Leopoldo de Bulhões

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Leopoldo de Bulhões é uma corrutela localizada lá praqueles lados de Goiânia. Ninguém viu, ninguém ouviu, a existência do local é duvidosa para quem não é da capital goiana. Dizem as lendas que a expressão "pindaíba", que significa "porra nenhuma" em goianês foi inventada em Leopoldo de Bulhões.

História[editar]

A decrépita Estação Ferroviária de Leopoldo de Bulhões que deu origem a toda essa merda, teoricamente era para ser um patrimônio histórico, mas parece que levaram a sério quando souberam que coisas históricas era para estar velha e caindo aos pedaços.

Tudo começou quando um bando de pedreiros foram lá para a PQP, mais especificamente nas margens do córrego Pindaíba (belo nome que deram para o local, reflete bem a realidade região), onde foram trabalhar na construção da estrada de ferro que ligava o litoral do Brasil ao Inferno e à Terra do Metal. Pedreiro você sabe como é, se você deixar, eles vão ficando... e assim eles foram ficando, comendo as putas da região e perpetuando a espécie de pedreiros e pobres, formando aos poucos a pequena vila. Depois que construíram Goiânia por ali perto, aí que ninguém foi mais embora, e a aldeia recebe o nome de "Pindaibinha" devido ao fato da população local sempre viver na pindaíba.

Somente em 1931, o nome da cidade passa a ser Leopoldo de Bulhões, em homenagem à José Leopoldo de Bulhões Jardim, um cara que nunca passou por ali e nunca soube da existência do lugar, mas que tinha um nome engraçado, e estava causando alvoroço na política nacional, e Pindaibinha estava idiota demais... o nome continua idiota... enfim.

Em 1948 Leopoldo Bulhões organizou a maior festa junina do mundo naquele ano, superando até Campina Grande para se ter ideia. Após esse título a prefeitura de Goiânia passa a considerar Leopoldo de Bulhões um município independente, é por isso que desde então houveram muitas festas para ver se era possível reunir pessoas bonitas na cidade, mas como nunca houve um nativo ou nativa sequer dotado de beleza mostrável, por isso nenhuma dessas festas jamais foi bem sucedida. O brasão e bandeira da cidade são o trigo do lado de um boi fazendo uma careta, como o desenhista era péssimo, ficou um treco horrendo que causa até epilepsia.

Hoje... não passa de uma cidade-dormitório de Goiânia que vive na pindaíba, torcendo para que um dia seja descoberta por algum empresario doido que abra alguma fábrica de qualquer coisa por lá.

Turismo[editar]

Leopoldo de Bulhões é uma verdadeira grande e magnifica merda, mas como existem turista burro pra tudo, a cidade tem lá seus atrativos, não são grandes coisas, mas é o que tem.

  • Parque Ecológico - Um extenso matagal e gramado onde os turísticas que gostam de um programa de índio vão para ficarem correndo no sol escaldante e seca insuportável para a noite fazerem um sexo animal com bastante carrapatos.
  • Lago Roberto Caetano - Lago onde ocorrem 100% das pseudo-festas da cidade. Carnaval, páscoa, festa junina, natal e até mesmo velório de cachorro acontecem ali, a população inteira se reúne ali. É o único lugar na cidade inteira com banheiros públicos.
  • Praça Dom Bosco - Praça no centro da cidade (ou melhor dizendo, todo lugar lá é o centro mesmo) onde se reúnem os tiozões nos vários botecos pés-sujos dos arredores.
  • Estação de Leopoldo de Bulhões - Um símbolo da cidade, a estação de Leopoldo de Bulhões é a estação ferroviária mais moderna, bonita, incomparável e antiga que nunca foi reformada de todo o Brasil. Inaugurada em 1931 por alguém que não sabemos o nome, e está hoje só o caco velho.
  • Homenzim do Queijo - Um senhor que fica no quebra molas da cidade vendendo um delicioso queijo de trança onde todos passam e compram por dó. Aliás, a única coisa interessante que realmente presta em Leopoldo de Bulhões é esse queijo, apesar de todos staphylococcus.