Kantismo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Síntese do kantismo.

Cquote1.png Toda ação gera uma reação, por isso cuidado com esa nitroglicerina garoto! Cquote2.png
Um professor de física ensinando o conceito básico do Kantismo

Kantismo é mais uma dessas filosofia loucas, inventado por um alemão filósofo nascido em Königsberg, Prússia (hoje Kaliningrado, Rússia). O kantismo termo ou kantiano às vezes é também usado para descrever posições contemporâneas em filosofia da mente, epistemologia e ética, isso dependendo do quanto insana estiver a sua cabeça.

A ética do kantismo[editar]

Ética kantiana é deontológica, que gira inteiramente em torno de dever, em vez de emoções ou objetivos finais. Todas as ações são realizadas de acordo com alguns subjacente máxima ou princípio, que são profundamente diferentes entre si, que está de acordo com esta que o valor moral de uma ação é julgada, sendo uma noobisse ou não feita. Éticas de Kant são fundadas sobre a sua visão da racionalidade como o bem supremo e sua crença de que todas as pessoas são fundamentalmente seres racionais.

Não entendeu ainda? Bem, o kantismo em geral é apenas saber de que tens um dever a fazer e idéias para poder fazer de vez isso num determinado tempo, mas a cada minuto que você lê isso, mais desperdício de tempo terás em resolver um problema, então desligue logo o seu computador!

As regras de formulação de kantismo[editar]

  1. Agir apenas de acordo com aquela máxima pela qual você pode ao mesmo tempo querer que ela se tornasse uma lei universal, a não ser que estiver sendo perseguidos por pitbulls, então salve-se quem puder.
  2. Agir de modo que você sempre trate os outros como um fim e nunca como um meio para um fim único, embora você sempre fará o oposto que estamos te ensinando, ou não.

Considera-se que o objeto não passa de um produto da atividade do sujeito, ao contrário do racionalismo cartesiano, que considerava o espírito como uma espécie de placa fotográfica registadora da experiência. O racionalismo de Kant considera o espírito como uma espécie de aparelho de projeção capaz de iluminar as trevas da realidade, salientando que os objetos andam à volta do sujeito, em vez da postura do anterior racionalismo que, pelo contrário, considerava que o sujeito andava à volta dos objetos. Assim, em vez de factos, passa a haver apenas interpretação de factos. Porque o espírito é que cria o próprio objeto do conhecimento, porque o método é que cria o objeto. A forma, o a priori, a atividade ordenadora do nosso espírito, é que coordena o a posteriori, a matéria fornecida pela intuição sensível, pelo que só através da forma, das categorias, é que poderia ordenar-se o caos da experiência. Por fim, para saber um pouco mais sobre o Kantismo, leia aqui, se não souber nada sobre inglês, então que se foda procure um Google Tradutor para ver se entende algo sobre isso.