Kraftwerk

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Kraftwerk.
Arband.jpg
Passarinho.jpg
Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical, ou se refere a uma banda.

Além disso, ele pode conter assuntos sobre temas musicais, ou não.

Certamente, fãs idiotas alienados odiarão este artigo!!
Bismarckpre.jpg
Frauleinpre.jpg
Desciclopédia über alles in der Welt!!!

Esta arrtigo é alemón!!! Issa querr dizerr que ele non gosta de frrango, nem de lasanha e sustenta o gerraçón interra com sauerkraut, ou é parrte do conspirraçon gerrmânica parra invadirr o Frankreich porr trrás outrra vez.

ACHTUNG! A qualquerr momento uma bratwurst pode querrer te pôrr de quatrro na Berliner Mauer ou na corredorr polonês. A autorr prrovavelmente quis comerr um Fräulein e já volta...
Cquote1.pngVocê quis dizer: o que?Cquote2.png
Google sobre Kraftwerk

Cquote1.pngVocê quis dizer: nerdsCquote2.png
Google sobre Kraftwerk
Cquote1.png Isto non ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Kraftwerk
Cquote1.png Sem eles não existiriamos Cquote2.png
Guitarrista sobre Kraftwerk
Cquote1.png We are the robots Cquote2.png
Kraftwerk sobre Humanidade


Formação atual do kraftwerk

Kraftwerk é uma banda de música eletrônica Alemã, criada pelos engenheiros Ralph Hutter e Florian Schneider nos meados dos anos 70. A banda foi responsável por várias invenções ainda em uso hoje em dia, como a música eletrônica, o sintetizador, a bateria eletrônica, o computador, a calculadora de bolso (criada para tocar a música Pocket Calculator), a radioatividade (criada para a música Radioactivity), os números (criados para a música Numbers), a rodovia (Autobahn) e as notas dó, ré e mi. Apesar de te-los aperfeiçoado bastante, o grupo não foi responsável pela invenção dos nerds. Estes até hoje são o principal público de sua música (juntamente com os engenheiros).

A banda começou como qualquer banda, fazendo barulho na garagem de casa. Quando resolveram aprender a tocar de verdade, expulsaram todos os outros músicos e chamaram Wolfgang Flur e Karl Bartos para servir de figurantes e inventaram o computador para que ele pudesse tocar a música para eles.

Depois de mais dois séculos na estrada, os integrantes do Kraftwerk ainda fazem shows, que consiste nos quatro lendo e-mails em seus notebooks Sony Vaio, enquanto a música toca no Windows Media Player.

[editar] O Início

Hutter

Pode-se dizer que o Kraftwerk é o resultado da união de dois ex-internos da APAE - Florian (que é mongolóide) e Schneider (que é débil mental) - em virtude da enorme capacidade da dupla tocar as notas Dó-Ré-Mí, com o dedo mindinho, em 2 horas e 45 minutos.

Seu estilo (antes de algum lunático classifica-lo como música), era um alto sistema criptografado de comunicação entre as duas Alemanhas separadas (litigiosamente) por Asterix e Obelix (no fim de suas histórias em quadrinhos).

Florian e Schneider tentaram (sem sucesso, é claro) fazer um dueto de flauta e teclado. Mas, após fazerem apenas alguns ruidos (e bota ruído nisto), gravaram seu primeiro LP - KRAFTWERK (que deu o nome a banda também - afinal, se não conseguiram fazer uma composição decente, imagine criar um nome para a banda e mais um para o álbum?!?!?! - é pedir demais p/ os garotos).

Após um blackout nas vendas do primeiro álbum (e com material para mais álbuns e ringtones sobrando), eles lançam o segundo LP - Florian & Schneider (uma tentativa agora em outro mercado na época em ascensão: música caipira). Com a tradicional capa com foto dos músicos olhando para o infinito (e além...), o segundo álbum também não atingiu os objetivos traçados (afinal, como os amigos matutos tocariam os bolachões?? - até hoje não há indícios de bolachões-players movidos a querosene).

Não contentes (e acreditando no ditado "na terceira tentativa dá certo"), eles lançam o terceiro LP - Kraftwerk II (tentativa mais fatídica que Waine's World II). Pra variar, este álbum também é de ruidos sem nexo e nem mesmo origem.

[editar] Mudanças

Blue Man GroupKraftwerk e o novo integrante

A primeira (e fundamental) mudança foi quando os dois se mudam para Dusseldorf (chega de composições com taxas de streaming absurdas) e criam o estúdio Kling Klang (acorde presente na maioria das músicas) e em seguida, admitir outros músicos (uma segunda opinião é sempre importante - ambos tinham a MESMA opinião). Com isto, fazem a formação clássica do grupo com Wolfgang Flur e Karl Bartos (e quase 20 anos depois, estes últimos perceberam que a opinião deles nada valeu).

A outra mudança é que eles também frequentaram algumas aulas num curso de verão em Viena, na escola de música de Mozart.

[editar] Discografia

Reação de um humano normal ao ouvir Kraftwerk

Depois de muitos experimentalismos, eles conseguem (vencer pela persistência - ou aporrinhação mesmo) fechar com uma gravadora - a Capitol e, a partir daí, eles entram no mercado (não o da esquina) fonográfico (pela porta da frente? - se for, tem que deixar os electro-badulaques no guarda-volume).

Citaremos cada álbum e suas faixas.

1974 - Autobahn - como o próprio título sugere, é o início paleolítico do termo O Som das Pistas. Cheio de barulinhos de motores (oh saudade do meu Fusca 76 verde-abacate) e de estradas (derrapagens com mancha de óleo que o FNM câmbio duro e caixa seca deixou), este álbum foi a primeira tentativa de emplacar (trocadilho infame mas, não tinha outro termo melhor), seu estilo musical (mas não emplcaram por falta de lacre no Ciretran).

Autobahn - faixa-título, com tempo tão grande quanto o preço dos pedágios do sistema rodoviário administrado por um "quase-xará". Muitas pessoas garantem que o incrível tempo dessa música de 22 minutos e 45 segundos é o tempo para Ralph Hutter conseguir fazer seu fusca 72 pegar (no tranco). Outros já dizem que é o tempo deste chegar aos 60 km/h.

Kometenmelodie I - 1ª faixa do lado "b" dos bolachões (já que Autobahn, ocupou todo o espaço possível do lado "a", com instalação de praças de pedágio, balanças e radares), parece mais trilha de suspense do que música automotiva.

Kometenmelodie II - como todo bom filme de suspense, Kometenmelodie teve continuação (e pra variar, tal qual os filmes) sem maiores esclarecimentos dos fatos. O pior é os primeiros acordes (parece que vai sair um arco-íris da caixa de som).

Mitternacht - mais uma de suspense, agora com um sons de monstros do pântano igual dos desenhos do Scooby Doo.

Morgenspaziergang - Música de alvorada, com direito a flauta doce e passarinhos (acho que estes atraidos pelo açucar da flauta - pelo menos não é aquelas garrafinhas p/ por água com açucar que só chama atenção dos beija-flores, e , por isto, sofrem de crise de identidade: sou um beija-flor ou um beija-garrafas?!).

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas