Kuat

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Suástica da Coca-Cola.jpg Kuat é coisa da Alô Diabo

Mensagens subliminares adiante!

Brasilia1.jpg Foi golpe sim, companheiro...

Oxe, venha cá, este artigo da porra vem do Brasil! Só fala de futebol, come feijoada, exporta travestis, puxa o saco dos EUA, paga imposto pra caralho e põe a culpa no governo pela corrupção da sociedade.


Cquote1.png OH YEAH Cquote2.png
Aquela música tosca de fundo da propaganda da mãe gostosa
Cquote1.png Kuat-kuaat/Dentro do Iate Cquote2.png
Marcelo Adnet cantando o slogan mais escroto de um comercial da Kuat de todos os tempos

Kuat é uma bebida criada pela Alô Diabo para concorrer com as maiores marcas brasucas de guaraná: Antártica, Dolly, Simba e Jesus, quando este ainda não havia sido comprado pelos emaricanos. Apesar do que o nome talvez possa indicar, não, a Kuat não tem nenhuma ligação com o Kuwait.

História[editar]

Abra a Kbça: Desde cedo a Kuat estimulando os jovens a perderem a virgindade

Em meados dos anos 90, o pessoal da Coca-Cola percebeu que tinha no Brasil um mercado consumidor de refrigerante com muito potencial, o que não é nenhuma surpresa, brasileiro sempre gostou de consumir porcaria mesmo. Baseado nisso, dirigentes da empresa foram falar com o presidente, um caipira texano, sobre a possibilidade de fazer um refrigerante especialmente para as terras tupiniquins. Aí eles falaram:

Cquote1.png Senhor presidente, o que senhor acha de criarmos um guaraná brasileiro? Cquote2.png
Dirigentes

Cquote1.png Wuat?! Cquote2.png
Presidente respondendo a pergunta acima, com seu forte sotaque texano

Nascia aí o refrigerante da Coca-Cola feito para solo brasileiro, o Wuat, que depois foi mudado para Kuat, quando descobriram que em tupi significava "irmão gêmeo da lua", apesar de não ter nenhuma relação com a bebida. Fizeram até um concurso de fachada só de encenação.

Felizmente Infelizmente a Kuat nunca foi tão bem sucedida, perdendo feio para os seus rivais em vendas. As coisas ficaram ainda piores graças a um spam que lançaram na Internet dizendo que a bebida causava câncer no cu. Isso mesmo, no cu. Veja pelo lado bom, pelo menos não é pior do que ser fabricada a partir de fetos abortados.

O único lugar onde se vendia Kuat era nos bares e botecos, com aquelas garrafas de vidro de 200ml que você não podia encontrar em lugar algum exceto nos bares. Não importa qual o boteco, sempre tinha garrafa Kuat lá. E as vendas das garrafas se processava assim:

  • Cliente: Moço me vê uma Coca!
  • Vendedor: Não tem, já acabou
  • Cliente: Tá, então me dá uma Antártica!
  • Vendedor: Também acabou
  • Cliente: Ah, mas que merda. Então me dá uma tubaína mesmo.
  • Vendedor: Tá em falta também.
  • Cliente: Puta que pariu, tá tudo esgotado nessa porra? Que marcas você tem aí então?
  • Vendedor: Tem Fanta, Kuat e Sprite.
  • Cliente: Vai a Kuat mesmo. Entre o Agente Laranja, a limonada com adoçante e a Antártica falsificada é melhor essa última porque é a única que não tem corante até no gosto.

E assim a Kuat se tornou a 4º marca de refrigerante mais vendida em botecos. Mas se bem que quem diabos vai tomar refrigerante num bar?

Modelos[editar]

Muito volátil, a Kuat teve dezenas de versões e sabores, uma forma desesperada da Coca-Cola de tentar de alguma maneira impulsionar as vendas. Teve a Kuat Laranja, quando as vendas da Fanta estavam lá em baixo e precisavam de uma maneira de não desperdiçar aquele corante de laranja todo. Quando a moda era ser saudável, evitar consumir porcarias industrializadas e ter uma alimentação mais natural veio o Kuat Eko (Eko, Eko, Eko...), que era uma mistura de refrigerante com chá verde que não tinha gosto nem de refri nem de chá verde e era pior do que ambos.

Sem falar claro na versão Zero, aquela bosta que a Coca-Cola inventou pra acabar com aquela história que todos os nutricionistas e dentistas viviam dizendo do refrigerante ser um poço de açúcar e causar diabetes, sendo que ninguém ligava ou muito menos comprava as versões "light" já que não dá pra acreditar em um refri com realmente zero zero zero zero zero zero vírgula zero porcentos de açúcar (ou não).

O fim?[editar]

Em 2017 lançaram a Fanta Guaraná, e apesar de não pararem de fabricar a Kuat, o novo veneno refrigerante já o substituiu em tudo que é canto, sendo que só dá pra encontrar Kuat em latinhas nos mercadinhos da perifa, onde como vimos em Todo Mundo Odeia o Chris, as coisas só chegam quando caem do caminhão. Isso provavelmente marca o fim da Kuat.

Comerciais[editar]

Apesar de ser um fracasso de vendas, a Kuat era sucesso com suas propagandas. Ao contrário dos comerciais importados cheios de famílias gringas felizes da Coca-Cola ou das animações toscas e vídeos de youtubers da Fanta, os comerciais da Kuat eram bem-feitos, engraçados pra caralho e eram um dos motivos pelos quais a gente não desligava a TV nos intervalos dos jogos. Isso prova que em matéria de publicidade os BR Hu3 dão de 10 a 0 nos gringo modafoca, principalmente com aqueles comerciais ao estilo Malhação (quando esta prestava) que os adolescentes assistiam enquanto faziam, bem, outra coisas.

Aqui alguns dos melhores comerciais lançados pela Kuat


Festa no Iate
O histórico comercial da mãe gostosa
Abra a Kbça
O sabor de Guaraná Kuat pega em você