Klaus Kinski

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
TimedaPolônia.jpg
NA ZDROWIE!
Este artigo vêm da Polônia. Seu autor provavelmente adora jogar The Crims e Tibia, têm um nome impronunciável com 200 consoantes e adora pegar putas checas.
É devoto de João Paulo II e discípulo de Marie Curie, Robert Kubica e Obi-Wan Kenobi.
Se o artigo for sem graça, é apenas um alemão nazista ou um maldito soviético se passando por polonês.Portanto, muito cuidado!
Bismarckpre.jpg
Frauleinpre.jpg
Desciclopédia über alles in der Welt!!!

Esta arrtigö é alemön!!! Issö querr dizerr que ele suschtenta ö gerraçön interra com bratwurst e sauerkraut ou é parrte dö conspürraçön gerrmänica parra inwadir ö Frankreich por trrás outrra wez.

Nón faça scheiße, ou te porremos de quatrro nö Berliner Mauer.
Ö autörr voi comerr uma fräulein e já volta...


Aff amaury.jpg

Klaus Kinski é uma subcelebridade

e vive tentando pegar um Autógrafo de um famoso

Cuidado: Klaus Kinski pode te cobrar cachê por ler este artigo.

Cquote1.png "Nunca gostei dele..." Cquote2.png
Oscar Wilde sobre Klaus Kinski
Klaus Kinski
Klaus Kinski
Klaus Kinski
Nascimento 18 de outubro de 1926
Sapattop, Polônia
Nacionalidade Flag of Poland.svg.png Flag of Germany.svg.png alemã
Ocupação Insanidade
Gênero Cinema para nazistas
Principais trabalhos Nosferatu
Cônjuge Eva Braun
Filho(s) Natassja Kinski, Bilbo Kinski e Bongo Kinski

Klaus Kinski (18 de outubro de 1926-23 de novembro de 1991) era um ator alemão louco e psicopata famoso por retratar personagens retardados e malucos, e também por transformar a produção de um filme em um verdadeiro inferno com suas explosões de fúria e ataques epiléticos. Kinski costumava a defecar nas mãos e jogar excremento nas pessoas quando sentia-se acuado.

[editar] Vida

Kinski nasceu na Polônia, na cidade de Ziploc. Seu nome de nascença era Nikolaus Ludwig II Karl Günther Narcissist, e seu pai era Josef Mengele, um médico respeitado da Alemanha, e Marlene Dietrich, uma atriz famosa da pré-história.

Em uma decisão muito perspicaz, sua família mudou-se para Berlim bem no começo da Segunda Guerra Mundial. Kinski alistou-se no exército nazista em 1944 e foi servir na Holanda, onde experimentou maconha pela primeira vez na vida. Durante uma batalha contra as forças aliadas, Kinski derrotou sozinho um grupo de soldados britânicos mordendo eles até a morte. Quase recebeu a medalha cruz-de-ferro, honraria máxima do exército alemão, mas foi rejeitado após atirar com uma metralhadora no próprio esquadrão, depois de descobrir que seu chucrute não estava azedo o suficiente.

Depois da guerra, Kinski voltou arruinado para a Alemanha, e passou a mendigar pelas ruas de Frankfurt. Sua sorte melhorou quando recebeu o dinheiro acumulado na Suíça em uma conta, onde depositava mensalmente dentes de ouro arrancados de judeus ricos. Em 1971 atua no espetáculo Jesus Tour, onde interpreta Jesus Cristo, um profeta ariano da Bíblia que usa um chicote para expulsar a plateia do teatro. Durante uma discussão histérica com o público, Kinski jogou um candelabro aceso contra uma caixa de dinamite, explodindo a Casa de Ópera de Berlim (fundada em 1516).

Nos anos seguintes, Kinski colaborou com o diretor Werner Herzog, outro maníaco, em cinco filmes clássicos do cinema racista alemão moderno. A briga interminável dos dois artistas já é lendária, com ameaças constantes de morte e rasgação de cu e as constantes explosões de raiva do bipolar Kinski atrapalhando as filmagens. Em Aguirre (1972), Kinski irritou-se com os barulhos vindos de um bordel, e disparou vários tiros contra as paredes externas do estabelecimento. A ponta do pênis de um dos extras foi arrancada no incidente.

Kinski fazendo uma boquinha entre uma cena e outra.

Em Fitzcarraldo (1982), os índios da tribo Papaku ficaram aborrecidos com o comportamento horrível de Kinski, e ofereceram-se para estuprar, matar, cozinhar e devorar o ator para Herzog. O diretor não aceitou a oferta (apenas porque precisava de Kinski para terminar o filme). Nas duas últimas semanas da produção, Kinski planejou fugir de volta para a Europa. Enquanto carregava um barco com sua malas para escapar, Herzog chegou à margem do rio Solimões carregando uma bazuca e um frasco de arsênico. Se Kinski tentasse fugir, Herzog explodiria seu barco e depois beberia o veneno. Kinski, conhecido por ser apenas um covarde histérico, voltou para sua cabana no meio do nada em silêncio, e terminou sua participação na película.

Steven Spielberg ofereceu o papel de nazista doido comedor de merda para Kinski em Indiana Jones e o Cabaço Sagrado, mas o ator recusou a oferta e mandou o famoso diretor enfiar o roteiro no cu. Kinski nunca trabalhou com nenhum judeu que ele não pudesse matar.

Kinski também era um maníaco sexual, e em sua autobiografia ele afirma ter feito sexo com sua filha Natassja Kinski, você, tua irmã, tua mãe, teu pai, Jacques Cousteau, Ernest Borgnine e Rei Arthur. Ele era maníaco-obsessivo, e tinha que limpar tudo que fosse usar com álcool: pratos, talheres, vibradores, vaginas, água, éguas e réguas tinham que ser esterilizadas.

Kinski morreu de cirrose hepática em Los Angeles, Califórnia, EUA em 1991. Seu corpo foi embalsamado e está em exposição no Museu do Holocausto, vestindo um uniforme nazista.

Wikisplode.gif
Para os fanáticos religiosos entre nós que escolhem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Klaus Kinski.

Kinski mandando o público tomar no cu (em alemão):


[editar] Ver também

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas