Lenda do Pirarucú

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Lenda da Piranocu? Cquote2.png
Google sobre Lenda do Pirarucú
Cquote1.png Rapaz, pirarucu com arroz, feijão e farinha, não sobra nem pra cachorro! Cquote2.png
Ribeirinho e sua opinião sobre a Lenda do Pirarucu.
Cquote1.png A lenda do pirarucu é uma lenda, logo não é verdadeira. Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre a Lenda do Pirarucu.

Pirarucu na sua forma nova forma de peixe. Ô coisa linda de papai!.

A Lenda do Pirarucu é uma lenda oriunda da região Norte do Brasil, típica coisa de índio sem criatividade e imaginação, que sempre atribui a Alá Tupã ou qualquer outra divindade indígena a origem de qualquer coisa que ganhe destaque entre os brancos. Esta é uma das lendas mais sem noção contada por eles, que acreditam em tudo, sem pestanejar.

A Lenda[editar]

Então, de acordo com os índios, tudo começou quando um filho da puta de um indiozinho metido à punk e anarquista resolveu contestar toda a cultura e crença de sua tribo. O nome desse índio era Piranocu, pois quando este havia nascido sua bunda estava cheia de feridas e tumores. Esse índio era filho do chefe da tribo, e sempre teve tudo o que queria.

Ao completar 18 anos, Piranocu percebeu que seu nome era feio pra cacete, e resolveu ir no cartório mais próximo para trocar seu nome, e assim passou a chamar-se de Pirarucu que em tupi-guaraná-fanta significa: "Eu tinha o nome feio e escroto e mudei para um nome um pouco menos feio e escroto". Então, Pirarucu voltou para sua tribo e começou a tocar o terror. Pichava os muros, roubava bancos, carros, motos e até bicicletas, batia em crianças e não respeitava os mais velhos. Era um vagabundo de carteirinha e crachá. Além de ser tudo o que não presta, Pirarucu também pode ser conhecido como o primeiro índio ateu que existiu, mesmo que de mentirinha. Ele não acreditava em Tupã, Buda, Alá, Jesus ou qualquer outra divindade, e acreditava que o mundo acabaria em 2012.

Reação de Pirarucu ao ver que os deuses estava putos da vida com ele.

Mas Pirarucu sempre se destacou por ser um exímio caçador de pipas. Mas isso não era suficiente para apagar as merdas que ele fazia quando estava na tribo. Por mais animais que ele matasse para todos comer, ele sempre foi visto com maus olhos e volta e meia era alvo de algum feitiço de alguma macumbeira da aldeia.

Certo dia, Pirarucu e sua galera da pesaaaaada saíram pra pescar e sodomizar algumas virgens. Após a sodomização e pescaria, Pirarucu começou a falar muita merda e passou a desafiar os deuses, no caso, Tupã. Muito puto com as coisas que Pirarucu falava, Tupã convocou a Assembléia das Divindades Indígenas e solicitou que amaldiçoassem Pirarucu pra sempre. Então, todos os deuses saíram a caça, e tentaram de toda forma lançar um feitiço no meliante que sempre conseguia escapar. Só que em uma dessas escapadas, Pirarucu acabou escorregando e caindo na água, mais precisamente em um rio, e Tupã não perdeu tempo e o transformou em um peixe largo e escuro, o Pirarucu que conhecemos e comemos nos dias atuais.

A única coisa que os índios não conseguem explicar é porquê existem tantos pirarucus hoje em dia, já que só Pirarucu foi amaldiçoado, então era pra existir somente um pirarucu. Provavelmente ele se reproduziu de forma assexuada, ou encontrou alguma pirarucu fêmea quem também foi amaldiçoada e constituíram família.


Ver Também[editar]