Latim

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Romanopre.jpg ROMANI ITE DOMVM!!!

HÆC ARTICVLVS ROMANVM EST. LATIM LOQVÆBITVR. NON INTERLEGIT? HVMORIS PRIVATVS NON EST. MVITISSIMVS ENGRAÇATVS! SED ROLA MEAM VADE MAMARE! VADE FŒDERE CVM PORRIBVS NOSTRVM.

Spqrpre.jpg
Cquote1.png Au...auauau. AU!!! Cquote2.png
Cão sobre Latim

Cquote1.png ME CHVPA! Cquote2.png
Alguém sobre Latim

O Latim é uma língua falada por um grande número de pessoas por toda a América Latina e o sul dos Estados Unidos, especificamente na região próxima à fronteira com a Itália. Trata-se de uma língua INDOGERMANÍADA, desenvolvida e ensinada pelos lobos domesticados, posteriormente chamados cães, da região da Ilha das Canárias.

Embora bastante usada nessas regiões ainda sofre bastante preconceito dos países que não a falam, uma vez que é considerada uma língua bastante primitiva.

Origem[editar]

O único falante de Latim na Europa.

Na pré-história existiam duas espécies ancestrais de lobos. Os lobos maus e os lobos bons. Os lobos bons eram bastante inteligentes e espertos enquanto os lobos maus eram totalmente bárbaros. Os lobos bons eram tão inteligentes que rapidamente desenvolveram métodos sonoros de comunicação, a primeira linguagem verbal que se tem registro.

Os lobos maus perceberam que no mercado globalizado e competitivo pela evolução das espécies corriam sério risco frente aos lobos bons. Em uma estratégia rudemente organizada atacaram os lobos bons. Para a sorte dos lobos maus os lobos bons eram muito pacifistas e não estavam preparados para o ataque.

Os lobos maus tentaram assimilar o conhecimento desenvolvido pelos lobos bons, mas como eram burros, os lobos maus aprenderam apenas os princípios básicos da linguagem verbal e métodos incipientes de como enganar velhinhas e crianças (tchau tenha sido posteriormente demonstrado que crianças dificilmente eram enganadas pelos lobos maus).

Alguns lobos maus com um pouco mais de inteligência separaram-se do grupo de lobos trogloditas e passaram a viver com humanos, aos poucos esses lobos ensinaram aos humanos o fundamento da comunicação oral através da língua latina. Rapidamente os lobos se acostumaram com a nova vida e passaram a ser chamados de cães.

Os lobos maus muito burros não conseguiram retransmitir nem desenvolver a informação obtida com o massacre dos lobos bons e migraram para a floresta, e ainda nela permanecem.

A língua latina foi sendo repassada de pessoa para pessoa, da sua mãe para você e de você para mim, porque se você esta lendo isso provavelmente é um tremendo homem, e se você não fizer sexo comigo e ter filhos, o latin deixará de existir.

Características[editar]

A principal característica do latim é ser uma língua extremamente simples, por isso considerada rústica por alguns. A estrutura gramatical da frase é extremamente rígida. Existem apenas 1.000.000.000.000.000.000.000 (um sextilhão) de tempos verbais: o presente, o presente do aniversário, o presente do dia das crianças e o presente de natal.

Alfabeto[editar]

O alfabeto utilizado pelo latim é muito simples: consiste em apenas 2 letras: a vogal "a" e a semivogal "u", necessariamente nessa ordem. A gramática, portanto, também é muito simples. he Sem falar que as suas consoantes são 10, ( A V C Z E G H I F K )

Construção da Palavra[editar]

A simplicidade na construção da palavra Latim faz desta falecida língua uma das mais fáceis de se aprender.

Basta somar as letras L (éle), A (ah), T (tê), I (ih) e M (eme) e teremos L+A+T+I+M, ou seja, Latim. Fácil não?

Também há variâncias: l+a+t+i+m se deseja contruir a palavra em minúsculo, L+a+T+i+M se você deseja seguir tendências retardadas e assim por diante.

Utilização[editar]

Na contemporaneidade tem aplicação na nomenclatura científica de aracnídeos nojentos, como o Demodex folliculorum, e outros seres mais nojentos ainda, como o Homo sapiens sapiens. Nesse caso, podemos considerar que o latim serve apenas para amedrontar estudantes do ensino médio e fundamental, que têm que decorar as regras de nomenclatura de seres dos quais eles nunca ouviram falar.

O latim também é usado na atualidade para aparecerem de introdução de artigos científicos para especificar etimologias de nomes. Como ninguém nunca se dá ao trabalho de saber se aquilo é genuíno, isso acaba por ser considerado uma ótima forma de introdução de trabalhos.

Também utilizados por padres, uma estratégia de publicidade, fazendo que a pessoas durmam na missa.

Além disso, o Latim é vítima de utilização indevida por necrófilos que insistem em perturbar essa língua morta para os propósitos mais baixos já cogitados por sujeitos imorais, a saber: fingir-se de erudito ou, pior ainda, defender processos jurídicos. Um exemplo que abarca ambas as categorias são os famigerados advogados, repugnantes seres Michaeljacksonarienses ou Rafinhabastosarienses (termos cientificamente corretos para designar comedores de criancinhas) que se alimentam de sangue e de dinheiro alheio. Esses crápulas utilizam-se inescrupulosamente dos restos mortais do latim para defenderem crimes e coisas absurdas diversas perante as brechas da lei. O emprego do latim nesses processos tem, na verdade, o único propósito de entreter o leitor/ouvinte/jurado/juiz, fazendo-o esquecer o quão bisonho é o crime que o crápula supracitado tenta esconder ou justificar.

Ditos Populares consagrados[editar]

  • Labor malus non exsistet. Malus est egere laboris.
  • Anus alcoholici tomaras habet.
  • Frumentum serialis, gallina satisfacia.
  • Pipera in culum alterorum refriscus est.
  • Fuit sine velle vellendum.
  • Noli flerere super lactem effusum.
  • Lambdateta Qe TuLambe DaRoseta

A origem das letras U - V , J - I e C - G:

Quando o latim era falado aos latidos pelos "romanvm canidevm" os sons correspondes de G, J e U eram representados por C,I e V, vide ex: Eduardo... Edvaldo ou Edvardo, Maior... Major.. Cagare Cacare.

A letra V originou-se da primeira que foi vista a virilha de uma mulher - ou "meretrix", como era chamada naquela época. Tal letra tinha som de U, por causa da reação do seu primeiro expectador quando a viu (UUUUUUUUUUhhhhhhhhh!). Depois de muita influência, como a dos francos e helenos, o V é como o temos hoje em dia.