Lenda do Boto

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Lenda da Sereia Macho? Cquote2.png
Google sobre Lenda do Boto
Cquote1.png Eu já vi um monte de reportagens sobre os botos, eles são muito inteligentes né? Cquote2.png
Carla Perez confundindo botos com golfinho
Cquote1.png Eles até aparecem naquele filme daquela baleia assassina: A Free Will! Cquote2.png
Carla Perez mais uma vez falando merda.
Cquote1.png Os Botos são golfinhos Cquote2.png
Paulo sobre Boto
Cquote1.png Os botos são fofinhos por serem comparados aos golfinhos. Gute! Gute! Gute! Cquote2.png
Você sobre Boto

Fotografia tirada pela revista Veja que comprova a mutação do boto em homem.

A Lenda do Boto é uma desculpa esfarrapada criada pelas ribeirinhas de antigamente para esconder a verdade de seus pais, quando estas sumiam durante as festas da comunidade local com algum macho, e para não serem tachadas de puta, resolveram inventar essa história sem pé nem cabeça.

Muito popular na região Norte do Brasil, passou a se tornar popular em todo o país graças a algumas novelas e mini-séries da Globo.

O que diz essa lenda[editar]

De acordo com o combinado por essas garotas, por volta da meia noite, durante os festejos de sua tribo comunidade, o boto se transformava em homem, loiro, alto, olhos azuis, forte, tatuado e com muito dinheiro no bolso, ou não. Geralmente esses homens se parecem muito com o filho de algum vizinho que mora na capital, ou com algum cara que elas viram em outro lugar e posteriormente o convidaram para essa festa.

Este tal homem-boto sai em busca das mulheres mais bonitas da festa, e se não encontram a mais bonita, pegam a menos feia mesmo. Ele se utiliza de cantada de baixo calão, cantadas que só funcionam em pessoas como essas meninas do interior da da região Norte, que nunca experimentaram da fruta e tão doida pra liberar pra qualquer fulano que apareça.

Após comer a menina e se satisfazer de bebidas e comidas, esse homem voltava para o rio de onde saiu e se transformava em boto novamente, pois como todo conto de fadas que se preze, o encantamento só dura uma noite. O mais engraçado de tudo, era que ele sempre sabia quando e onde teria festa, entrava na festa sem ser convidado, e ninguém nunca o percebia, e nem achava estranho ter alguém de fora nestes lugares.

A verdade por trás da mentira (ui!)[editar]

Prova de que não é preciso o boto se transformar para sair detonando as meninhas ribeirinhas.

O que muitos ainda não conseguiram entender, é que esta lenda é uma verdade! Realmente o boto se transforma em homem durante as festas, mais precisamente nas festas onde tem lua cheia, e juntamente com seu amigo, o lobisomem, comem algumas meninas "inocentes".

Devido ao nosso elevado grau de burrice racionalidade, fica inconcebível entender como é possível tal coisa acontecer. Então, para que possamos penetrar a fundo isso (ui!), precisamos de pequenas dose de um energético natural dos ribeirinhos: a verdinha. Basta um pequeno trago deste energético revitalizador que você entenderá muito bem todas as lendas de qualquer lugar do universo.

Ver Também[editar]