Jogos de hack and slash

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Lindomar Turbo.jpg Você quer levar um PILÃO?

Este artigo envolve algo relacionado a brigas. Se você é homem o suficiente para encarar, vá em frente, mas não se esqueça de levar gelo!


Cquote1.svg Você quis dizer: Beat 'em up Cquote2.svg
Google sobre Jogos de hack and slash

Jogos de hack and slash é um gênero de joguinhos idiotas destinados a um público com retardo mental tão severo que nem mais Call of Duty ou Battlefield servem para saciá-los, e assim devem jogar algo extremamente casual e sem sentido que consiste em massacrar por várias horas sem parar o mesmo botão de um controle e fazer um personagem matar milhares de inimigos imbecis um atrás do outro sem parar.

Características[editar]

Senran Kagura, um jogo de hack and slash de sucesso, pois só tem mulher e você não entende o que está havendo.

Não há muito o que se dizer sobre como um jogo assim é. Jogos de Hack and Slash são jogos de ação frenética e porradaria desenfreada, e se você concluir pelo menos uma fase de Dynasty Warriors, Samurai Warriors, God of War ou Devil May Cry vai entender o quão retardado é. Se for uma pessoa normal, irá com tendinite se consultar no hospital mais próximo, mas se for um punheteiro nato estará mais do que habituado e conseguirá com sucesso passar na provação de jogar uma fase inteira de um jogo de hack and slash, massacrando um mesmo botão.

Estes jogos são sempre a mesma repetição sem graça de hordas de inimigos retardados vindo para cima de você e morrendo todos com um golpe só, no máximo dois, então no final um chefe que deveria proporcionar um desafio um pouco maior, na verdade só proporciona um combate extremamente tosco, sem graça, travado e repleto de bugs. Os combates são extremamente simplificados, pois a ideia é que qualquer pessoa com severo retardo mental consiga jogar o game, assim havendo maior inclusão social, então basta ficar aproximadamente 1 hora apertando o mesmo botão sem parar, que irá passar de fase.

Como são jogos imbecis focados em porrada e 300 movimentos, combos e armas diferentes, certamente não são referência em bons enredo ou algo de valor para críticos e gente cult. Além da ação idiota estes jogos apostam em sex appeal gratuito como vemos nos jogos Bayonetta, Killer Is Dead e Lollipop Chainsaw, para então, mesmo o jogo sendo horrível, atrair aquele punheteiro maldito para consumir este tipo de produto.

Se o jogo não contar com gostosas, então o protagonista é sempre um fodão genérico que só pirralhos abaixo de 14 anos vão sentir algum tipo de empatia, como vistos em Devil May Cry e Ninja Gaiden.

História[editar]

O hack and slash é apenas uma evolução natural dos antigos jogos 2D de beat 'em up, pois com o avanço tecnológico gráfico dos videogames, começou a tornar-se ilógico prender as pessoas numa tela para bater numa meia-dúzia de capangas e passou-se a prender o jogador em salas com um pouco mais de inimigos. Agora com cenários em 3D, estes monstros e capangas tem mais espaço para se movimentarem por aí e ter mais variação de tamanhos e formatos, mas como sempre é só sair batendo neles. Com o Dynasty Warriors 2 lançado em 2000, a Koei patenteou o hack and slash com arenas muito grandes, pois conseguiu transformar um período riquíssimo da história numa porcaria totalmente genérica, e desde então eles nunca fizeram um hack and slash que não fosse diferente daquilo.

O termo é originário de n00bs (dummies) jogando D&D, que desprovidos de criatividade, intelecto ou senso de qual é a diversão de um RPG de mesa, jogavam RPG com ênfase exclusivamente em combates dizendo "aí eu bati nele" e rolando o dado, e repetindo isso durante noites a fio Quando este estranho comportamento bizarro de repetição foi transferido para os videogames, o termo 'hack and slash' foi ideal para batizar aquele tipo de jogo que deveria ser totalmente evitado por pessoas que desejam manter a sanidade e a saúde de seus tendões das mãos.

Jogos de hack and slash então passaram a ser utilizado por empresas preguiçosas, que uma vez lançado algum título consagrado graças a bons enredos e boa jogabilidade de combates (algo que os jogos hack and slash não possuem) poderiam assim se dar ao luxo de lançarem algum jogo bem merda, sustentado pela marca, apenas jogando algum protagonista consagrado para matar hordas de inimigos extremamente genéricos, assim surgindo vários caça-níqueis de baixíssima qualidade como Metal Gear Rising: Revengeance, Hyrule Warriors, SoulCalibur Legends e tantos outros jogos de pouca qualidade que são criados por criar.