Também fornece putas para os postos da Fernão Dias.


Duas lindas mocinhas que vieram para a Festival de Inverno

O Que Não Falta em Itaguara[editar]

  • morena gostosa e provocante
  • quarentona enxuta, peituda e fogosa
  • mulatinha bundudinha e gostosa
  • mulheres feias, sem bunda e simpáticas
  • beata e papa-hóstias
  • fiéis que comungam na missa sem confessar
  • maconha, crack e cocaina
  • vagabundo
  • mulher que quando coloca uma calça da moda para ir à missa a bunda fica chata igual tabua de passar roupa. Quando anda então o pano balança feito cortina.
  • mulher feia, com bunda e ajeitadinha (a apelidada 'raimunda')
  • mulher feia, muito feminina, inteligente (de óculos), sem bunda, sem peito e que adora as músicas da Maria Gadú
  • cachaça
  • mulher fazendo regime e comendo tudo escondido
  • moto sem documentos
    Eu não tenho. Para que serve isto?
  • puta gorda, de vestido vermelho (sempre) e com bunda sobrando dos dois lados da calcinha de renda.
  • os filhos delas
  • buteco com copo mal lavado
  • puxa saco de político
  • corno manso e conformado
  • boiolas enrustidos (ainda no armário)
  • boiolas que foram para Belo Horizonte e visitam a cidade com a cara e os trejeitos do Luan Santana
  • homem barrigudo, careca e broxa
  • promessas falsas de políticos
  • bobo pra acreditar nessas promessas
  • pessoal que fala mal das meninas de Crucilândia
  • motorista sem carteira (alguns dirigem melhor dos que os que têm)
  • mal pagadores
  • carne dura no churrasco ( só matam vaca descarte)
  • professora despreparada
  • pretinhas que não gostam de namorar pretos
  • duplas metidas a cantar música sertaneja (e mal)
  • dono de boteco que não sabe atender clientes
  • barangas que se acham gostosas
  • mentirosos e mentirosas
  • cerveja quente
  • mulher que acha que é bonita
  • Banda de Rock que acha que é boa

único meio de transporte rural de Itaguara

O que você nunca ou raramente encontrará em Itaguara[editar]

  • Judeus
  • japoneses
  • índios
  • carros importados
  • donos de jatinhos
  • jatinhos particulares
  • celebridades
  • estrangeiros
  • pessoas que não gostam de puxa-sacos
  • Heineken
  • elevador
  • escada rolante
  • cinema
  • anões
  • Hermès (revista Hérmes tem!)
  • gente educada
  • pilotos de Fórmula I
  • pessoas ruivas
  • homem que seja educado
  • mulher que não corra atrás de homem
  • mulher que não brigue por causa de homem
  • gente honesta
  • fiscalização de trânsito
  • homem que não seja caminhoneiro

O que há Para Fazer em Itaguara[editar]

  • Nada
  • Ir para Belo Horizonte
  • Nada
  • Tomar cachaça
  • Nada
  • Pescar
  • Nada
  • Nadar na Pataca, Engenho Véio, Eldorado, Braúna, rio dos Agrelo e piscina 1000 litros.
  • Ficar olhando as muié feia saindo da igreja
  • Nada
  • Esperar o Festival de Inverno e o Carnaval
  • Assistir a missa, cochilar na hora do sermão, peidar baixinho e comungar sem confessar
  • Nada
  • Ir na igreja evangélica pra vê as únicas moças virgens (??) da cidade. Aquelas que o pastor ainda não conseguiu comer
  • Passear de moto com a namorada com calça de cintura baixa mostrando o rego da bunda
  • Ficar olhando o rego da bunda das namoradas dos cara de moto
  • Nada
  • Tomar cachaça
  • Ir na Carmoreta de Carmópolis de Minas e no rodeio de Cláudio para brigar
  • Nada
  • Falar mal do prefeito e dos vereadores puxa-sacos dele
  • Nada
  • Fumar um cigarrinho de palha (alguns com cheiro de mato verde??)
  • Nada
  • Ajudar a mulher do corno (aquele!) a ser feliz...
  • Nada
  • Fazer uma visitinha pras putas de Crucilândia.
  • Nada
  • Ir no trevo para conhecer as moças que ficam lá.
  • Nada
  • Escutar música sertaneja bem alta, com a tampa do bagageiro do carro levantada
  • Nada
  • Ficar em turma sentado na porta do buteco, sem camisa, de óculos escuros e tomando cerveja.
  • Nada
  • Falar dos outros.
  • Nada
  • Ir para a praça ver o tempo passar
  • Falar com as meninas que mora em Belzonte (mas mora mesmo em Bicas)


História de Importantes Famílias de Itaguara[editar]

Os 'Andrade'[editar]

Livia de Andrade

Sua origem foi na Galícia, cujo solar ficava entre Pontedeume e Vilalba, onde o rei D. Henrique II de Castela doou terras a Fernão Peres de Andrade. Um dos primeiros a chegar ao Brasil foi Pero Coelho de Andrade. Um parente de Pero Coelho de Andrade, chamado Francisco que era amigo (???) da Marquesa de Santos e dividia com D. Pedro I os seus favores sexuais, recebeu para abandonar o Rio de Janeiro e não fazer concorrência ao imperador (que era tarado mais tinha pinto pequeno), uma bolada em dinheiro e uma sesmaria que englobava terras de Itaguara e Piracema e se estabeleceu. Uma das figuras mais interessantes da família é a portentosa Lívia de Andrade, atriz e jurada da televisão, que já fez ensaios peladinha para as revistas Sexy e Playboy.


Os 'Batista'[editar]

Amado Batista

É um sobrenome de origem religiosa e refere-se a são João Batista, aquele que Salomé era apaixonada e por vingança pediu a cabeça dele a Antipas, seu amante. Surgiu depois que alguns religiosos na época da Reforma Protestante, para reforçar o catolicismo convenceram os portugueses (e também os espanhóis) a incluir Batista nos seus nomes. Quando uma criança ia ser batizada além do sobrenome da família o sacerdote incluia o nome Batista. Com o tempo houve o esquecimento do sobrenome original e prevaleceu o sobrenome Batista. Os Batistas chegaram no Brasil quase no início do século XVIII e eram filhos de Jorge Batista, um hábil marceneiro de Braga e todos aprenderam o ofício. Radicaram-se no Rio de Janeiro e ajudaram a construir muitas casas na capital do vice-reinado. Por volta de 1850 decidiram alguns emigrarem para Belo Horizonte logo no início da sua construção. De Belo Horizonte espalharam pelas cidades das redondezas, inclusive Itaguara. Alguns membros da família de Manuel Batista, o mais novo dos filhos de Jorge, tinha problemas psiquicos. Uma moça da família era sonâmbula e saia pelada pelas ruas aliciando os homens nos butecos. Como não podia ser acordada, ficava fazendo sacanagem com eles enquanto quisesse (os cachaceiros adoravam o boquete) e então era levada para casa. Teve cinco filhos de pais desconhecidos.São pessoas importantes que usam o sobrenome o cantor Amado Batista, o milionário que foi casado com Luma de Oliveira o Eike Baista e a cantora Dircinha Batista.

Os 'Costa'[editar]

Otaviano Costa

Os Costa chegaram ao Brasil com Duarte da Costa, o segundo governador-geral, que governou de 1553 a 1558. Como todos faziam na época e até hoje, ele premiou vários membros da sua família, com grandes sesmarias em diversos locais do Brasil bem valorizados como a (Barra da Tijuca no Rio, Savassi e Belvedere em Belo Horizonte e Morumbi em São Paulo) e também em Itaguara. É depois de Silva, o sobrenome de maior ocorrência no Brasil. Entre as celebridades que têm o sobrenome destacam-se o arquiteto Lucio Costa, o apresentador Otaviano Costa, a cantora Gal Costa, a miss Brasil 2009 Larissa Costa e as 'modelos' Michele, Sheila e Luciana Costa.


Os 'Freitas'[editar]

Daniela Freitas

Sobrenome de origem portuguesa, foi em 1164 que apareceu o primeiro a usar o nome: João Gonçalves de Freitas, filho de Diogo Gonçalves. O nome Freitas surgiu, na Ilha da Madeira e daí foi para o continente. Um dos fundadores da família no Brasil foi Rodrigo de Freitas. Em 1702, a herdeira de toda a área valorizada da Lagoa no Rio de Janeiro, Petronilha Fagundes, solteirona feia e encalhada, com 35 anos de idade, doidinha para dar para alguém, foi em cima e casou-se com o jovem e humilde oficial da cavalaria portuguesa, Rodrigo de Freitas, então com apenas 18 anos de idade. Como homenagem deu o nome dele à lagoa. Segundo consta ele um fudedor insaciável teve mais de 25 amantes no Rio de Janeiro e centenas de filhos. Alguns destes filhos vieram a radicar-se em São João Del Rei, de onde espalharam para Itaguara, Oliveira, Passa Tempo e Carmópolis de Minas. Conhecidas representantes da família são as 'modelos' Daniela Freitas, casada com Alexandre Frota, Fernanda Freitas e Joana Freitas.



Os 'Gonçalves'[editar]

Dercy Gonçalves.

Os Gonçalves primitivos tiveram origem espanhola, no reino da Galícia, com Moniz Gonzalo. Seu descendente D. Antão Gonçalves, senhor de Alentejo, visconde e arquiduque, foi o primeiro da linhagem portuguesa. Vieram para o Brasil na época da Inconfidência Mineira. Primeiro foram para Vila Rica (Ouro Preto) mas fugiram assim que começou a serem presos os inconfidentes. A vertente de Itaguara é diretamente afinada com a vertente que foi residir no Rio Grande do Sul, de onde proveio Bento Gonçalves, o líder da Revolução Farroupilha e o cantor Nelson Gonçalves. Dercy Gonçalves atriz e comediante, nascida no estado do Rio de Janeiro é a ancestral dos itaguarenses. Dá pra ver a semelhança em alguns da cidade que têm o sobrenome. Outras celebridades que têm o sobrenome são o poeta Gonçalves Dias, o cavaleiro Filipe Gonçalves e os atores Milton Gonçalves e André Gonçalves.


Os 'Morais'[editar]

Alinne Moraes

A palavra 'morais' deriva-se do latim 'murales' e significa 'muros'. Subsistem-se as duas formas Morais e Moraes. O primeiro a usar o sobrenome foi Alvaro Moraes que o tomou da localidade de Morais (Trás-os-Montes, Portugal), onde tinha a sua quinta. Existem Morales na Espanha e na América espanhola, dentre os quais destaca-se Evo Morales, presidente da Bolívia. Uma cidade da Espanha, uma da Colômbia e outra da Nicarágua têm o nome Morales. No Brasil os primeiros Moraes/Morais eram ricos capitalistas portugueses e chegaram em 1798 indo residir em São Paulo. Foram os ancestrais de Antonio Ermírio de Moraes. Alguns outros menos abastados chegaram depois da Independência, em 1823 e radicaram-se no Rio de Janeiro. Vinicius de Moraes é um descendente desta linhagem. Finalmente em 1914 chegou a terceira linhagem que desembarcou no Rio de Janeiro e depois esparramou-se pelo vale do rio Paraíba fluminense e paulista, como também a zona da Mata mineira, trabalhando nas imensas plantações de café. Os Moraes/Morais de Itaguara são desta última linhagem. Outros membros ilustres da família são o cantor Moraes Moreira, a atriz Alinne Moraes e a cantora gospel Soraya Moraes.



Os 'Oliveira'[editar]

Cristiana Oliveira

O membro mais antigo da família que se tem registro é Pedro de Oliveira, casado com Elvira Pestana, progenitores de D. Martim Pires de Oliveira, arcebispo de Braga em 1350. O solar da família era o Paço de Oliveira, na freguesia de Santa Maria de Oliveira. No século XVII alguns membros da família vieram para o Brasil e fundaram a cidade de Oliveira, que infelizmente com o passar do tempo ganhou a fama de ser uma terra propícia para a veadagem. Para não ter problemas, alguns Oliveira vieram para Itaguara, pois já estavam sentindo um coceirinha estranha no cu. Celebridades que têm o sobrenome destacam-se Luma de Oliveira, as atrizes Cristiana Oliveira e Paola Oliveira, a cantora Dalva de Oliveira e as 'modelos' Vanessa de Oliveira e Ana Paula Oliveira.


Os 'Silva'[editar]

Luís Inácio Lula da Silva


Sua origem é discutível. Alguns sustentam que é espanhola e deriva-se de D. Payo Gutierrez, que tinha o seu solar, às margens dp rio Minho, próximo da torre de Sylva. Foi para Portugal como 'adelantado', nomeado pelo rei Afonso Henriques. Cerca de 40% da população do Brasil tem este sobrenome, inclusive o nosso ex-presidente Lula. Esta fartura de Silva no Brasil foi causada por alguns imigrantes portugueses quando não tinham Passaporte, Carteira de Identidade e CPF para se cadastrarem e fazer parte das expedições que destinavam ao Brasil, recebendo uma bolsa viagem de 4 mil contos de réis, adotaram o sobrenome Silva. Isto era sugerido pela moça que fazia o cadastro. Algumas celebridades que usam/usaram o sobrenome: Marina Silva, candidata a presidência da República, Maisa Silva, a garota prodígio do Sílvio Santos, o apresentador Fausto Silva, a atriz Carmen Silva, o cantor Bezerra da Silva e as 'modelos' Adele e Eugênia Silva.


Os 'Silveira'[editar]

Juliana Silveira

Os Silveira são proveniente do arquipélago dos Açores e descendem de um nobre flamengo chamado Wilhelm van der Hagen, que ao chegar aos Açores, na ilha de São Jorge, traduziu o seu nome para Guilherme da Silveira. A família desta descendência espalhou-se por todas as ilhas dos Açores. Seu descendente Gonçalo Vasques da Silveira veio para o Brasil em data indeterminada e foi residir no sul de Minas Gerais. A atriz e cantora Juliana Silveira, muito gostosa, é uma das maiores celebridades com o sobrenome. É filha de um aparentado dos Silveira de Carmópolis de Minas, mesmo ramal dos de Itaguara.


Os ‘Sousa’[editar]

Daniele Souza, a 'Mulher Samambaia'

Existem Sousa e Souza, sendo a última uma versão arcaica da grafia. Deriva-se do latim Saxa (significando 'seixos', 'rochas'), que no século XI em Portugal foitransformado em Sausa. O primeiro a usar o sobrenome em Portugal foi D. Egas Gomes, nascido em 1035 e que acrescentou Sousa, do lugar onde tinha suas terras. Casou-se com Châmoa Gomes Gonçalves. Martim Afonso de Sousa, neto de D. Egas, foi quem trouxe o sobrenome para o Brasil em 1530. Os Sousa desembarcaram em São Vicente, e foram mais tarde para a recem fundada vila de São Paulo. Alguns da família, menos afeitos ao trabalho, montaram uma rede de casas de prostituição em São Paulo na rua Aurora (Boca do Lixo) e conseguiram ficar muito ricos. Suas filhas queriam participar do negócio (trabalhando de graça) e para evitar estes transtornos venderam tudo para um judeu e resolveram vir para Minas Gerais. Os Sousa/Souza de Itaguara são descendentes desta linhagem de São Paulo. A modelo Fernanda Souza e Daniele Souza, a famosa 'Mulher Samambaia' que trabalhou no programa 'Pãnico na TV', são algumas celebridades que usam o sobrenome.



Curiosidades[editar]

Curiosidades245.jpg


Por que tem tanta baranga mulher gorda na cidade? Quando solteiras eram magras. Descuidaram, ou o casamento engorda?

Por que os 'boys' colocam som alto nos carros e ficam desfilando na cidade? Acham que estão agradando ou querem ficar surdos?

Por que todos que assistem as missas comungam e ninguém confessa? O sacramento da confissão foi abolido ou ninguem mais peca nesta cidade?

Por que na igreja matriz tem tantos ministros da eucaristia? Quase não cabem em volta do altar. Querem aparecer?

Os ministros da eucaristia lavam as mãos antes de oferecer a hóstia? E se precisar dar uma mijadinha ou de coçar o saco? O padre, pelo menos, a gente assiste lavando as mãos.

Por que a lei antifumo não é respeitada nos bares e restaurantes de Itaguara?

Por que os supermercados não vendem cerveja em garrafa?

Por que nos fins de semana e feriados os itaguarenses saem de suas confortáveis casas para passar uns dias na roça, sem nenhum conforto? É alguma penitência pelos pecados? Por isso comungam sem confessar?



Ver também[editar]