King Kong: O Jogo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg King Kong: O Jogo é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, uns metroids chupam a Samus.

Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!

Se você não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.

E se se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!


King Kong: O Jogo
KKGameCapa.jpg

King Kong está puto com essa porcaria de jogo!

Informações
Desenvolvedor Noobsoft
Publicador Bugsoft
Ano 1933
Gênero Palitinho
Plataformas Playstation 2, etc...
Avaliação -1
Idade para jogar 80

Cquote1.png MWAHAHAHAHAHA! Cquote2.png
Dinossauro sobre você descarregar sua arma nele

Cquote1.png GRAURRRRRRR... (cai morto) Cquote2.png
Dinossauro sobre você cutucar ele com um pedaço de pau

Cquote1.png Eu mato os dinossauros sem precisar das varetas! Cquote2.png
AAA sobre King Kong: O Jogo

King Kong: O Jogo é mais um daqueles jogos licenciados de filmes que fizeram um puta sucesso, no caso a última refilmagem do King Kong. A “culpada” por esse jogo é a Ubisoft, empresa muito conhecida por fazer merda em vários jogos um em cima do outro.

O jogo[editar]

Essa atrocidade que dizem que é um jogo possui dois sistemas diferentes, em que um é completamente diferente do outro; no primeiro você joga com aquele carinha tosco do filme, e no segundo você joga com o King Kong, porém a maior parte das fases é com o tiozinho tosco, e só três fases são com o peludão. E é claro, a maior parte do jogo é encheção de linguiça, já que inventaram um monte de fases aleatórias que não aparecem no filme só pra dizer que o jogo é grande.

Jogando com o tiozinho tosco[editar]

Não, seu burro, não adianta atirar! Usa essa vareta aqui!

O jogo com o tiozinho é aquela coisa de sempre. As fases são tipo Duke Nukem, onde a camera tá nos zóio do carinha e tu tem que andar pela fase até achar a saída. No meio do caminho tem vários dinossauros e outros bichos toscos (sendo que a maioria não aparece no filme), e pra variar você tem que acabar com eles. Armas são escassas no jogo, mas se você encontrar uma o melhor que você faz é jogar ela fora, já que nesse jogo elas não servem pra nada. Mesmo que você descarregue sua arma à queima-roupa num inimigo, o máximo que vai acontecer é ele sentir cócegas e te comer logo em seguida. Para matar os bichos, você deve usar uns espetos que estão espalhados pelas fases. Basta cutucar um dinossauro com um espeto, e logo ele irá contrair um tumor maligno no local, que irá necrosar e consequentemente matar o bicho na hora!

Jogando com o peludão[editar]

Essa vai bem no pé da goela!

O Jogo com o King Kong não é exatamente um jogo, já que você não consegue controlar aquela porcaria gigante desengonçada. A maior parte do tempo é você escalando precipícios, daí a hora que aparece algum inimigo, em vez de entrar num Mortal Kombat o jogo te força a apertar botões em ordens aleatórias e sem sentido, tudo isso em frações mínimas de segundo, tudo isso apenas para acertar um murro no inimigo. E se tu errar o King Kong morre na hora.

Repercussão[editar]

O jogo teve um total de 500 cópias vendidas, sendo que dessas mais de 8000 foram devolvidas. Devido à repercussão negativa do jogo, Peter Jackson, o cara que fez o filme, entrou com uma ação judicial contra a Ubisoft por danos morais, a qual ganhou após três anos. A Ubisoft foi obrigada a pagar um porrilhão de dólares a Peter.

O King Kong, emputecido por estragarem sua história com esse jogo tosco, viajou até a sede da Ubisoft e destruiu o prédio todo, devorando metade do quadro de funcionários da empresa e pegando o presidente da empresa como refém, que só foi libertado após oferecer 50 loiras para o grandalhão (elas eram todas funcionárias da empresa também). Após devorar todas elas, King Kong voltou para sua ilha com uma única loira, com a qual teve vários filhotes.