Kaliningrado (óblast)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Kaliningrado (em russo, Kaлинингpaдo), conhecido também como Estônia 4, foi a única de suas três irmãs estônias que não conseguiu a independência da Russia. Localiza-se no meião da Europa.

História[editar]

Seria o mapa da Estônia? Da Letônia? Da Lituânia?

Kaliningrado foi habitada nos primórdios da humanidade pelo mesmo povo desconhecido que nunca fez nada de útil para a humanidade da tribo estoniana.

Kaliningrado foi um condado no extremo leste prusso durante muito tempo chamado de Königsberg (não me pergunte), como os prussianos tinham que se preocupar com invasões germânicas diárias à oeste de seu país, Königsberg ficou abandonada. por isso durante muito tempo Königsberg viveu como bons poloneses, com medo da Alemanha e figurando no cenário europeu.

Durante a Segunda Guerra Mundial quando o mapa da Europa mudou, um monte de países conquistaram ou perderam territórios quando baixou o espírito de war na galera. Um general chamado Kalinin, conquistou Königsberg no inverno quando o exército prussiano foi dizimado por alemães no front oeste. Era o fim da Prússia e a Russia venceu o jogo quando conquistou dois continentes e mais cinco territórios a sua escolha.

E quanto à Königsberg, se transformou em Kaliningrado (tradição russa colocar cidades com nome de seus conquistadores/barganhadores com grado no final, para demonstrar que a população está de bom grado).

Kaliningrado parece ter parado no tempo, pois com o fim da União Soviética o mais sensato seria eles terem se separado, um monte de países surgiram, um monte desapareceram e Kaliningrado continou ali, como se nada tivesse acontecido, incorporado à Federação Russa.

Geografia[editar]

Kaliningrado é o menos russo de todos os estados russos. Kaliningrado parece uma daquelas pancadas de paisecos minúsculos europeus. Há alemãos, poloneses, romenos, ucranianos, mas russos mesmo não se encontra, apenas há estátuas e quadros de Vladimir Putin espalhadas pelas cidades para lembrar ao povo quem manda ali.