Laerte Coutinho

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Laerte)
Ir para: navegação, pesquisa
Mauriciodesousa.jpg Ai, minha mão, porra!

Este artigo é sobre algum desenhista, rabisqueiro ou uma pessoa que não conseguiu emprego de pintor. Ele passa a madrugada desenhando, tem calos no lugar das digitais e é viciado em filmes de violência. Se vandalizar, [[Rumiko Takahashi|]] passará a borracha em você!


Laerte preocupado sobre se sua minissaia vai deixar apaarecer o pincel.

Laerte Coutinho é uma trava que na adolescência costumava desenhar cassetes enoooormes na parede da escola e no busão, e também grafitava essas mesma obcenidades em muros e becos, até que foi levado pelo conselho tutelar, preso e lá sofreu abuso de uma bichona barbuda ativa de vinte anos, que usava identidade fajutex, por isso estava no conselho tutelar. Dava pra perceber pela barbona da bicha que abusou de Laerte, que ela era já maior de idade, mas a polícia fingia que acreditava porque ela pagava boquete propina. O que esse trauma causou em Laerte, vem a seguir.

Sem assumir[editar]

Laerte sendo uma moça meiga, ainda não aprendeu a andar de salto.

Nunca teve segredo pra quem conseguia ver, Laerte sempre foi meio veadinho e isso em sua adolescência ficou bem evidente, mas os pais não reclamavam pois eram tontos inocentes e achavam apenas que era uma criaturinha com excesso de doçura e nada mais, também Laerte aparecia com namoradinhas e eles não desconfiavam que na verdade ele admirava mais as roupinhas e queria as arrumar do que as gurias em si.

Mas Laerte não ia esconder seu verdadeiro lado por muito tempo, ele têm espírito com bicho carpinteiro de revolucionário e sempre teve... Então o que aconteceu que ele se casou, teve filhotes e só assumiu de vez depois que já estava uma titia? Isso é justamente o que está explicado na introdução... Foi exatamente aquela introdução forçada do tarado do conselho tutelar que o traumatizou e fez com que ele esquecesse seu verdadeiro instinto por tanto tempo.

Ao assumir, Laerte foi agradecer ao Angeli por comê-lo pelo apoio.

Mas como Laerte era esquizóide e via bichinhos e pessoas que não existiam na realidade e tinha comixão por desenhá-los, ele não conseguiu se livrar de ser cartoonista, então começou a por suas criaturas amigas estranhas no papel (algumas delas eram da realidade mesmo), Laerte não precisava ingerir nada para que isso ocorresse, é o natural do cérebro dele mesmo que tem um funcionamento estranho. Como encontrou outros com noias quase iguais às dele (quase iguais, porque iguais é impossível), ele viu que a parada dele era mesmo desenho e roteiros de história pornô, que nas revistas, redes de rádio e tv sempre alguém acabava modificando e transformando em novela, programa infantil ou algo assim, mas ele não reclamava, já que pelo menos pagavam mal, mas pagavam.

Assumindo[editar]

Laerte feliz ao sentar em algo confortável.
Laerte no psicanalista, recordando de seu trauma.

Quando seus amigos notaram (principalmente o Ziraldo que é malandro observador) que ele tinha algo reprimido e não se vestia de mulher apenas para ser engraçado e por filosofia como ele falava, começaram a aconselhar ele a se soltar e a soltar o botão se quisesse, para não se sentir mais sufocado, mas fizeram isso sutilmente para não assustar.

Laerte se ofendeu, mas como não deixava de usar calcinha (principalmente rosa e rendada), ele não teve outra alternativa senão assumir e após uma noite de bebedeira, olheiras e muitas lágrimas, ele foi a um psicólogo, onde pode contar o trauma que havia sofrido. Após algumas sessões, ele estava livre, foi parabenizado pelos amigos por sua sem vergonhice, e grande coragem, mas ainda precisou de algum tempo para descobrir seu lado mulher.

Primeiro Laerte quis ser distinta, queria ser cross-dressing, para não se confundir com as travestis de rua. Ser cross-dressing era algo mais refinado. Nada de vulgaridade, ele era uma @#& de luxo. Não podia descer do salto. Depois, ele foi achando que ser a única cross-dressing assumida do Brasil era algo muito tedioso. Foi se sentindo uma monstruosidade. Ser o único homem que andava pela rua de saia e vestidinho era algo difícil de encarar. O mundo todo dele diferia. Laerte vivia uma drama Hamletiano: "Se intelectual, como posso ser travesti; se travesti, como posso ser intelectual?"

Ele (agora Ela, com todo respeito), refinado, cartunista famoso, via as travestis se prostituindo na rua e não se identificava. Tudo aquilo foi um processo, até que ele optasse pelo desbunde e mudasse completamente de perspectiva: "Espera aí" - deve ter pensado Laerte - "sou de esquerda, sou a favor da igualdade de gênero, de classe, de tudo que você imaginar ou não conseguir imaginar, por que não posso ser travesti? Nem que eu seja fundadora da irmandade das travestis intelectuais da América do Sul, serei travesti". Foi pensando na importância nobre do seu novo papel, que Laerte resolveu fazer cirurgias, colocar seios, sentir-se mais autenticamente uma mulher. Fez tudo isso, mas ainda permaneceu distinta: é a única travesti famosa que, além de ser cartunista, não toma hormônios, gosta de ter um rosto com seus mesmos traços masculinos de sempre. Tem medo de modificar o seu próprio corpo.

Laerte prefere ser a vovó do mundo das travestis. Parece seguir os seguintes dizeres revolucionários: tem que enternecer, mas sem perder a firmeza masculina dos traços. Laerte amoleceu, desbundou, feminilizou-se, mas tudo nele continua reversível. Como é cartunista, pode ser que qualquer dia desses amanheça com vontade de ser homem novamente. Tudo em nome das mais nobres experiências artísticas. Se vestir calcinhas, vestidos e saias, no caso dele, deixou de ser um escandá-lo, talvez o melhor seja deixar a barba crescer. Já que o importante é desconstruir as velhas noções de gênero, por quê não mesclá-los, misturá-los, num hibridismo completo. Laerte: travesti, hibrido, transcultural, e a mulher barbada dos tempos modernos. Antes, nós apenas riamos daquilo que considerávamos uma aberração. Agora, o diferente assumiu uma voz, e deseja contribuir para o desconcerto de um mundo que nunca foi concertado.

Ver também[editar]

Laerte vestido de homem, mas o olharzinho entrega tudo.