Lado a Lado

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Êta Mundo BomBoogie OogieJoia RaraFlor do CaribeLado a LadoA Vida da GenteCordel EncantadoCama de GatoParaísoNegócio da ChinaO ProfetaAlma GêmeaCaboclaChocolate com PimentaCoração de EstudanteA PadroeiraEstrela-guiaO Cravo e a RosaMulheres de AreiaFelicidadeFera RadicalBambolêA Gata ComeuAmor com Amor se PagaParaísoMarinaCaboclaDona XepaEscrava IsauraVejo a Lua no CéuA MoreninhaHelena

T-rex.jpg
Este artigo ou seção trata do passado. A partir daqui, só os dinossauros, o Dom Quixote e outros fanfarrões da idade média ou da pré-história estavam presentes.
Este artigo é relacionado à história.

E foi feito na imprensa de Gutemberg.

Hitler e Alien.jpg
Novela Lado a Lado
Lado-a-lado.jpg
Principais da Novela (Mas quem segurou a audiência foi Laura e Edgar)
NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Lado a Lado.


Cquote1.png Você quis dizer: "Força de um Desejo"? Cquote2.png
Google sobre Lado a Lado
Cquote1.png Calem a boca que vai começar a novela!!! Cquote2.png
Sua Mãe sobre Lado a Lado
Cquote1.png Adooooooooro!!! Cquote2.png
Sua Vó sobre Lado a Lado
Cquote1.png Edgar eu te amuh!!!!! Cquote2.png
Guria retardada sobre Lado a Lado
Cquote1.png Edgar! Você traiu o movimento macho, veio! Cquote2.png
Dado Dolabella sobre Lado a Lado

Lado a Lado é mais uma novela de época da Globo mostrando que no tempo que você não tinha nascido já existia mulher querendo mandar em Homem. Cita muito a História do Brasil, então muito vagabundo que dormiu na aula pode se dar bem na Prova ou até mesmo no Enem. Passava às 18 horas, substituindo Amor Estranho Amor Amor Eterno Amor e apesar da não correspondida audiência, era a única novela que prestava naquele horário na Globo, antes de Guerra dos Sexos e Salve Jorge.

Sinopse[editar]

Lado a Lado conta a história de duas BFF's: Laura e Isabel.
De mundos totalmente diferentes, Isabel e Laura se cruzaram no dia de seus casamentos, em que Isabel achava que tudo daria certo para ela, e acabou dando tudo errado; e Laura achava que tudo daria errado para ela, e acabou dando tudo certo (ou não). A trama conta as histórias de duas jovens malucas, que não engoliam os valores que a sociedade carioca do início do século XX tentava impor. Pobre de marré deci, apesar de saber falar francês fluentemente, e filha do ex-escravo Afonso, Isabel trabalha desde os 14 anos como empregada doméstica, é feliz, mas quer se dar bem na vida. Linda e maravilhosa, Isabel foi uma das primeiras dançarinas de samba no Rio de Janeiro.

Patricinha, nerd e traça-livros, Laura sonha com o direito de escolher com quem vai casar e de trabalhar fora, coisas jamais aceitas por sua mãe, a ex-Baronesa de Bonsucesso Constância, que vê na união da filha com o Edgar, filho do poderoso senador Bonifácio Vieira, a possibilidade de dar o golpe do baú e voltar aos velhos tempos de luxo, riqueza e glamour, já que o seu marido, Dr. Assunção, praticamente faliu com a chegada da República.

Ao longo do tempo, Laura e Edgar acabam se apaixonando. Até que Laura descobre que Edgar, enquanto estudava advocacia em Portugal, teve um bad romance com Catarina Ribeiro, uma desafinada cantora de ópera que acaba "engravidando" de Melissa e após sete anos, a megera vem ao Brasil disposta a ter seu homem de volta e garantir sua parte na herança.

Personagens[editar]

Casal improvável nos dias de hoje, por ele ser desprovido de beleza e um carro.
  • Isabel (Camila Pitanga): era empreguete, trabalhava para a Odete Roitman, e pra ferrar mais ainda, filha de ex-escravo vivido por Milton Gonçalves. Foi abandonada no altar pelo Zé Maria e depois disso baixou a Bebel de outra novela da sua intérprete e deu pro primeiro que apareceu, embuchando do viadinho Albertinho. O playboy não quis assumir o guri e, pra piorar, a mãe dele roubou o filho de Bebel, aliviando assim o fardo dela ter que trocar fralda e ter que levar na bolsa mamadeira e papinha em sua viagem pra a França, na qual voltou rica depois de ter dado dançado lá. Depois, reencontrou seu filho pentelho e acabou virandoo pau mandado dele.
  • Zé Maria (Lázaro Ramos): Cara abençoado pelo Jesus Negão, era desejado pela Sheron Menezes, catou a Camila Pitanga, mas depois abandonou a coitada no altar e também deu um pega na Juliana Knust. Ele também sofreu muito, levou um cacete na Revolta da Chibata, mas também fingiu que bateu em vários caras tentando nos fazer acreditar que ele sabia lutar capoeira, principalmente no Caniço. O cara era gente boa, inteligente, sabia falar inglês e por conta disso, acabou descolando um trampo no jornal falido do Guerra. Apesar de bom, o cara era preconceituoso pra cacete; achava que lugar de mulher era na cozinha, na cama e ralando o bucho no fogão. Mas mesmo assim se deu bem no final, por que ele era o mocinho da trama, ficou tomando conta da Fábrica de Tecido do Bonifácio mas também teve que engolir o orgulho pra voltar com a Isabel, também virando capacho dela e do seu filho pentelho.
Casal que Gurias Retardadas sonham que exista
  • Laura (Marjorie Estiano): Uma Guria Retardada riquinha que sonha em passar fome ganhando o salário de Professor, mesmo com a proibição da sua mãe, que insiste com a filha que ela tem que aprender a cozinhar e fazer barra de calça. Ela se casa por obrigação com o Edgar e vê que não fez um mau negócio, pois o cara faz tudo que ela quer, até que um dia descobriu que era chifruda e resolveu largar o bofe, virando uma separada. Sofreu vários preconceitos devido à época, mas ninguém ficou com dó, porque foi ela quem escolheu passar por tudo isso — embora não tenha sido ela a escolher trazer a ex-171 do marido para o Brasil, nem vê-la espaçosa se enfiando na sua casa ou espalhando as intimidades dela no jornal e colocando fogo na escola. A mãe, percebendo que a criatura estava louca, a colocou no hospício para evitar que a filhinha a dedurasse pros jornais. Porém, no final termina tudo bem, porque ela é a mocinha da novela. O Casal Marjorie Estiano e Thiago Fragoso ficaram famosos nas redes sociais formando o movimento Laured, formado por mulheres solteironas e tendo como líder Betty, a Feia. Elas também sonham em encontrar um príncipe encantado, mas como só encontram sapo, ficavam revoltadas com os autores toda a vez que o casal se separava.
  • Edgar (Thiago Fragoso): Cara mais gente boa da novela, advogado e jornalista, frequentava muito os puteiros de Portugal, até embuchar uma mina lá e voltar para o Brasil para casar por obrigação com a chata da Laura, depois disso fez de tudo pra comer ela, se tornando o cara mais ‘’O Cara’’ que fazia qualquer guria retardada, inclusive a sua mãe, molhar a calcinha toda vez que o galã aparecia na tela. Assim como Bruno Mars fez a música Just the Way You Are, que deixou os machos de plantão, principalmente o Chuck Norris, revoltados ao ter que demonstrar gestos gentis às suas parceiras, o que deixou muitas mulheres iludidas e sonhando com um cara como ele. Depois disso colocaram o casalzinho num vídeo no YouTube ao som da música mais brega do Roberto Carlos, Esse Cara sou Eu.
  • Constância (Patrícia Pillar): A personagem mais legal da novela, botava todo o elenco e os vagabundos pra se coçar, junto com o o casal Edgar e Laura. Ela segurou a audiência da novela um bom tempo. Deu pra metade do elenco masculino da novela. A eterna Baronesa fez o que de melhor podia para educar seus filhos no tempo em que não existia a Super Nanny. Porém, quando o corno do seu marido descobriu o caso que ela tinha com o Humberto no final da Trama, ele a mandou para a fazenda no papel de Luana Berdinazzi Mezenga do Rei do Gado pra puxar carroça, se queimar no sol e estragar suas lindas mãos num cabo de enxada.
  • Catarina (Alessandra Negrini): Cantora, que por sorte nunca a ouvimos cantar, disputava com Constância o posto de piriguete maléfica do folhetim. Também deu pra metade do elenco masculino da novela até embuchar (de alguém que ela não tinha certeza quem era) e reencontrar o trouxa do Edgar pra assumir a cria, já que naquela época não existia o Programa do Ratinho pra fazer DNA.
Fundadores do Tabajara Futebol Clube, o primeiro Time de Futebol do Brasil.
  • Berenice (Sheron Menezzes): Uma das mais espertas da trama. Como toda vilã, não gostava de trabalhar, mas queria a vida boa. Vivia fofocando nas portas, fazia parte do núcleo pobre da novela e foi contratada pra infernizar a vida da Isabel, de quem se roía de inveja. No final se fodeu porque morreu.
  • Fernando (Caio Blat): Irmão bastardo de Edgar, um dos fundadores do Tabajara Futebol Clube, vivia sendo sacaneado pelo pai Bonifácio só porque era filho bastardo. No final da trama virou um vilãozinho meia boca e se mudou pra Portugal.
  • Dr. Alberto Assunção (Werner Schünemann): Marido de Constância e corno manso. Como era político assessor do Lula, ninguém nunca o via. Passou a novela toda viajando, e só apareceu no final pra ferrar a esposa.
  • Albertinho (Rafael Cardoso): O cara mais ferrado da novela, também um dos fundadores do Tabajara Futebol Clube e, por ser jogador de futebol, ele sempre foi o mais burro, sem opinião nenhuma, e pra piorar era o pai da criança mais chata de todos os tempos das novelas tupiniquins e a sua única sorte é que o moleque não ia com a cara dele.
  • Melissa (Eliz David): A criança doente mais saudável das novelas brasileiras. Provavelmente deve ter sido encontrada na roda dos rejeitados de Portugal, porque não se parece nem com o pai nem com a mãe, mas isso não impediu que Catarina a usasse como Passaporte para o Brasil, claro... pago pelo Edgar.
  • Elias (Cauê Campos): Compete com Bruna Marquezine o título de criança mais chata e pentelha das novelas da Globo. Moleque chato, impertinente, mimado, que quer que todo mundo faça o que ele quer, e deveria ter morrido no primeiro capítulo. É filho de Isabel e Albertinho, justificando assim sua chatice genética.
  • Carlos Guerra (Emílio de Mello): Dono do Jornal e amigo de Edgar. Ouvido de Penico, aguentou todas as besteiras que o mocinho da trama poderia falar ou pensar. Casou com Celinha (Isabela Garcia), a tia encalhada de Laura, que ajudava todo mundo da novela, inclusive a outra sobrinha, Alice (Juliane Araújo), moça que não acrescentou nada na trama porque passou todos os capítulos trancada no quarto pela vaca da sua mãe.
Como eram os namoros na época, Teodoro e Sandra.
  • Sandra (Priscila Sol): Mocinha que dá antes do casamento e se arrepende, mas aí é tarde demais: ela engravida e cria seu filho como irmão, enganando o seu pai, o Delegado Praxedes (Guilherme Piva) e termina tudo bem. É amiga de infância de Laura e é mina gente boa e no final se dá bem, se casa com o Teodoro (Daniel Dalcin), também um dos fundadores do Tabajara Futebol Clube.
  • Diva (Maria Padilha), Mário (Paulo Betti) e Frederico (Tuca Andrada): viviam na fornicação e putaria, até que ela ficou grávida sem saber qual do dois era o pai de Luciano (André Arteche). Eles faziam parte do Elenco do Teatro Alheira, fazendo várias peças cômicas — com as quais só os figurantes da novela riam, de tão sem graça que eram — junto com Neusinha/Jacqueline Duvivier (Maria Clara Gueiros) e Quequé (Álamo Facó), o quebra-galho do teatro, que na verdade se chamava Vasco e acabou casando com a Neusinha no final.
  • Bonifácio (Cássio Gabus Mendes): Político safado que em todo o Brasil tem. Pai do Edgar e do Fernando, era casado com a Margarida, que não acrescentou nada à trama a não ser ouvir todo mundo.
  • Padre Olegário: Padre que toda a novela tem que ter. Só vai às festas pra comer e sabe dos segredos de todo mundo.
  • Humberto (Klebber Toledo): Bonitão e pegador que toda a novela que se preze deve ter. Também um dos fundadores do Tabajara Futebol Clube. Gostava de catar as coroas, principalmente as casadas, e acabou se envolvendo com a Baronesa Constância.
  • Eulália Praxedes (Débora Duarte): Velha chata, presente em todas as novelas, frequentava centros de macumba e adorava implicar com a nora.
  • Sr. Afonso (Milton Gonçalves): Pai chato, ex-escravo e criou sua filhinha Isabel, dando a ela tudo do bom e do melhor. Ficou bravinho ao saber que a sua filhinha tinha ido trabalhar na França, e por causa disso, resolveu devolver a bufunfa que a menina mandava pro velho todo mês, mas foi assaltado pelo Caniço e continuou pobre. Só perdoou sua filhinha após vê-la casada com o Zé Maria.
  • Tia Jurema (Zezeh Barbosa): Macumbeira do bem, que não errava nenhuma previsão e realmente trazia o homem amado em três dias (coisa de novela). Aturava o mala do Afonso e fazia comida pra vender pros ricaços, o que fez Tia Jurema ser uma velha muito rica e desejada no morro.
  • Caniço (Marcelo Melo Jr.): Ladrãozinho que usava seus golpes de capoeira para roubar os ricaços dos bairros nobres e fazia serviços sujos para os vilões da novela. Morria de inveja do Zé Maria por que Berenice era doida por ele, mas quando finalmente se casou com ela, resolveu traí-la com a Catarina. No final, acabou em cana.

Trilha Sonora[editar]

Principal[editar]

  1. A Flor e o Espinho - Sururu na Roda (tema de "Neusinha")
  2. Grande Amor - Martinho da Vila (tema de Diva, o recheio do sanduíche cujos pães são Mauro e Frederico)
  3. De Onde Vem a Calma - Los Hermanos (tema de Albertinho, o perna-de-pau da trama)
  4. Namora Comigo - Mart'nália - part. esp.: Djavan (tema de Isabel dando pra Zé Maria)
  5. Quarto de Dormir - Marcelo Jeneci (tema de Alice, quando esfrega sua aranha em Jonas)
  6. Sei - Nando Reis (tema de Laura sendo chupada por Edgar)
  7. Inferno - Nação Zumbi (tema da terrível Constância [que de "constante" nada tinha])
  8. Samba de Primeira - Marcelo D2 (tema dos jogos de "várzia" (EU TENHO HORROR A POBRE!))
  9. A Voz do Morro - Diogo Nogueira (tema dos pagodeiros da novela)
  10. Liberdade, Liberdade, Abre as Asas Sobre Nós - Dominguinhos do Estácio (abridura)
  11. O Mundo é um Moinho - Beth Carvalho (música de 1976, ou seja, NÃO EXISTIA NA ÉPOCA DA NOVELA. E é tema da putinha cor de jambo Isabel.)
  12. Me Deixa em Paz - Milton Nascimento e Alaíde Costa (na verdade é o contrário: ela diz na letra: "Se você não me queria/não devia me procurar..". É a mesma coisa da 4, só que com mais drama.)
  13. Pot-Pourri: O Orvalho Vem Caindo/Fita Amarela/Até Amanhã/Palpite Infeliz - Gal Costa (encaixando 4 músicas na mesma faixa, tema da Cidade Maravilhosa que de maravilhosa não tem nada)
  14. Isto é Bom - Mariene de Castro
  15. Olhos Castanhos - Daniel Peixoto (que é bicha: joga no Google Images) feat. George M. (tema da enjoadinha Negrenice)
  16. Para Uso Exclusivo da Casa - Dhi Ribeiro (tema de Celinha se esfregando em Carlos Guerra, com o clássico verso "Esse filé, maravilhoso que é meu bofe" — expiclitando que elæ [sexo indefinido] pode ser gay ou uma sapatã bem máscula. Também virou tema da novela de 2017 A Força do Querer.)

Instrumental[editar]

Músicas compostas por Roger Henri.
01. MUDANÇA DO TEMPO (Sinfonia nº 3)
02. NOVA EMBOSCADA
03. SOMBRAS
04. CALÇADA ESCURA
05. DISFARÇANDO
06. DELICADA SEDUÇÃO
07. ACONTECENDO
08. A GRANDE PAIXÃO (Stürmisch bewegt, mit grösster Vehemenz)
09. NA SERRA
10. ATAQUE NO ESCURO
11. GINGA DO AMOR
12. A RETIRADA
13. AS ÁRVORES DO LAGO
14. JANELA DO ALTO
15. LADO A LADO (Larghetto da sinfonia do novo mundo)
16. CAMINHO DO MAR
17. FADOS E FOTOS
18. CAPRICHO DA DANÇARINA
19. COMEÇO DE TUDO (Largo da sinfonia do novo mundo)
20. OUTRA PAISAGEM
21. A VISTA DO LAGO
22. AUDACIOSA
23. VONTADE
24. CERCANDO
25. MINHA SAUDADE
26. BATUQUE SENSUAL
27. ESCONDIDINHO
28. NA RUA
29. O FUTURO LIVRE
30. O INESPERADO
31. NA CALADA
32. LEVEZA DO RIO

mimimi Críticas[editar]

  • A novela se diz feminista, mas mostra Isabel se lamuriando por seis meses por ter "dado" para Albertinho e por se sentir pouca coisa perto de um homem tão "perfeito" como Zerói, que também comeu Berenice, a mulher que a ferrou (mas ele pode, porque ele é homem). Rica e famosa, mesmo assim ela corre atrás dele, sofrendo esnobismo e patada.
  • A trama mostra também os seis meses de lições sofridas por Laura, para ela (e todas as mulheres) aprender que uma mulher que se preze jamais se recusa a aceitar "a outra" e a "bastardinha" do marido dentro de casa, mas que apoia o marido — feliz da vida que ele escolheu sua "filha" já nascida, e não o filho dela, que acabou nem nascendo, e feliz da vida porque pelo menos "a outra" (Catarina) conseguiu dar a filha que seu "marido de ouro" tanto desejava. A novela mostrou que Laura perdeu o filho sozinha e sem notícias do "marido de ouro", enquanto o paspalho bajulava a filha de outra, Melissa, que provavelmente nem dele era, em Portugal; ela ouviu desaforo, dentro de sua própria casa, da periguete Made in Portugal do marido, enquanto o "marido de ouro" fingia que não sabia de nada; chutou o "pau da barraca" e se divorciou, foi exposta pela periguete do marido nos jornais — e perdeu o emprego e foi humilhada por todos, quase foi queimada viva na sua escola, que a periguete do marido mandou incendiar, e no final, depois de ser a única a tomar no cu com as armações da mulher com quem seu (então) "noivo de ouro" a guampeou, praticamente se desculpou por não ter confiado nele, e ainda terminou a novela cuidando da filha da amante do marido e dizendo que "o tempo me mostrou que o casamento vale a pena quando o marido é o Edgar" — porque, como bem disse um artigo do site da novela, Edgar era "o cara que toda mulher pediu a Deus. Parceiro, comprometido, apaixonado e FIEL", logo, Melissa era fruto do "Espírito Santo". E para mostrar o quanto Laura estava errada de não aceitar o "chifre" e "segunda família" a tiracolo, Catarina foi para a cadeia, mas não pelos crimes que cometeu contra Laura, e o site mais uma vez liberou um artigo dizendo que "Edgar surpreende e FAZ Laura ser reconhecida como jornalista" porque numa novela "feminista" da Rede Globo, é o homem que faz a mulher, e não a mulher que faz o homem.
  • Porque elas não souberam valorizar seus homens de "ouro", os autores "feministas" nos proporcionaram cenas "feminizérrimas"; Laura e Isabel do lado de fora da confeitaria, espiando Zerói e Edouro com outras mulheres, com os narizes encostados no vidro, como duas cadelas observando o frango. E então terminou a novela, com Laura e Isabel, lado a lado, endeusando seus homens de "ouro".