Kátia Abreu

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Ladra06.gif Kátia Abreu é mais um dos
POLÍTICO$ DO BRA$IL

E tira férias em Paris.

Ptbosta.gif Este artigo tá uma bostinha.
Ele está pequeno, chato e sem graça. Será que teria alguma alma caridosa capaz de fazer uma boa ação, tipo a de editar e colocar coisas engraçadas, de forma que ele fique mais engraçado e menos idiota? Só tome cuidado porque o Moderador Malvado está de olho em VOCÊ!


Cquote1.png Namoradeira! Cquote2.png
José Serra sobre Kátia Abreu

Kátia Abreu (também conhecida como Dona Motosserra), famosa nobre do século XIV, tem como nome completo Kátia Regininha de Albertina Abreul Katiúncula Abreulis. Nasceu em Goiás, no antigo Império Central, em 2 de fevereiro de 1962.

Origem[editar]

A lendária carta de Kátia Abreu, essencial em qualquer deck de mana preta.
Jogo dos 13 erros

Kátia Abreu desde pequena sempre foi uma latifundiária. Ajudava seus pais, que sempre foram grandes proprietários de terra da região, a cultivar lentilhas espinhentas e criar camelos de orelhas caídas, lhamas de pescoço curto e ariranhas dóceis.

Na adolescência, a pedido dos pais que viam na Katia um forte poder persuasivo, ela comandou a cooperativa dos ordenhadores de leite de cabra, ficando com 76% dos lucros dessa cooperativa (os outros 26% ficavam com a família dela).

Como todo e qualquer playboy cansado da vida chata que a classe média alta tem resolve partir pra política, onde consegue se eleger e depois de criticar a governanta conseguiu como brinde um cargo no desgoverno do reino de Brasilis.

Carreira pública[editar]

Na maturidade foi chamada a ser a bruxa mágica do Reino de Brasilis e, nesse cargo, além de fazer prognósticos sempre certeiros, defendeu os interesses com unhas e dentes os donos de gentes e terras. cabe destacar que suas unhas cortavam com machados e dentre seus dentes cerrados, quando rosnava, saía a fumaça cinzenta que ainda hoje cobre o planeta.

Foi a primeira mulher a estudar o inconsciente humano e a descobrir que os seres humanos tem cinco cores de cérebro relacionados a maior ou menor quantidade de direitos: azul, violeta, púrpura, fúcsia e amarelo manga.

Com uma epidemia de tênia que ceifou seus camelos de leite, investiu pesadamente em gafanhotos que comercializava com os asiáticos. Um erro levou a uma superprodução de gafanhotos, o que, por sua vez, extinguiu por completo toda a mata restante no subcontinente de seu reino medieval.

Não obstante esse erro, a nova dinastia de Dilmis, colocou-a em lugar de destaque.

Controvérsias[editar]

Suas opiniões polêmicas sobre os escravos, a quem não atribuía nenhuma vida e dignidade alguma, chocavam os latifundiários de esquerda, porém não eram capazes de destituí-la de seu posto de grande pensadora do reino de Brasilis.

Os pré-iluministas que defendiam a escravidão do corpo e da alma e também a supremacia corpórea e espiritual dos invasores do século XI, tentaram envenená-la, no entanto, mais uma vez, ela supera as adversidades e é nomeada a ideóloga de sua época.

Atualmente[editar]

Hoje restam cinco estátuas e três bustos em sua homenagem e é considerada a precursora da defesa dos direitos daqueles que já possuem muitos direitos.