Kikunojou

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Condoriano.jpg Este artigo é relacionado a fillers!

Você nunca vai ver num mangá, provavelmente não serviu para porra nenhuma
e é difícil pacas de encaixar na cronologia original (ou não).

Clique aqui para saber de outras coisas sem importância.

Donamorte1.jpg Kikunojou já morreu!

Beijinho, beijinho, tchau tchau!

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno


Kikunojou é um valente shinobi do País Minúsculo (ou País Verdejante). Desde pequeno sempre foi fascinado por flores. Sua paixão por rosas, margaridas, lírios e papoulas foi tamanho que, quando cresceu Kikunojou criou e desenvolveu um tipo próprio de ninjutsu: o hanaton, ou elemento flor.

Ainda pequeno, Kikunojou conheceu Tsunade, por quem se apaixonou perdidamente e prometeu: 'quando eu crescer vou me casar com você' (certamente ele não pensaria assim se a conhecesse hoje).

Por seu fascínio por flores, Kikunojou sofreu muito nas mãos dos bullys, que o taxavam de gay, emo e outros xingamentos impublicáveis, mas nunca desistiu de aprimorar sua arte ninja, o que lhe conferiu o posto oficial de amante guarda-costas pessoal da princesa Haruna (embora ela tivesse uma queda pelo irmão mais novo de Kikunojou, Yurinojou).

A biba usando seu hanaton. QUE BIBICE! ARGH!

A princesa Haruna foi jurada de morte pelos terríveis Irmãos Criminosos (que nome mais original), e não confiando na capacidade de Kikunojou e Yurinojou para protegê-la (afinal ninjas que gostam de flores não devem ser machos o suficientes para encarar três bandidos procurados em todos os países), contratou três shinobis de Konoha: Naruto Uzumaki, Chouji Akimichi e Hyuga Hinata. Indignado por ter sido preterido por três fedelhos, Kikunojou resolveu ele mesmo caçar os bandidos, mas acabou se fodendo morrendo para o mais fraco deles: Ruiga, o especialista em suiton (elemento água).

Ver também[editar]

Aí, peixe, esse esboço vai atrás das 1000 palavras, parceiro.
Mas, peixe, edita esta bosta que você se dá bem, tá ligado?