Jöns Jacob Berzelius

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
ESTE ARTIGO É SOBRE QUÍMICA

Não toque no destilador, é quente, sua mula!

Assistente.jpg
ESTE ARTIGO ESTÁ OBESO
No soy guerdo, tengo la ossatura larga!

Este artigo ficou grande demais, mas é normal visto que ele é GORDO e gordura é saúde e fartura!

Cquote1.png Você quis dizer: Macumba Cquote2.png
Google sobre Jöns Jacob Berzelius
Cquote1.png Com um nome desses só deve sair merda. Cquote2.png
Qualquer um

Berzellius foi um gordo químico sueco que não fez porra nenhuma além de comer.

Biografia[editar]

Gordo, pobre, nerd e filho da puta.

Berzelius nasceu numa pequena (menor que seu pênis, acredite) aldeia sueca da região de Osterglotand, filho de uma puta pastor luterano que além das suas funções clericais era diretor da escola primária de Linköping, que era a capital da província, e como seu pai era diretor da escola, ele como todo gordo babaca se achava para os coleguinhas. O pai faleceu quando ele tinha apenas 4 anos de idade e pouco depois a sua mãe casou com um viúvo de nome Anders Ekmarck (sim, ela tinha instintos putos), alemão e também pastor luterano, que segundo ela, era os que tinham mais "pegada". Graças ao "novo pai", o moleque teve estabiidade por um certo tempo, essa estabilidade foi interrompida pela morte da mãe e pelo terceiro casamento do padrasto, o que implicou a passagem da tutela de Berzellius para um tio seu. A partir daí, Berzellius passou a viver com parentes, ele viveu e cresceu pobre. A pobreza o fez interromper os estudos no ano imediato, retomando-as logo no ano seguinte após ter conseguido uma modesta bolsa de estudo. Foi por esta época que teve o primeiro contacto com a Química através da leitura de uma obra de Christoph Girtanner, o tratado intitulado Fundamentos da Química Antiflogística. A partir da leitura daquele lixo daquela obra, Berzelius aceitou as ideias de Lavoisier que postulavam que as espécies químicas não se constituem a partir dos quatro elementos primordiais (água, fogo, terra e ar) e ganhou um grande interesse pela química experimental (um tremendo filho da puta), considerando a descoberta e o isolamento dos elementos constituintes da matéria, os simples, uma tarefa primordial.

Sua carreira como químico[editar]

Berzellius sentado.

Passou então a realizar as suas experiências químicas ao mesmo tempo que prosseguia os seus estudos, se formou em medicina em 1799, apresentando uma tese de final de curso sobre a determinação do resíduo fixo em águas minerais. Prosseguiu os seus estudos de Medicina na Universidade de Uppsala, onde se doutorou em medicina em 1802, apresentando uma dissertação sobe a aplicação de pilha desenvolvida por Alessandro Volta ao corpo humano, seu cérebro estava querendo entrar em decomposição por causa de tamanha burrice informações inúteis que Berzellius havia na mente. Os seus problemas financeiros levaram-no a associar-se a Wilhelm Hisinger, um rico proprietário de minas e químico amador com um grande interesse no estudo da eletricidade e da eletroquímica, sabia apenas o básico, pois segundo ele não tinha tempo para isso, já que suas putas habilidades com isso eram poucas, e também não pretendia seguir na profissão. Com o suporte de Hisinger, Berzelius dedicou-se então ao estudo dos efeitos da corrente elétrica sobre soluções salinas, investigando o comportamento dos sais de alguns ácidos e dos sais de amónia. Em conjunto com Hisinger, publicou em 1803 o resultado dos seus estudos pioneiros sobre a dissociação dos sais por eletrólise, mas o assunto não despertou o interesse da comunidade científica, que na época pensavam em sexo outras formas de vida, e estavam pouco se fodendo para eletrólise e correntes elétricas. Este mau acolhimento, fruto do desconhecimento do trabalho de Berzelius e Hisinger, contrasta com a repercussão que em 1807 um artigo sobre a mesma temática, da autoria de Humphry Davy, conseguiria, granjeando para o seu autor fama e a consagração do meio científico. Os trabalhos sobre eletrólise de Berzelius e Hisinger apenas a ganharam reconhecimento a partir de 1819, mas ainda assim a prioridade histórica foi dada a Humphry Davy. Refletindo a crescente aceitação do seu trabalho e o prestígio que entretanto granjeou, em 1808 foi eleito membro efetivo da Academia Real das Ciências da Suécia, ocupando em 1810 a presidência daquela instituição, um completo nerd tetudo. A sua fama foi entretanto crescendo, particularmente entre a comunidade científica de língua alemã, atraindo ao seu laboratório de Estocolmo jovens químicos promissores, entre os quais Johann Friedrich Gmelin, Friedrich Wöhler e Alexander Mitscherlich, que se tornariam mais tarde famosos e fortaleceriam a influência e prestígio de Berzelius.

Seu fim[editar]

Como todo ser humano, um dia tem que morrer, demorou mas o filha da puta morreu. Berzellius morreu em 7 de agosto de 1848, com sessenta e oito anos. Em um dia aparentemente comum, ele teve um infarto e morreu, dias antes de uma palestra sobre nerdices e afins.

Boaquimica.jpg
Alquimistas Químicos e cientistas loucos em geral
v d e h

Antoine Lavoisier - Alessandro Volta - Alfred Werner - Amedeo Avogadro - Berzellius - Carl Bosch - Dmitri Mendeleev - Dorothy Hodkin - Doutor Roberto - Ernest Rutherford - Frederick Sanger - Frederick Soddy - Friederich Kekulé - Friederich Wöhler - Fritz Haber - Gay-Lussac - Geraldo Vicentini - Gilbert Newton Lewis - Henri Louis Le Châtelier - Humphry Davy - Jacobus Henricus van ’t Hoff - John Dalton - Joseph John Thomson - Joseph Louis Proust - Joseph Priestley - Josiah Willard Gibbs - Justus von Liebig - Linus Pauling - Louis Pasteur - Marie Curie - Niels Bohr - Otto Hahn - Paracelso - Peter Debye - Pierre Curie - Robert Boyle - Robert Burns Woodward - Stanley Miller - Svante Arrhenius - Tadeusz Reichstein - Vladimir Vernadsky