Itaituba

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Aldeia Cquote2.png
Google sobre Itaituba
Cquote1.png Isto nunca Eczistiu! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Itaituba
Cquote1.png Nunca asfaltaram a minha rua. Cquote2.png
Cidadão itaitubense

Itaituba é uma cidade paraense localizada aonde Judas perdeu as botas (e não quis buscar), no norte da Transamargura, "rodovia" federal discriminada por qualquer presidente. Itaituba foi fundada por retirantes nordestinos que foram expulsos de suas terras por serem muito feios. Fica escondida às margens do rio Tapatojós. O rio quase engoliu a cidade anos atrás.

História[editar]

População se mobiliza para a chegada de mais uma balsa advinda da civilização.

No início do século XVII os portugueses decidiram iniciar a colonização do atual estado do Pará, expulsando os ingleses e qualquer um que encontrasse pelo caminho, inclusive os próprios nativos. Adentrando o território pelos rios, numa dessas expedições pelo rio Tapajós os portugueses se encontram com a tribo dos tapajós em 1623, uma população amigável que cedeu de bom grado suas índias nuas e limpinhas em troca de poucos espelhos. Os portugueses não pensaram duas vezes e ali estabeleceram seu vilarejo.

Aos poucos, pedófilos pederastas jesuítas de toda parte começaram a aportar na região, seduzidos pela existência de uma tribo indígena repleta de indiozinhos nus, eles foram logo escravizando a todos, obrigando-os a construir suas igrejas que hoje são tão apreciadas.

Durante a cabanagem, quando o estado do então Grão-Pará tornou-se uma grande putaria generalizada, o vilarejo de Itaituba aproveitou-se disso e veio a se tornar um grande município.

Ao longo de sua existência, ao contrário de Altamira, o vasto município de Itaituba era ruim demais para que certos distritos por lá permanecessem, e de seu território foram desmembrados Novo Progresso, Trairão e Jacareacanga.

Turismo[editar]

  • Porto da Balsa - Local de grande movimentação de vendedores de flautas, pedintes, motorista de D-20 e turistas itaitubenses em viagem de ferias para as metrópoles (Trairão, km-30, Mirituba).
  • km 7 - Antigo importante ponto de putas que faturavam alto alugando seus corpos para viajantes com destino ao rico "balneario" do Buburé. Hoje só em ruínas e com uma igreja no lugar, muito visitado por onanistas saudosos da boa época.
  • Trapiche - Local famoso pela quantidade de pivetes que morreram afogados, local do desaparecimento de um dos mais importantes intelectuais do município o cadeirante Cabeção que na década de 80 ficou famoso por ser fã da Bena Lago, só foi encontrado semanas depois da comunidade de Barreiras, tornando a água do Tapajós imprestável para consumo por mais de 2 semanas.
  • Barraca da Santa - Localizado em frente a biblioteca municipal a Barraca da Santa é um dos poucos restaurantes do mundo que ficam de costas para o seu maior cartão postal; Nos anos 80 durante o Arraial de Santana foi palco de dez putas, digo disputas homéricas entre Zezão do Abacaxi e Zé Arara, onde o caso mais famoso foi a leilão de um cacho de banana por 1 quilo de ouro.
  • Rurópolis - Onde os itaitubenses se escondem quando fogem da polícia ou querem uma putaria nova.
  • Transamazônica - Ambiente divertido onde toda família pode visitar para ver os carros e caminhões afundarem na lama.
  • Hotel Fazenda Maloquinha - Antigo recanto espiritual para padres - Essa é a parte "oficial", sabe-se que os santos enviados de Deus usavam o lugar para "catequisar" as senhoras puras do km 7. Hoje pertence a uma igreja protestante com vergonha na cara que purificou o lugar.