LEGO The Lord of the Rings

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Cuidado, este jogo não é recomendável para menores de 3 anos por conter peças pequenas que podem ser ingeridas


Virtualgame.jpg LEGO The Lord of the Rings é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, teu primo te diz que o secretão é meia-lua + soco.


LEGOlas Lord of the Collar
LEGO-Lord-of-the-Rings-Video-Game-Poster.jpg

Jogo feito para vender bonecos

Informações
Desenvolvedor Traveller's Tales
Publicador Warner Bros. Interactive Entertainment
Ano 2012
Gênero Lego
Plataformas Pra tudo
Avaliação 5%
Idade para jogar Para criancinhas

LEGO The Lord of the Rings é mais um jogo infanto-juvenil da série Lego que é tão tedioso quanto brincar de Lego na vida real, e unido com uma trilogia de filmes tediosos, só podia resultar nesse jogo que apenas os fãs nerds mais acéfalos de Senhor dos Anéis jogam como alienados, pois nem as crianças gostam tanto desse jogo assim, o qual elas não conseguem entender nada do que está havendo, pois a história se trata de um resumo incrivelmente mal feito em 1 hora (tempo estimado para zerar o jogo) de três filmes de 3 horas cada.

História[editar]

O jogo felizmente segue a história retratada pelo filme, portanto ficando menos chato do que poderia ser caso seguisse a história do livro, nos poupando de pelo menos umas 3 longas fases de introdução com o Tom Bombadil. A sensação é de estar assistindo a Trilogia de Senhor dos Anéis com o botão FF de "avançar" pressionado tornando a história incrivelmente corrida, especialmente porque as cidades, torres, lugares e minas estão a meros 10 passos uns dos outros, transformando a Terra Média inteira num pequeno tabuleiro de Lego.

Jogabilidade[editar]

A jogabilidade é a mais maçante e tediosa possível, de maneira que é observável claramente que fora desenvolvida totalmente e especificamente para crianças de 5 a 7 anos mentais cujo cérebro ainda está em formação, pois é tudo repetitivo, exatamente como as crianças mais gostam, um negócio repleto de repetição eterna, tal que o jogador deve passar 80% de seu tempo quebrando arbustos e rochas reunindo pecinhas para comprar sabe-se lá o que.

Apesar de teoricamente reunir uns 50 personagens e mais uns 100 itens, na maioria dos casos os personagens são inúteis e não passam de cópias uns dos outros, enquanto 95% dos itens para absolutamente nada servem, na prática o jogo se resume a atirar flechas com Legolas, depois plantar algo com o Sam, dar uns pulos, pegar itens secretos que de tão óbvios nem podemos chamar de secretos e muito de vez em quando enfrentar alguma dificuldade.

Não se sabe ainda, porém, porque foi adotado uma barra de life com corações, visto que as vidas são infinitas e o jogador pode livremente ficar se fodendo e caindo em abismos sem qualquer preocupação em ser penalizado, garantindo-se assim como um típico jogo da sua sétima geração onde a dificuldade é um elemento desprezível.

No final do jogo, o jogador pode se contentar em ficar dando uns rolês pela Terra Média, fazer uns minijogos em busca de uns blocos brancos que podem ser fundidos numa forja para construir itens, que já como citados, são quase inúteis, retirando o item mais aleatório que é a porra de uma poção fumada que transmite uma música de rave, e todos ao seu redor começarão a dançar, o que pode irritar os jogadores que realmente estão tentando fazer algo de útil o tempo todo. Pelo menos a música é boa e serve para entrar no escuro...

Personagens e suas habilidades[editar]

Frodo feliz por estar com sua argola mágica.
  • Frodo - Hobbit protagonista gay do filme, no jogo é um personagem ignorado que usa uma espada inútil, possuindo consigo ainda os itens de disfarce que se é usado duas vezes durante todo o jogo já é muito, e uma lanterninha para cavernas escuras
  • Sam - Provavelmente o protagonista do jogo, porque não existe nenhum maldito lugar no mundo desse jogo em que não haja buracos fedorentos para Sam ir plantar suas sementes.
  • Pippin - Talvez o mais inútil de todos, possui apenas um balde para carregar água e apagar uma meia-dúzia de fogueiras que existem em todo o mundo do jogo. Estranhamente ele não consegue encher esse balde com a água dos rios e lagoas, precisando ele especificamente enchê-lo com água de criadouros do mosquito-da-dengue.
  • Merry - Outro personagem inútil, este usa uma vara de pescar para tentar despoluir os rios da Terra Média que parecem estar cheios de quinquilharias, pois ele pesca de tudo, menos peixes.
  • Aragorn - Também bem inútil, somente na metade do game adquire a habilidade de destruir uns legos vermelhos, mas é só isso.
  • Legolas - Tal qual Peter Jackson deixou bem claro todo seu fetiches por elfos ao transformar o Legolas num cretino overpower em seus filmes, no jogo ele não é diferente, sendo o personagem café-com-leite que pode alcançar todos lugares com seus pulos e flechadas.
  • Gimli - Este só serve para arrebentar uns muros rachados. Apesar de no filme ele não gostar de ser arremessado pelos outros, nesse jogo é o que mais constantemente fazem com ele.
  • Boromir - Como todos sabiam que ele ia morrer rapidinho, nem deram moral, é só um personagem inútil.
  • Gandalf - Substitui com muito mais eficiência a única utilidade de Frodo, que é iluminar cavernas escuras, tem o poder jedi de fazer peças de lego flutuarem. Só esqueceram de tornar a sua jogabilidade mais suave, pois é um inferno empilhar os blocos de lego usando os poderes de Gandalf.
  • Gollum - Este aqui é só pra escalar umas paredes que serve.
  • Uruk-hai - Dentre os mil personagens-bônus, o Uruk-hai é o único útil, pois ele tem a força de abrir uns buracos secretos.

O jogo ainda traz a possibilidade de se jogar com mais de 50 personagens, incluindo Tom Bombadil, mas todos não passam de cópias das habilidades dos personagens já mencionados.