Killers (Iron Maiden)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Lego-beatles-abbey-road.jpg Este artigo se trata de um álbum

E com certeza tem uma cópia pirata no camelô da esquina.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.



Cquote1.png Ohhhh yah! Ohhhh, yah hahaha! Ohhhh yahhhhhhhhhh! Cquote2.png
Paul Di'Anno gemendo no início da música Killers
Cquote1.png Essa musica fui eu que escrevi,alias todas as musicas são escritas por mim Cquote2.png
Steve Harris sobre a citação acima

Killersf
Capa killers.jpg
Eddie após eliminar mais um emo.
Lançado em 1981
Gênero Rock paulera Heavy Metal
Gravadora EMO EMI


Killers é o segundo álbum de estúdio da banda inglesa de Heavy Metal Iron Maiden. Lançado em 1981, esse álbum marca a entrada do guitarrista Adrian Smith na banda, pois antes o guitarrista que tocava junto com o Mestre dos Magos era um carinha que ninguém conhece chamado Dennis Stratton.

Sobre[editar]

Esse álbum também marca a saída do Paul Di'Anno (também conhecido como João Gordo), que levou um pé na bunda do Steve Harris e foi chutado da banda, porque além de ser um obeso que mau conseguia andar nos shows, ao contrário do seu sucessor, Bruce Dickinson, que dava vários chiliques nos shows e mostrava disposição, Di'Anno era um viciado em Maconha, Crack, Cocaína e outras merdas do gênero, e os seus problemas com drogas atrapalharam muito a banda. A capa do álbum contém o aquele boneco doido (só pra variar), dessa vez com um machado todo ensangüentado na mão. Dizem que ele, junto com seus amigos mortos-vivos tinham acabado de eliminar uma tribo de emos reunidos numa rua de Londres, daí surgiu a idéia para o nome do álbum ser Killers, que traduzido para o português significa matadores. Nesse álbum todas as músicas foram compostas pelo baixista e egoísta Harris, e, ao contrário dos álbuns mais recentes da banda, a maioria das músicas tem a duração de 2~3 minutos e um estilo meio puxado para o panque roque. Quase todas as músicas falam sobre um tal assassino, e você pode perceber que elas se completam.

Músicas[editar]

O álbum contém 10 faixas na versão original britânica, e na versão original americana contém 11, pois foi adicionada uma música qualquer chamada Twilight Zone. Agora vamos ao que interessa:

The Ides of March[editar]

A primeira faixa do álbum, que tem uma duração de menos de dois minutos e não serve pra porra nenhuma, apenas para enchimento de linguiça. (Apesar de ser a música mais curta do álbum e da banda)
Foi composta por Steve Harris

Wratchild[editar]

Essa música fala sobre um filho bastardo e emo, que como o próprio nome diz, filho do ódio, ele odeia o mundo e vive à procura do seu pai, que é um vagabundo e passa o final de semana tomando cachaça e jogando truco. É considerada uma das melhores músicas do álbum, tem duração de aproximadamente 3 minutos, e também foi composta por Steve Harris.

Seria esse o filho do ódio? E da puta também
O suposto pai dele

Murders of the Rue Morgue[editar]

É a terceira faixa, e fala sobre os Assassinos da rua Morgue, na qual seria uma rua fictícia de Paris. A letra da música fala sobre alguém que vai andando pelas ruas de Paris e ouve gritos vindo dessa Rua Morgue, e quando chega lá, vê duas meninas assassinadas e os criminosos fugindo da cena do crime. Daí ele liga pra polícia, mas os policiais super competetntes estavam na hora do lanche comendo a sua rosquinha e não chegaram à tempo para prender os assassinos. Tem 4 minutos e uns quebradinhos de duração, e só pra variar foi composta por Harris.

Another Life[editar]

Mais uma musiquinha rápida, que fala sobre um cara que estava atoa deitado na cama pensando na vida e recebe uma visita da Dona Morte. Tem duração de aproximadamente 3 minutos e meio. Composta por... você já sabe.

Genghis Khan[editar]

A quinta faixa do álbum é uma instrumental, ou seja, mais uma para enchimento de linguiça. Ninguém canta porra nenhuma, apenas bateria, guitarra e baixo. Tem duração de 3 minutos.E é composta por Steve Harris também

Innocent Exile[editar]

Inspiração de Harris e Di'Anno para escrever Killers

Essa música fala de um emo que foi acusado de ter matado uma mulher, e que a própria justiça sabe que ele é inocente mas está perseguindo ele. Ele chora todo dia, reclamando que sua vida está vazia, e foge para as colinas outro lugar, e lá corta os pulsos. Nessa música Di'Anno dá uns gritinhos gays e a dupla Smith/Murray faz mais um riff fodão. A música tem aproximadamente 4 minutos, e foi composta por... adivinha?

Killers[editar]

Finalmente chegamos na faixa principal do álbum! Essa música tem uma duração de 5 minutos e uma introdução fantástica, que começa com gritinhos de fogo do Di'Anno e o baixo do Steve Harris. A música novamente fala de um assassino, só que esse realmente é um psicopata, que mata mil em plena consciência e sente prazer em ver você gemendo de dor. Essa também foi composta por Steve Harris, só que com uma ajudinha inútil do Di'Anno.
Cquote1.png Ohhhh yah! Ohhhh yah hahahaha! Ohhhhhhh yahhhhhhhhhhh! Cquote2.png
Di'Anno dando gritinhos na introdução da música

Típico emo que ouviu muito a música Purgatory

Prodigal Son[editar]

A música mais longa do álbum, meio acústica, com duração de 6 minutos, fala sobre um cara que fez muita cagada e depois se arrependeu e pede perdão de joelhos para um(a) tal da Lamia. Outra do Harris.

Purgatory[editar]

Essa aí, mais uma vez fala de um assassino emo, que se mata com um tiro na cabeça e é levado para o outro mundo, mas implora que levem-no dali. Tem duração de 3 minutos e uns quebrados.

Twilight Zone[editar]

Zona do Crepúsculo, a décima faixa do álbum foi composta pelo Mestre dos Magos e pelo Harris (pelo menos uma ele não fez sozinho). É a continuação da Purgatory, só que nessa o assassino já é um fantasma. Tem um riffzinho empolgante no início, e fala sobre um fantasma ranzinza que fica reclamando da vida e chorando porque ninguém o vê nem o ouve. Tem dois minutos e meio de duração. Porém ela só existe na versão americana do albúm.

Drifter[editar]

A faixa para fechar o álbum com uma coisa mais alegre, que fala sobre um jogador de Need for Speed que adora jogar em pista de Drift pedófilo (vide letra da música) e tem a duração de 4 minutos e meio. Composta por Steve Harris, só pra variar.

Créditos[editar]

  • Steve Harris Baixista e chefão da banda, sempre compondo a maioria das músicas, e nesse álbum deu a louca nele e ele compôs logo todas;
  • Dave Murray (ou Mestre dos Magos, para os mais íntimos), o segundo membro mais antigo da banda, sempre com seus bons riffs e solos, e também dando uma ajudinha inútil na composição de algumas músicas;
Paul é torcedor do Curintia!
  • Adrian Smith Recém-chegado na banda, também é um ótimo guitarrista e ganhou a confiança do chefão Harris, e está até hoje tocando punheta guitarra na banda.
  • Clive Burr Um zé-ninguém, que foi baterista por alguns anos e logo foi substituído pelo Petkovic que está até hoje na banda.

Cquote1.png Quem? Cquote2.png
Você sobre Clive Burr

  • Paul Di'Anno Ou João Gordo, o primeiro vocalista da banda, que sempre foi polêmico e rejeitado pela banda pelo fato de ser traidor do movimento punk, véio! - Depois desse álbum foi substituído pelo Bruce Dickinson, por causa dos seus problemas com a obesidade as drogas. Atualmente, ele canta em festinhas de 15 anos de adolescentes emos punks e em casas de festas, cobrando um cachê de 300 reais. E ainda tem coragem de avaliar voz de outros cantores famosos, como Axl Rose e até o próprio Dickinson.

Ver também[editar]