José Saramago

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Pensador trabalhando.jpg José Saramago é um filósofo
Portanto também é um deficiente mental...

Este é mais um desocupado que não tinha porra nenhuma pra fazer além de contemplar a empolgante vida sexual dos caramujos-de-jardim. Se você é uma pessoa provida de um pouco de sanidade mental, vá procurar algo melhor para ler, como uma bula de remédio!

Hammer and sickle.png Este artigo foi aprovado pelo Conselho de Proteção à Moral da Família Soviética como sendo livre de conteúdo subversivo.
DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...Este artigo seguindo a escola de Saramago não usará pontos, apenas vírgulas, é difícil de ler pra cacete, mas dá para ganhar o prêmio nobel

José Não-Uso-Pontos Saramago, grande teólogo do Eu-Não-Acredito-Em-Nada, foi um escritor português Prêmio Nobel de literatura por praticamente não usar pontos nem travessões, além de seu indefectível penteado, que não usa pente assim como também não usa nenhuma pontuação gramatical senão vírgula., Desde pequeno, Saramago aprendeu que culpar Jesus e as religiões era sempre a melhor solução e hoje ganha a vida assim, mas não mais, porque morreu, Quando era pequeno, ele roubava e quebrava coisas, e quando seu pai perguntava "quem fez isso?!" ele respondia "Foi Jesus!", aí o namoradinho da Madonna que apanhava,

Desentrevistasminibox.PNG O Desentrevistas
possui uma entrevista com
José Saramago

Temas[editar]

Saramago, engrandecido pelo Prêmio Nobel
José Saramago é um escritor muito profícuo, dentre os principais temas de seu livro encontramos
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal de Portugal
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal de Portugal por causa da Igreja
  • Falar bem de Cuba, mas não por causa da Igreja
  • Falar mal de Portugal, não necessariamente ou logo em seguida a falar mal da Igreja
  • Falar mal dos Estados Unidos, mesmo sem Igreja
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal da Igreja
  • Falar mal de Portugal duas vezes, e falar mal da Igreja uma
  • Fingir que não fala tão mal da Igreja para rapidamente em seguida deplorar como a Igreja é má

    Típico diálogo de um livro de Saramago[editar]

    João, Olá, Maria, olá, como está, Maria, Estou bem, João, tu já ouviste a piada do papagaio, não não ouvi, queres que conte, quero, o português foi no banheiro e estava sem achar o papel, e então, João, ai veio um padre e comeu a todos, Maria, que legal João, muito engraçado mesmo, então tá, então tá, esse pais só vai ser bom quando for comunista, é, é, verdade mesmo, João, sim, Maria, andas comigo Maria, andos, João, queres sandes, Maria, quero, quer ketchup, não, João, quero que me comas, tá, que bom, a culpa é da Igreja e do rei, mesmo, Maria, até João, Olha-me por dentro

    Infância conturbada[editar]

    Zezinho Saramago! Ou tu aprendes a pontuar direito, ou me ponho a dar-te uma surra de vara de marmelo!!!
    Suspeita-se que os traumas da vida de Saramago começaram na sua infância, na pacata vila lusitana de Albufareira da Azinhaga no Douro, Ribatejo, Trás-os-Montes, tudo começou no colégio jesuíta que o jovem Zezinho estudava, nas aulas de português do rigoroso padre Inácio, um homem que não perdoava os erros das vírgulas, quanto mais dos travessões, Zezinho ficava de castigo muito tempo por já desenvolver seu estilo peculiar de literatura, que nos bons tempos de boa educação se dizia errada, mas que hoje em dia é vista como vanguardista, apesar de ligeiramente incompreensível,

    Enfrentando as contínuas repreensões dos seus professores padres, Saramago desenvolveu seu estilo único, mais velho, Saramago jurou nunca mais respeitar padres e pontuação alguma, como vivemos numa época em que fazer errado é visto com bons olhos, prosperou e se tornou um grande escritor, por saber escrever no nível intelectual correto dos comunistas típicos,

    Grande obras[editar]

    Ensaio sobre a coceira, Memorial do cata-vento, A viagem da lombriga, Evangelho segundo Cavaco Silva, A jangada de merda.

    Terra do Pecado[editar]

    Sua primeira obra a receber destaque, Conta a história de Brasília de cabo a rabo, Como começaram as orgias históricas entre a Igreja e o Estado e também discorre do destino da cidade mais filha da puta do Brasil,

    Memorial do Convento[editar]

    A Fuvest adora este livro e torturou já diversas gerações a o ler, história muito sem pé nem cabeça de quando o rei D. João V quis construir uma igreja, o que para Saramago é um absurdo pior que usar pontos e travessões, o livro tem cenas tocantes dos trabalhadores carregando pedras para o convento, onde Saramago exercendo sua habilidade histórica seletiva lamenta por não usarem o sistema trabalho escravo da União Soviética comunista que o escritor tanto admira, com cogitações de como o capitalismo e a igreja são maus feito o pica-pau, no livro aparece o padre voador Bartolomeu Lourenço de Gusmão que constrói a Passarola que flutua aparentemente pelo uso dos pensamos ocos e vazios de Saramago captados pela bruxa Blimunda, feia de cara e boa de bunda, e também do transformista Dormenticu Scarlatti que toca estupidamente para a turma e depois ninguém sabe por quê joga um piano dentro de um poço, era um cravo, seu imbecil, mui histórica também a cena em que o rei está montando no palácio um prédio com Lego comprado com ouro do Brasil de um mafagafo, no final o livro termina culpando a Igreja por todos os problemas da terra, a Inquisição Espanhola que aparentemente trabalhava em Portugal na época termina queimando todo mundo porque para Saramago problema mesmo é a só a Igreja e Inquisição passada, não a ditadura atual na Coréia, nem Cuba, nem China, preparando o caminho para sua obra prima, Ensaio sobre a (minha) cegueira

    Ensaio sobre a cegueira[editar]

    Saramago segurando a cabeça para não dormir no cinema vendo Ensaio sobre a cegueira
    Relato autobiográfico, de como o humanista José Saramago apenas no ano 2000 descobriu que Cuba é uma ditadura que mata e tortura presos políticos depois de a apoiar durante décadas, transformado em filme com um episódio muito interessante da tesoura, de acordo com Saramago todo cego é porco e animal que por ser cego sai por ai se comendo e se matando, no final o livro termina culpando a Igreja por todos os problemas da terra, e talvez de tanto repetir convença alguém que um velho que não sabe pontuar mereça o prêmio nobel, para quem tiver preguiça de ler virou filme

    Jangada de Pedra[editar]

    Para aliviar a União Européia de alguns de seus parceiros menos cotados, a França desamarra a península ibérica, que passa a flutuar no oceano, mas no fim, tudo afunda porque a Espanha é bem mais pesada e maior, carregando tudo para o fundo do mar, o livro termina culpando a Igreja por todos os problemas da terra

    O Evangelho segundo Jesus Cristo[editar]

    Cessem Mateus, Marcos, Lucas e João, calem-se Agostinho e Tomás de Aquino, Silenciem-se os papas, teólogos e santos, o único homem que realmente entendeu o que Jesus Cristo quis falar é o ateu José Saramago, o livro termina culpando a Igreja por todos os problemas da terra, e não usaremos ponto de jeito nenhum... sim... sim... sim...

    Futuras obras[editar]

    Herói ideal de Saramago, limpando de maneira muito ilustrada e racional o mundo do atraso e obscurantismo

    Meio desiludido e sem ideias, Saramago retorna em seus velhos temas, como a inimizade com a pontuação a à religião, agora com a ajuda de autores mais bem sucedidos

    Harry Potter e o Convento da Pedra da Cegueira segundo Jesus Cristo[editar]

    Escrito junto de J. K. Rowling, nesta história o bruxinho mais amado do mundo entra numa aventura que via descobrir o grande feitiço de Lorde Voldermort num plano maligno junto a Igreja e os salazaristas para banir de vez a magia branca da Revolução Comunista e implantar uma ditadura de travessões, pontos e reticências, contra os guerreiro do bem das vírgulas de escola Hogwarts

    O Código Da-Vírgula[editar]

    Um código de vírgulas encontrado no clitóris da curadora morta da Torre do Tombo leva o virgulólogo, Long Dong, a uma pesquisa que descobre que os Illuminati, a burguesia, a Igreja e os Orleáns e Bragança estão numa conspiração para esconder que Hugo Chavez é legitimo herdeiro de Jesus Cristo com Rosa Luxemburgo

    Legado[editar]

    Assim como Barack Obama ganhou o premio nobel da paz sem ter terminado nenhuma guerra, Saramago também ganhou o premio nobel da literatura sem saber escrever, É uma coisa assim, tipo, para popularizar o premio nobel, sabe, esse negócio de premio nobel por mérito é coisa muito de elite

    Saramago encontra Deus (escrito em linguagem saramaguiana)[editar]

    Bateu as botas o escritor e foi se encontrar com Deus, apesar de não acreditar nele, Saiu este diálogo

    Tu és Deus, sim sou o Senhor Teu Deus, não és meu Deus, sou ateu e comunista, se acreditavas, Saramago, que o comunismo era bom, porque não acreditavas em mim que sou mais verossímil, não acredito em ti, Deus, e ponto final, não, sem pontos, Saramago, porque você só usa vírgula, vais me condenar agora ao Inferno porque sou ateu, Deus, não, Saramago, vou te condenar ao profundo Inferno porque não suportava o jeito que escreves, aahahaaahahhah

    E assim José Saramago foi ao Inferno, onde o Diabo, que nunca usa vírgula, passará toda a eternidade lhe enfiando um travessão pela bunda,

    Ver também[editar]

    José Saramago: Morreu o único português dotado de intelecto (ou não)

    v d e h
    Livros de José Saramago