Letônia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
●Latvija Republika
●Latvijas caraliste
●República Socialista da Estônia 2

Banderaletonia.PNG Brasao da Letonia.png
Bandeira Brasão
Lema: Em Moscou confiamos
Hino: Salve salve o império Estoniano
Balticos.jpg
Capital Riga
Maior cidade Moscow
Língua Letoniano e Russo
Tipo de Governo Prussiano
Prefeito Vīlķes-Ŗoeībečhoķos
Heróis nacionais Karl Marx, Cavalo
Independência Subreino da Estônia até hoje
Moeda Latvian dižkāposts
Religião vaska ritulīši
População 2.000.000 de exilados russos
Área 30 hectares (35% de água)
Analfabetismo 46%
PIB per Capita 58 USD/hab.
IDH 0.7
Fuso Horário / 4
Clima Muito frio no "verão", insuportavelmente frio no inverno
Site do Governo Governo Letoniano
Cquote1.png Você quis dizer: Lituânia Cquote2.png
Google sobre Letônia

Cquote1.png L-A-T-V-I-J-A-S... Latvia. Cquote2.png
Johnny Knoxville sobre Letônia
Cquote1.png Riga dim! Riga dim! Cquote2.png
Exército ( ou coral ) Letão sobre sua turnê tediosa ao redor do planeta.
Cquote1.png ZzZzZzZzZzzzZzzZZzzZ Cquote2.png
Espectadores sobre sobre coral letão
Cquote1.png Kautkastraks!( Putaqueopariu! ) Cquote2.png
Cidadão letão sobre o tamanho do maldito coral
Cquote1.png Na Letônia Soviética, o coral canta VOCÊ!!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Letônia
Cquote1.png Desde que conhecemos os letões, nossas vendas aumentaram 200% Cquote2.png
Fabricantes de Tratores sobre letões
Cquote1.png As nossas também!!! Cquote2.png
Fabricantes de Pianos sobre letões
Cquote1.png As nossas não!!! Cquote2.png
Fabricantes de guitarras e baterias sobre letões
Cquote1.png Tu grib alu vai tu grib braukt uz mājām čučet? Resna galva... ( Você quer cerveja ou quer ir pra casa dormir? Cabeça gorda... ) Cquote2.png
Letões alcoólatras nova-odessenses sobre beber moderadamente

Letônia, conhecida também como Estônia 2 é um país perto daquele outro país no Leste Europeu. Possui metade de seu território com densas florestas e a outra metade com pântanos. Seu território é do tamanho do estado de São Paulo, e sua população de 2.3 milhões que, somados ao fato de seus lavradores terem sido deportados de la na época da URSS explica porque sentem tanto prazer em serem latifundiarios.

História[editar]

Antiguidade[editar]

Na ausência de um símbolo nacional letão, colocamos este símbolo russo no artigo.

Onde atualmente fica a Letônia, na Antiguidade nunca passou de apenas uma rota de vikings e gregos.

O local sempre foi apenas uma passagem, caminho para a Rússia, caminho para a Escandinávia, caminho para os Bálcãs, era uma terra tão inútil que demorou até alguém se animar em habitar aquela região, até que um dia um fazendeiro de muita visão teve a magnífica ideia de abrir uma loja de enxadas que devido ao sucesso acabou se tornando num pequeno reino, de um povo que se especializou em montar lojinhas de beira de estrada.

Idade Média[editar]

No ano de 900 é fundado o Reino dos Culhões, e como mandava a regra foi construído alguns castelos. Era o reino de um povo pacífico, agricultor. Mas infelizmente eles foram atacados e escravizados por holandeses a cortar cana-de-açúcar na Indonésia.

Livônia[editar]

Surge a Ordem da Livônia, uma distante província da Rússia que foi utilizada entre 1218 e 1562 como local de enxugamento de gelo siberiano.

Foi no século XIII que toda a Livônia foi dominada pelos temidosCavaleiros que Dizem Ni.

República Socialista Soviética da Letônia[editar]

Em 1918 a Letônia até esboçou declarar sua independência se aproveitando da destruição que tinha assolado a Rússia após a Primeira Guerra Mundial, mas em 1940 a União Soviética decidida a conquistar Berlim saqueou tudo o que havia no caminho entre Moscou-Berlim, o que incluiu nacionalizar todas jovens loiras letãs de olhos claros como soviéticas para auxiliarem no esforço de guerra.

Os comunistas transformaram a Letônia num imenso campo de dejetos nucleares.

Independência[editar]

Loiras letãs em passeata em Riga protestam contra o domínio russo no mercado de filmes pornográficos.

Vários protestos foram feitos durante o domínio soviético, mas todos foram rapidamente explodidos pela KGB. As loiras letãs até deixaram de raspar e lavar seus pelos pubianos como protesto pelo domínio russo, mas nada que algumas doses de vodka não pudessem disfarçar para os homens russos.

Foi só mesmo após a falência da União Soviética que a Letônia finalmente adquiriu sua independência. Os letões odeiam tanto os russos, que na época do comunismo usavam uniformes azuis, por isso os chamam de "zílajs" e como vingança sua seleção de futebol usa uniforme bor (rosa).

Grande Crise de Vodka de 2004[editar]

Causas

Com a grande queda do preço da vodka, os fabricantes resolveram ir as ruas para protestar. O Czar russo (que estava muito bêbado) mando fuzilar todos os manifestantes (mesmo eles sendo letãos). Os guardas (que também estavam bêbados) que eram letãos mas ainda obedeciam o czar russo, erraram metade dos tiros, mas os que acertaram foram suficientes para deixar os manifestantes putos da vida. Eles resolveram então entrar em greve e durante as duas últimas semanas de maio de 2004, todos os países ex-soviéticos ficaram sem vodka.

Devido a falta de álcool no sangue, muitos no leste europeu morreram. Alguns tentaram tomar tequila para substituir, mas lembraram que não são mexicanos e resolveram se matar de um vez.

Países afetados

Como a economia dos países ex-soviéticos 90% em vodka (os outros 10% eram neve, que era exportada para Marte), sem esse precioso bem, os países entraram em uma séria crise financeira. O caso mais sério foi a venda da Letônia para a Estônia, que foi o único país exportador de vodka a não ser prejudicado, pois eles tinham as Sete Esferas do Dragão e desejaram ter loiras para usarem de prostitutas na Ucrânia e conseguirem assim se financiar.

Na Rússia, terroristas chechenos sóbrios (claro que estavam sóbrios, não tinha vodka) cometeram atentados terroristas, já que a maioria dos policiais estavam em clínicas de recuperação do AA.

Recuperação

Em 4 de junho de 2004, o Czar assinou um decreto que aumentava o salário dos produtores de vodka em 66,6%. Com isso, a venda de vodka no país aumentou e todo dia 4 de junho é feriado nacional na Letônia, com muita vodka (na verdade, todo dia na Letônia tem muita vodka, mais nesse dia ninguém trabalha).

Atualmente[editar]

Após a Grande Crise de Vodka de 2004, a Letônia (assim como todos os países soviéticos) ficou com falta de dinheiro e vendeu todo seu território para a Estônia, que rebatizou essas terras de República da Estônia Reserva. Todo o lucro que os letões conseguem vai para o governo da Estônia. Assim como na época da URSS, a Letônia vem sendo usada como depósito de fezes nucleares pela Rússia e Estônia.

Geografia[editar]

A Letônia possui inúmeras 7 cidades, entre elas a capital Riga, onde os letões são produzidos artificialmente em um laboratório soviético, onde saem com o penteado emo padrão.

Subdivisões[editar]


Economia[editar]

Sua economia sempre foi baseada em trabalhar para os russos na época da URSS, mas com o desaparecimento da URSS os letões passaram a desperdiçar seu tempo compondo músicas de piano para os cultos aos domingos e vivem do "turismo" (dos imigrantes que vieram para o Brasil e voltam pra visitar os parentes). Os que não ficaram foram para Nova Odessa no Brasil ou foram para Sibéria continuar a trabalhar pros russos.

Sua moeda é o Lat (mas não morde) que equivale a R$10mil. Eles imigram da Letônia com 5 Lats no bolso e com isso compram um sítio em Nova Odessa, interior de São Paulo, pianos e fundam igrejas no meio do mato.

A "Leitônia" é famosa pelo seu desenvolvimento de vacas mutantes. As famosas vacas leiteiras da "Leitônia" foram roubadas pela Holanda que patenteou como "vacas holandesas" e criou o chocolate Milka. As vacas holandesas foram trazidas para Holambra no Brasil, mas morreram todas depois de comerem capim bravo.

Atualmente os letões se tornaram os principais concorrentes dos Países Baixos em flatulência decorrente da ingestão de batata, que hoje é o maior produto de exportação letã (depois dos próprios letos, claro).

Política[editar]

Sua presidente é Vaira Vīķe-Freiberga (Vaca Viking-Fiadaprêula), vem ao Brasil as vezes visitar seu primo gêmeo (coisas do incesto) Walter Mercado que atualmente usa o pseudônimo de Marta Suplicy.

População[editar]

A sua população de 2,3 milhões de habitantes, possuem 100 mulheres para cada 85 homens. Os outros 15 estão divididos entre gays e emos. Dos 85 homens, 50 são nova-odessenses descendentes de letões que voltaram a Letônia para cursar Agronomia e poder trabalhar futuramente na propriedade rural da família.

Tudo isso somado ao fato de seus lavradores terem sido deportados na época da URSS, o que explica porque sentem tanto prazer em serem latifundiários.

Demografia[editar]

A Letônia possui uma população de Leticias, e a população de origem letã representa pouco mais da metade dos habitantes do país e é a minoria em Riga, a capital. Outros grupos são os de origem Russa (28,8%), Bielo-russa, Ucraniana, Lituana e Polonesa, ou seja, não são bosta nenhuma nem no pais deles. O crescimento da população é o mais baixo do mundo (-1,5% anual) pois os letões pararam de produzir letões para suprir a demanda de chineses em Vancouver no Canadá em troca de alguns barris de chope mensais.

Cultura[editar]

Típica festa de rua letã.

Os letões são apreciadores de carros, especialmente os das marcas John Deere, Massey-Ferguson e Caterpillar. Quando não andam com esses motores medianos, se contentam com a baixa potência de um Dodge 67 7.0.

Também apreciam seus cantores nacionais, que por sua vez cantam em russo e nunca em letão.

Bebem socialmente, por isso sempre andam em grupos e são amigáveis.

São fanáticos por coisas velhas, sem valor histórico nenhum e sem utilidade prática, como ferramentas agrícolas enferrujadas e outros objetos que ficam pendurados nas paredes da casa. O curioso é que nenhum desses objetos cobre qualquer buraco nas paredes, por isso se desconhece a origem desse costume.

Adoram cavalos. Toda maldita música do folclore letão envolve ao menos um cavalo. Talvez porque essas músicas são do tempo em que não havia tratores.

Religião[editar]

A religião oficial da Letônia (a não-oficial é o satanismo) é o luteranismo aplicado aos costumes vikings cuja tradição não permite que se casem (e façam sexo) antes de se aposentarem, mas como no sítio não tem aposentadoria, isso ocorre aproximadamente aos 60 anos de vida de um letão. Também praticam o incesto como forma de preservar o patrimônio familiar.

A religião dos letões também prega que a Letônia é a "terra santa" (só sendo letão pra acreditar numa baboseira dessas...), por isso, os letos novaodessenses são obrigados a fazer a peregrinação à Letônia pelo menos 20 vezes na vida. Mas mesmo se não fosse obrigação, eles vão lá visitar os parentes e encher a cara.

Defesa[editar]

O exército letão possui um contingente de 800 homens (mais 200 viadinhos, 50 emos e 10 frutinhas), além de alguns ex-agentes da KGB que ficaram lá para ajudar a maioria da população (de russos) da Letônia.

Sua linha de defesa consiste no massivo Coral de Riga, com seus incríveis 11.000 integrantes, que a qualquer momento podem botar a Europa toda para dormir, com suas cantigas empolgantes...

Estabeleceram uma base militar na área rural de Nova Odessa (90% da cidade) onde dispõem de 3 divisões de Tratores Blindados, 6 regimentos de Letos bêbados com inchadas,14 divisões de Infantaria de cortadores de cana, 2 divisões de Tratores com arado e embora os vereadores da cidade tenham comprado uma cadeira de 6mil U$ da NASA, esta por sua vez não forneceu imagens devido a posição estratégica da cidade ser invisível aos satélites americanos, assim como o Acre e o Canadá.

Ver também[editar]

Flag-map Letônia.png Letônia
HistóriaPolíticaSubdivisõesGeografiaEconomiaCulturaTurismo


Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!

Bandeira da União Europeia.png
Europa
v d e h

Países: Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido (Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales) | República Tcheca | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Turquia | Ucrânia | Vaticano

Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Gibraltar | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Jan Mayen | Kosovo | Nagorno-Karabakh | Ossétia do Sul | País Basco | Svalbard | Transnístria