Jabá

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.
Hitler curtindo um som do Fresno. Jabá é emo.

Se você não respeitá-lo(a), um deles chamará o Adolfinho para lhe transformar em purpurina.
Cquote1.png Você quis dizer: Principal fonte de renda das rádios brasileiras Cquote2.png
Google sobre Jabá

Cquote1.png Você quis dizer: Rádio Jovem Pan Cquote2.png
Google sobre Jabá
Cquote1.png Você quis dizer: Jabá the Hutt Cquote2.png
Google sobre Jabá
Cquote1.png Você quis dizer: Atrofiador de mentes Cquote2.png
Google sobre Jabá
Cquote1.png Experimente também: Desligar o rádio Cquote2.png
Sugestão do Google para Jabá
Cquote1.png Dar para receber... Cquote2.png
Rick Bonadio sobre Jabá
Cquote1.png Esse é o fenômenos que explica a decadência das rádios brasileiras. Cquote2.png
Antropólogo sobre Jabá
Cquote1.png De novo essa música? Cquote2.png
Você após ligar o rádio e ouvir a mesma música 1 hora após ela ter tocado antes
Cquote1.png De novo essa banda? Cquote2.png
Você após ouvir o som da mesma banda após 30 minutos
Cquote1.png Assim você me mata! Cquote2.png
Michel Teló sobre Jabá
Cquote1.png Jabá! Jabá! Cquote2.png
Aquela voz feminina da música mais famosa do Shabba Ranks sobre Jabá
Cquote1.png It’s a king of Magic! Cquote2.png
Queen sobre o Jabá, que é capaz de fazer com que radios modem suas propostas musicais
Cquote1.png É feijão cum jabá, disgraçada! Num qué compartilhar! Cquote2.png
Mamonas Assassinas sobre Jabá
Cquote1.png Eternamente grato a isto! Cquote2.png
NX Zero sobre Jabá

Exemplo de banda que deve agradecer todos os dias pelo pagameto de jabá

Jabá é o nome de um tipo de suborno derivado de um imposto feudal que as rádios e os canais musicais de televisão recebem para que os cantores tenham sua vaga cativa nas rádios e em programas de videoclipes e shows na TV.

Já perceberam que as músicas nas rádios estão uma porcaria e que agora o que mais tem por aí é web rádio, gente sem medo do SOPA baixando músicas e muitos acessos a músicas de cantores sem espaço na mídia em YouTube e em sites de música? Então, efeito do jabá.

Esse suborno que nasceu como um imposto se tornou a principal fonte de renda de rádios como Mix, Jovem Pan e Transamérica, e de canais como o Multishow, como podemos ver em seu programa de clipes TVZ.

Com a glamourização e o consequente preconceito com o movimento emo, esse suborno está muito associado a eles, já que são os maiores beneficiados com tal pagamento, enchendo as rádios com seus choros e melodramas, fazendo com que uma geração que cresceu ouvindo rádio resolvesse desligá-lo ou procurar rádios alternativas que, na maioria dos casos, não conseguem elaborar um planejamento para poder se manter funcionando sem dinheiro de jabá e acabam quebrando.

Nomes como NX Zero, CPM 22, Banda Cine, Restart, Michel Teló, Justin Bieber, MC Naldo e todos os cantores, bandas e ninfetas cantoras da Disney são exemplos de artistas que se beneficial com tal pagamento.

As Origens:[editar]

Rick Bonadio e o dono da HP Brasil juntos? AAAAWWWW YEAH!!!!!

Na Europa Feudal, não existiam shows privados. Todos os shows eram organizados pelos senhores feudais com auxílio da Igreja, a organização que mandava e desmandava nos feudos. Esses shows garantiam muito dinheiro, o que ajudavam a manter o poder da Igreja e dos senhores feudais. O Clero ficava mais influente e a Nobreza tinha mais poder de fogo.

Algumas décadas antes da Idade das Trevas, o feudo já estava com problemas financeiros, temendo os perigos que vinham de fora da Europa. Todo o dinheiro arrecadado com os impostos feudais eram usados na prevenção desses males. Mas, em certo momento, o orçamento realmente apertou. Os clérgicos sugeriram cobrar um novo imposto. Como os servos já estavam de saco cheio de impostos e não tinham de onde tirar dinheiro para o pagamento de mais um, eles optaram por um imposto para os músicos, que tinham um pouco mais de dinheiro, ou seja, podiam pagar mais um imposto, e, para tocar nos shows feudais, eles teriam que pagar uma taxa. Após horas de discussão, concluiu-se que o nome desse novo imposto seria JABÁ.

Todos os cantores que queriam se apresentar na Europa naquela época passaram a pagar esse imposto, e, nem sempre agradavam os nobres e os servos, que frequentavam estes shows.

Evolução:[editar]

Mais um exemplo. Podem até falar que o pai paga jabá, mas, acho que até ele tem vergonha do filho. Bem, os que falam que o pai dele pagava acreditam que ele só o fazia porque seu filho não representava ameaça quanto a Mari Alexandre..

Séculos após o fim do Feudalismo, o rádio foi criado por um italiano brasileiro, que era baiano e, como manda o estereótipo, preguiçoso, preguiçoso a ponto de não patentear a criação, assim, com um italiano encontrando um protótipo e o patenteando.

Com o passar dos anos, novas funções foram criadas para ele, entre eles, tocar música. Nisso, um historiador que tinha como especialidade o Feudalismo, cria uma rádio musical, e recria o contexto de jabá que tínhamos. Agora, cantores e empresários de cantores tinham que molhar a mão desta rádio para ter as músicas tocando. Mas, ninguém sabia disso. Isso tinha que ficar entre as rádios e os cantores candidatos a essas vagas cativas nas rádios.

Durante a Crise de 1929, as outras rádios, com medo de quebrar, sem saber do passado, resolveram cobrar também para que os cantores pudessem ouvir suas músicas nas rádios. Querendo aparecer nas capas de Forbes e People, o cara que modernizou nas entrelinhas o Jabá resolve dar as caras com todas as notas fiscais que ele escondia, sabendo que se tratava de algo antiético, e comprovou que ele, de certa forma, teria salvado as rádios americanas da falência naquele período difícil.

Em 1930, um radialista uruguaio, querendo lucrar muito com a Copa, implementa em sua rádio o pagamento de jabás para que as músicas tocassem lá. Queria se aproveitar do fato de o seu país estar superlotado devido a competição, mais gente pagando, mais gente ouvindo a música, mais lucro para cantores e rádio.

2 anos depois, durante os Jogos Olímpicos de 1932, o bum do Jabá finalmente aconteceu, pois um país em crise sediando uma grande competição e ainda com essa chance de fazer as rádios não sentirem tanto a Grande Depressão.

Após Francisco Ferdinando ir para a vala, a Europa voltava a conviver com uma das suas criações mais destrutivas. Durante a Guerra, os governos dos países do Eixo pagavam jabá as rádios para que músicas que incitassem a guerra e propagandas de alistamento, em outras palavras, enchendo o saco com a utopia que aquilo estava se tornando.

Percebam que nessa época, era tudo escancarado mesmo. Ou seja, é válido considerar este suborno uma espécie de máfia, já que têm caminhos parecidos.

Na década de 70, com o estouro do movimento anarquista, os punks pagavam para as rádios tocarem as músicas com seus pontos de vista, ali começando a marginalização do Jabá, mas que ainda era escancarado, ao contrário dos dias atuais.

O Jabá no Brasil Atual:[editar]

Miley Cyrus gratificando os empresários da Disney mundo afora que pagaram jabá as rádios
Mais um que torrou milhões com pagamento de jabá. Falam que ele veio de família pobre, mas, na verdade, ficou pobre no começo da carreira com tanto jabá sendo pago. Aí deu a sorte de esbarrar com o Usher e ele passaria a pagar o suborno mundo afora.

Aqui na nossa Terra de Ninguém, já que o Jabá se marginalizou nos anos 70, todos os empresários de bandas e cantores começaram a falar que não pagam jabá para as rádios, mas, intelectuais, antropólogos e bandas e empresários que não pagam tal suborno denunciam e falam que sim, todos pagam jabá.

Em 2003, o movimento emo, altamente difundido mundo afora mas desconhecido aqui no Brasil vê sua luz no país quando Rick Bonadio, o Deus dessa tribo, queria difundir o estilo no Brasil, e molhou a mão dos donos das rádios para que as ladainhas emocionais destas bandas tivessem seu espaço garantido nas rádios, inclusive em rádios que tocam “música povão”, é o jabá fazendo magia de mudar a proposta musical das rádios.

A metodologia foi se agravando ano após ano. As rádios estavam dependendo deste pagamento para funcionarem sem perigos, não queriam quebrar.

Em 2006, a Rádio Cidade não conseguiu se manter, e teve suas atividades encerradas, substituída pela Oi FM, que também não pensou em uma estratégia de tirar dinheiro em necessidade desse pagamento, mas, também não vingou e, anos depois, também encerrou as atividades.

A Jovem Pan um dia não foi jabazeira (pode acreditar) e, nesses tempos, a rádio chegou a encerrar atividades no Rio em 2007, sendo substituida pela Mix, que era expert na arte jabazeira. Após aprender um pouco sobre isso, a rádio migrou para o Lado Jabazeiro da Força e começou a dar importância aos empresários de bandas e, com tal ensinamento, volta ao Rio em Março.

Rico, após conseguir fazer uma parcela da população engolir o movimento emo, agora, era a vez de um movimento mais mesquinho ainda ganhar espaço no Brasil: o movimento colorido, conseguindo assolar mais um modismo na sociedade através do jabá.

Nos anos 2010, o jabá passou a ser considerado crime, mas, como os funkeiros não temem a Lei, eles começaram a fazer tal pagamento para aparecerem em tudo. Até foi levantada uma máxima que dizia que antigamente artistas recebiam para aparecer: agora eles pagam. Sabe aquele funk que toca naquela rádio pop que você começou a ouvir para ficar longe do estilo? Então: caiu por terra...

No embalo dos funkeiros, Latino, como sempre inspirado por nomes como Ditto e Kakashi Hatake, resolveu copiar uma música, justamente o grande viral dessa década: "Gangnam Style". A música não iria a lugar nenhum, já que teve uma grande desaprovação da mídia. Iria, porque ele recorreu a tal pagamento para as rádios e a TV limparem sua imagem. Eles até ajudaram, mais uma vez, agradecendo eternamente a esse pagamento.

Mas, ainda há esperança: a MTV fez um levantamento num momento de crise, sem dinheiro nem para o Rockgol e com o VH1, que não aceitava esse ordenado, mais popular no país, e concluíram que podem ser mais rentáveis com patrocinadores do que com Jabá, e começaram a recusar o pagamento dos empresários. Resultado: a MTV ficou ligeiramente boa, e voltou a ser respeitada pelo público

Fatos:[editar]

Este aí fez uma meia-dúzia de músicas, ficou famoso e regravou “Ai Se Eu Te Pego” para agradecer ao empresário pelo pagamento de jabá.
  • Hoje os emos sofrem tanto preconceito porque as pessoas simplesmente não gostaram das músicas do movimento graças ao pagamento de jabá, que impossibilitououtras músicas de tocarem, dando origem a movimentos antiemo ao longo do país;
  • Nenhuma rádio que não vive de jabá consegue vingar. Hora ou outra eles quebram;
  • Alguns entendem o jabá como uma lavagem cerebral, já que a mídia tem poder de influenciar, assim, com esse pagamento, mais psudobandas surgem e conseguem deixar uma legião de gurias retardadas molhadinhas enquanto acham que estão ouvindo música;
  • A “música” “Ai Se Eu Te Pego” possui mensagens subliminares: Na verdade, na sua versão, aquele refrão demoníaco não se refere a uma mulher e nem ao Neymar, mas sim, ao empresário que pagou tal suborno para sua música tocar nas rádios (inclusive em rádios pop, onde sertanejo, a priori, não têm espaço).
Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Jabá no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg