Leningrado (óblast)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Leningrado é o último resquício do que um dia foi a União Soviética, já que esqueceram de trocar o nome dessa porra. Hoje é apenas um território lamacento no norte da Rússia onde fica São Petersburgo.

História[editar]

Quando você fala que vai pra Leningrado e não especifica que é pra capital São Petersburgo.

Antigamente uma região conhecida como Ingria e lar de vikings que tinham medo do mar e preferiam estar nos campos colhendo flores. A região era a porta de entrada para a Rota do Volga, caminho que os suecos faziam para vender seus saques na Pérsia e vice-versa, portanto um entreposto bastante movimentado.

Por muitos séculos essa região foi motivo de atritos entre o Reino da Suécia e a República do Goró (atual Rússia, quando a vodka oficialmente substituiu a cachacinha em 1721). O vai e vem daquele pedaço de terra só foi interrompido em 1700, quando Pedrovisk I decide construir São Petersburgo naquele local porque achava Moscow muito longe.

Tudo ficou estável até a Primeira Guerra Mundial, quando a região recebeu o nome de Petrogrado em homenagem a Petrolina, cidade que Pedro I visitou e se encantou com os cabarés do local. Na época os finlandeses tentaram ficar com esse óblast, mas como o exército russa tinha a vantagem de dar respawn, os invasores foram expulsos e os russos ainda ficaram com a Carélia de brinde.

É em 1927 que o óblast de Leningrado é oficialmente criado, para organizar o território russo. Foi especialmente criado para separar o que era Rússia e o que era Estônia, para Stalin saber exatamente qual terra salgar na hora que visitasse o local. Hitler queria muito esse óblast, achava que por causa do nome era onde o zumbi do Lenin estava governando, então criou a Operação Barbarossa, que tentou conquistar o local, mas os nazistas tiveram seus pênis congelados antes de chegar lá no verão.

No referendo de 1991, a cidade de Leningrado foi renomeada, mas esqueceram de renomear o óblast, porque na Rússia meio que não se importam com os óblasts, então até hoje Lenin continua lá homenageado.

Geografia[editar]

O óblast de Leningrado fica no Golfo da Finlândia, é um território alagado onde você não encontrará mais nada além da cidade de São Petersburgo. Nem os ursos gostam de se aproximar tanto dessa região.

É no óblast que fica o lago Ladoga e o Lago Onega, importantíssimas região de pesca de pacu-russo, o peixe responsável por defecar aquelas bolinhas apreciadas na culinária da alta sociedade russa, o denominado caviar. Isso torna os lagos de uma importância quase imensurável para os russos, sendo essa região só menos importante que as indústrias de vodka nos Urais e os gulags na Sibéria.

Além dos lagos, ainda há as nascentes de vários rios gelados importantes, como o rio Neva, que dá origem a muitos pântanos lodosos e fétidos cheios de plantas do gênero Carex (nome científico para "mato").

Economia[editar]

A economia desse óblast é totalmente dependente de sua capital, porque se você sai de São Petersburgo, só encontrará mato. Definitivamente, não será em Kammenogorsk que alguém vai querer abrir um McDonald's ou uma Arezzo, as demais cidades do óblast são todas apenas pequenas roças produtoras de feno.

População[editar]

Com quase 2 milhões de habitantes, um número elevado para a demografia russa, 99% da população desse óblast, todavia, encontram-se em São Petersburgo, onde há uma estrutura mínima para se estar com vida. Os demais 1% estão nas cidades de Kirishi e Vyborg. Os demais 0% estão nas cidades como Podporozhye e Akulova Gora.