Lobi

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Chewbacca.PNG ANIMAAAAAAAL!!!

Este artigo trata de algum animal, ou alguém que pareça um animal, ou alguém com nome de animal, ou alguma bosta que te faz se sentir um animal, ou ainda um ANIMAL. Não alimente Lobi.


Lobi encantando o cemitério (ou não).

Cquote1.png Você quis dizer: Lupi? Cquote2.png
Google sobre Lobi
Cquote1.png Experimente também: Lobisomem Cquote2.png
Sugestão do Google para Lobi
Cquote1.png Auuuuuuuuuuuuu! Cquote2.png
Lobi em noite de Lua Cheia
Cquote1.png Caramba, nem depois de morrer podemos descançar me paz? Cquote2.png
Qualquer um do cemitério sobre Lobi

Apresentação[editar]

Pertencente a família dos canídeos, na da espécie dos famosos au-aus canis lupus, Lobi é o nome de um Lobisomem, personagem das histórias da Turma da Mônica, quase que exclusivamente da Turma do Penadinho (podendo aparecer de vez em quanto na Turma do Chico Bento, mas não com esse nome). É o único personagem do cemitério que tem alguma relação com o nosso belo e criativo folclore brasileiro, haja visto que Maurício de Souza parece somente lembrar que existe o nosso folclore quando o coloca (como personagem mais do que secundários) nas histórias do caipira Chico Bento e do índio Come Mato Papa-Capim. Mas, pensando bem, não podemos descartar a ideia de que o caso do homem que se transforma em lobo nas noites de luas cheia, não é uma lenda particular de nosso Brasil, já que ele se faz presente nas mais variadas culturas que rondam esse mundo (assim como o vampiro, Frankstein e outras aberrações do tipo monstruosas, que estão nos gibis da Turminha).

Um lobo na família[editar]

Cquote1.png Qualquer coisa é só falar! Ou latir, se preferir! Cquote2.png
Lobi sobre qualque um de seus amigos

Nascido como o sétimo filho de um casal que antes só tinha seis filhas, sendo todas umas gostosas mulheres, e que (pelo visto) os pais não tinham televisão em casa (ou seja, eram pobres e com certeza do interior), Lobi cresceu com um fatídico destino em sua triste vida. Assim que completasse treze anos (o treze é sempre um número da desgraça, somente para Zagallo que não), durante um dia uma noite de lua cheia, se transformaria em lobisomem. Bom, vendo o copo meio cheio, Lobi ainda pode ter uma vida feliz (ou não), sem falar que ainda teve muito sorte de ter nascido com um piu-piu entre as pernas, diferentemente se tivesse nascido mulher, pois, sendo a sétima filha depois de uma cambada de seis mulheres, se transformaria em Mula-sem-cabeça, tendo que galopar por todos os cantos do mundo, assustando quem quer que passasse em sua frente, sem falar que, para voltar ao normal, teria que ser ferida mortalmente, ou exorcizada, ou montada e ter o seu freio retirado, sem falar que ainda teria que sofrer com menstruação, TPM e coisas do tipo, mas isso são outros detalhes.

É claro que, como um Lobisomem, Lobi tem as suas macumbinhas para se "destransformar" do canino animal folclórico, livrando-se do destino que o aprisiona, sendo que tem que correm "somente" por sete cemitérios, sete encruzilhadas e sete vilarejos, sendo que tudo isso tem que ser feito antes do sol nascer (fácil, não?). Porém, sendo um lobisomem baiano, Lobi nunca concluiu a sua trajetória, pois, sempre que resolvia começar, se cansava e resolvia tirar um leve cochilo, quando acordava, já estava transformado de volta em ser humano, mandando todo o seu trabalho da noite anterior tomar Noku para as cucuias. Passado um tempo, Lobi se revoltou, "rodou a baiana, tirou o sutiã e deu tetada", batendo pé de que não iria mais cumprir esses objetivos sem nexo algum, e que ainda cansava, preferindo ficar uivando para a lua o resto da sua vida inteira, ao sair correndo desembestado por setes lugares aí, sendo que, se não conseguisse isso rapidamente, colocaria todo o trabalho a perder e teria que recomeçar tudo de novo.

Cquote1.png Seu eu fosse o Flash não teria problema nenhum! Cquote2.png
Lobi sobre seu destino

Chegando ao cemitério[editar]

Lobi quando está de mal humor!

Antes de tomar essa fatídica decisão, Lobi estava tentando (inutilmente) cumprir o seu objetivo de sempre. Como tem que passar por sete cemitérios, durante o percurso em um deles acabou encontrando um fantasma sem joelhos que perambulava sozinho por algumas covas, seu nome era Penadinho. Como todo bom cachorro lobo, Lobi também pode ver espíritos malignos e começou a bater punheta papo com o fantasminha camarada (mais uma vez ele se desviou do seu real objetivo), que mais parecia o Zé Gotinha do que uma alma desgarrada de um corpo. Enquanto conversavam, Lobi descobre que o sonho do fantasma quando vivo era ter um cachorrinho babão, que fizesse tudo o que ele pedisse. Já que tinham acabado de virar miguxos, Lobi decide que começará a aparecer mais vezes ao cemitério, afim de satisfazer sexualmente os desejos de Penado. Com o tempo passando, Lobi acabou ficando de vez por aquelas bandas do cemitério, tornando-se amigo de todo mundo e integrando o time de aberrações assombrações da Turma do Penadinho.

Lobi é um cachorro muito mal educado.

Lobi, depois de integrar o time do cemitério ficou sendo o goleiro único personagem não-tãomorto do grupo, haja visto que um vampiro, um Frankstein, um crânio falante e uma múmia já não são algos tão vivos assim. Além disso, é o único personagem de toda a patota que tem o seu nome mutável, podendo ser chamado de Lobi, Lupi, ou mesmo Lobichosomem, sendo que o que mais se usa, por maioria de episódios nos gibis, é o nome dele mesmo, Lobi (ou não). Durante as suas difíceis grandes participações, Lobi, mesmo estando em seu estado normal de ser humano, consegue manter contato com o pessoal do cemitério, falando com todos, chegando até mesmo a ver o bendito fantasma sem joelhos, mostrando que sua habilidade lupina vai além de sua transformação. Mesmo assim, ele ainda é o único personagem que sofre os intempéries do tempo, da vida e da idade, envelhecendo, trabalhando (apesar de raramente aparecer fazendo isso), ficando doente, tendo de pagar imposto e correndo o risco de receber a trágica visita de Dona Morte na sua casa.

Ver também[editar]