Live

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Buddy Guy com tres na cama.jpg

Mick Jagger deu sua benção a este artigo!

Obrigado! Este artigo se sente mais forte agora :)

Clique aqui para mais abençoados.

Passarinho.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

Live
Live.JPG
Banda estranha com gente esquisita...
Origem Pensilvânia
País Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 19882009
Gênero(s) Pósgrungi e Rrárdi Roqui
Gravadora(s) {{{gravadora}}}
Integrante(s) Edward Kowalczyk;
Chad Taylor;
Patrick Dahlheimer;
Chad Gracey.
Ex-integrante(s) {{{exintegrantes}}}
Site oficial {{{site}}}

Babel fish.gifTraduzindo: Ao Vivo
Babel Fish sobre Live
Cquote1.png Você quis dizer: Liveman Cquote2.png
Google sobre Live
Cquote1.png Você quis dizer: REM Cquote2.png
Google sobre Live
Cquote1.png Você quis dizer: Bon Jovi Cquote2.png
Google sobre Live
Cquote1.png Quem ta fazendo show ao vivo? Cquote2.png
Desavisado sobre Live
Cquote1.png Parece REM! Cquote2.png
Você ouvindo “Pain Lies on The Riverside” e “Operation Spirit”
Cquote1.png Parece Bon Jovi! Cquote2.png
Você ouvindo “Heaven” e “The Dolphin’s Cry”
Cquote1.png Parece com os dois Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Live
Cquote1.png É emo! Cquote2.png
Guri retardado sobre Live
Cquote1.png Nem sabia que golfinhos choravam! Cquote2.png
Você sobre “The Dolphin’s Cry”
Cquote1.png Que porra de nome complicado pra caralho! Cquote2.png
Dercy Gonçalves sobre o nome do vocalista da banda
Cquote1.png Locomias alright! Cquote2.png
Poser cantando “The Dolphin’s Cry”

LIVE (ou, segundo João Gordo, "aquela bandinha de merda") é uma banda de rock que só faz show ao vivo e com integrantes fãs de Liveman formada no Pênis da Silvânia em 1988, liderada por Edward Kowalczyk (pausa pra desfazer os nós nos dedos após digitar esse nome), o cara com o sobrenome com mais consoantes no mundo do rock. É mais um daqueles casos de bandas que fazem Grunge ligeiramente menos depressivos que o comum, ou seja, é Pós-Grunge, uma jogada comercial pra fazer música não pra perder fãs pro suicídio, mas, pra ganhar novos, além de ser infinitamente mais fácil ser Pós-Grunge pra quem não é de Seattle, a Grungelândia, e como tiveram medo de tentar...

O Começo:[editar]

copiando a capa do filme "Os Condenados"

Edward Kowalczyk viu que os roqueiros não tinham tantas consoantes em seus sobrenomes, e, então, aquele descendente de poloneses que fugiram pros EUA com medo das guerras, indo pro país que acha que resolverá todas as suas diferenças na base da guerra e que usa um Gameshark nelas, achando que estariam protegidos, então, vê um nicho nisso, e resolve iniciar a sua banda de rock, uma banda Grunge, chamando 3 amigos sem tantas consoantes nos sobrenomes: Chad Taylor,que era mais bonito no começo dos anos 2000, agora anda com chapéu esquisito na cabeça,Patrick Dahlheimer,que deixa o cabelo comprido desde 2005 e Chad Gracey, mais conhecido pelo intercambista brasileiro da escola como Chayd Gracinha, e resolveram começar uma banda. Como estavam em dúvida sobre qual nome seria usado pra nomear a banda, com Ed insistindo que deveria se chamar Live. Então, resolveram escrever num papel os nomes que eles queriam, totalizando 10 papeizinhos, após contar, enquanto os outros estavam desatentos ao chapéu onde colocaram os potenciais nomes, Ed troca o chapéu por outro idêntico, mas só com os papéis escritos “Live”. A hora do sorteio chegou e, como manda a lógica, o nome sorteado foi LIVE, e, após conseguir se desfazer do chapéu fraudado e, continua a seguir sua vida de polaco-yankee com uma banda.

A Estrada:[editar]

Cquote1.png Não vai pôr essas fotos na Desciclopédia não, né? Cquote2.png
Ed Kowalczyk
Esperando as Groupies e o consequente sexo grátis

Sem revelar que fraudou o sorteio de seleção de nome da banda, com medo que ela acabasse e desse merda no projeto, Ed, pra se consolidar como um roqueiro com muitas consoantes no nome, achava que era inviável tentar a carreira no Grunge, já que não são de Seattle, resolvem fazer o Pós-Grunge mesmo, que simplesmente pode se resumir ao Grunge fora da Grungelândia, e, após Ed sonhar que a banda montou uma joalheira, lançam o álbum Mental Jewelry, cuja principal música era pra falar algo lógico: todo mundo já ouviu muita merda nessa vida, e, usou uma estratégia incomum rumo ao sucesso: cantou pra fazer os fãs de REM se confundirem, acahndo que a música era de Michael Stipe & Seus Blue Caps, devido a semelhança nas vozes, assim, fazendo muito sucesso entre os fãs da banda, e depois pro resto, pois o mundo gosta de músicas que falam o óbvio, e ainda lançaram “Pain Lies On The Riverside”, onde Narutards acham que Ed que matou e enterrou o Pain, o que era inviável, pois a música é 7 anos mais velha que o Mangá, assim, a banda era acusada injustamente de assassinato de personagem de anime, mas, provaram a inocência e puderam continuar a carreira. Tocaram no Woodstock de mentirinha que foi feito em 1994, e, precebendo que estava com o Cooper feito após a maratona no Woodstock Fake Edition,antes disso, eles tocaram no bundalhinwooddy rock em são Paulo,no estádio dos bambi e tinha uns rosca torta vaindo a banda e um palmeirense tocou uma maçã na banda. eles queriam ir no putaembu do Corinthians mas não deu. depois eles lançam Throwing Cooper, pra falar que fez uma porrada de coisas, entre elas: andar, ler, saber, cagar, assassinar, peidar cheiroso, ou seja, resumiu o cotidiano da banda no refrão da música, ganhando a atenção de fãs fofoqueiros. Alguns anos, hits e confusões com o REM, a banda resolve trair sua ideologia: o Ed cantar igual ao Stipe. Atrás de novos públicos, passa a cantar parecido com o Jon Bon Jovi, pros próximos anos, pra atrair os fãs do Bon Jovi, e assim, com um rascunho feito em meados dos anos 80, sendo adaptado pros dias atuais daquela época, lançando “The Dolphin’s Cry”, só pra msotrar que até os animais mais felizes da Terra também choram, sejam de raiva, de emoção, de luto ou numa crise emo, além de Ed mostrar seu amor a esses animais. Após todos esses anos, a banda já estava consagrada e Ed resolve viver de acordo como um Rockstar: cheio de problemas e merdas no currículo. Em 2009, achando que a banda chegaria aos 50 anos de carreira, devido a união entre os integrantes, que só não dormiam juntos, resolve revelar a fraude no sorteio pra ver o nome da banda, fazendo com que ela entrasse em crise, com um querendo aparecer mais que o outro, querendo matar o outro, querendo comer a mulher do outro, e transformando a banda numa putaria. Querendo se livrar de mais problemas que já tinha, Ed resolve acabar com a banda. Bem, falam de hiato de 2 anos, mas, 2 anos já se passaram e nada... Mas, os fãs ainda acham que eles voltarão. Tadinhos... Atualmente, Ed se fode em carreira solo, enquanto os instrumentistas se encontraram com Kevin Martin e Sean Hennesy e montaram a The Gracious Few, onde, ao contrário do Live, não houve fraude pra escolher o nome da banda, era isso que eles queriam: honestidade pra escolher o nome.

Informações irRelevantes:[editar]

Integrantes:[editar]

  • Ed Kbcdowafghlzyhjk: Vocalista/Guitarrista, coisa muito comum em bandas, pra poder economizar dinheiro, o vocalista sempre toca um instrumento e ele também tocava violão;
  • Chá de Taylor: Guitarrista era bonitão no começo dos anos 2000;
  • Patrick Dá um Raimer: Baixista é cabeludo agora mas antes raspava a careca;
  • Chayd Gracinha: Baterista,era o mais fortão da banda, nas horas livres ia na academia do tio jere;

CDs:[editar]

  • Joalheria Mental: A banda visou uma joalheria e a usou como fonte de inspiração pro álbum (1991);
  • Arremessando Um Cooper: A banda tá com o Cooper Feito, e, assim, consegue fazer mais sucesso simplesmente jogando um carro da equipe Cooper num crítico que esculhambou o 1º álbum (1994) e assim toca copper em todo mundo para dizer quem manda nessa porra do mundo do rock. esse é o melhor álbum da banda;
  • Samadi Secrteto: Ninguém sabe o que é isso, talvez a banda queria ganhar o prêmio de “Álbum Com O Nome Mias Extravagante” (1997);
  • A Distância Pra Aqui: Outro nome sem sentido, iniciando a fase de confusão com o Bon Jovi (1999);
  • V: Eles gostavam de V a série e batizaram o álbum com esse nome (2001);
  • Passarinhos da Oração: Álbum em parceria com os pássaros que cantavam com o coro da igreja que frequentavam (2003);
  • Canções da Montanha Negra: Foram muito zoados pela cagada de citar montanhas no nome do álbum no ano que um filme revolucionaria tudo o que conhecia sobre montanhas (2006).

Músicas:[editar]

  • Operação Espírito: Falam de começar um ramo de caças de espírito, numa letra onde dizem que já ouviram de tudo, inclusive várias teorias doentias e inventadas por malucos, como uma possível farsa no 11 de Setembro e as Papeletas Amarelas;
  • Dor Jaz No Outro Lado do Rio: A banda teve sorte de não ter lançado a música a partir de 1999, quando um nerd resolve recriar tudo o que se sabia sobre ninjas, porque, se fosse o contrário, eles estavam fodidos com os Narutards, pois seriam acusados de matar o Pain, mas, eles só queriam alguém pra nadar com o Eu-Lírico da música;
  • A Beleza do Cinza: Se amarram numas cinzas;
  • Selando um Drama: No refrão, a banda fala do cotidiano, e, na letra, fica dando pitacos sobre um mundo melhor. essa canção é muito legal pois fala de como ser feliz mesmo nas horas tristes;
  • Tudo Em Cima de Você: Só tenho comentários indecentes sobre esse nome;
  • eu sozinho quando alguém estiver sozinho em casa pensendo no amor de sua vida, mas essa pessoa não estiver contigo escute essa música e comece a bater punheta, pois você está sozinho e ninguém lhe interrompirá;
  • Vire Minha Cabeça: Pedindo pra se suicidar, já que, se alguém virara a cabeça, pose ir pra vala;
  • O Choro do Golfinho: De saco cheio de ouvir que os golfinhos são felizes e vivem saltitando alegremente, mesmo com Matt Groening tendo dito que eles saltavam pra tentarem fugir do oceano e tentarem dominar o mundo, Ed escreveu essa música pra dizer que eles choram também. Originalmente, a música falava de Papeletas Amarelas, com o refrão: “Yellow Papers, oh no! Yellow Papers don’t exist! I can hear the Loser’s Cry”, e se chamava “The Loser’s Cry”, mas, achando que esse chororô já tinha acabado (infelizmente ele estava errado), modifica tudo pra ficar falando sobre golfinhos;
  • Heaven: Todo mundo tem uma música com esse nome, então, por que não eles? Destaque pra gostosinha que protagoniza o clipe;
  • Negociamos Nos Sonhos: A banda tava trabalhando tanto que, até na horade dormir estavam trabalhando;
  • O River: Uma homenagem ao River pór ter eliminado o Corinthians na Libertadores em 2006, assim, podiam continuar com as piadas de “Corinthians sem Libertadores”.
  • [mistério] um minuto de silencio antes do jogo entre inter e mazembe. pois só deus sab o que acontecerá nesse jogo;
  • [wingas]essa música é para os colorados que querem se vingar do fiasco do mundial de clubes ao perder pro mundambé do cango;




Slash fuckat.jpg