Lojas Americanas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
EUA Falencia.jpg God Ble$$ De$ciclopédia!!

Este artigo é gringo! Ele come Big Mac com Coca Cola no café-da-manhã e pensa que Seinfeld é a melhor série de todas.

Desnoticias logo.png PLANTÃO DESNOTÍCIAS ECONOMIA INFORMA:

As ações de Lojas Americanas apresentam ALTA de 6,94% e são negociadas neste momento a R$ 42,361.

Mais informações a qualquer momento, aqui.


Husband papers up.jpg


Cquote1.png Grandes marcas, preços baixos, todos os dias!!! Cquote2.png
Lojas Americanas sobre Lojas Americanas
Cquote1.png É uma loja fundada por americanos. Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Lojas Americanas
Cquote1.png Você não se encaixou no perfil da empresa. Cquote2.png
Gerente dando carta de alforria a um ex-escravo sobre Lojas Americanas
Cquote1.png Moooçoo qual é o preço dessa toalha? Cquote2.png
Cliente chata perguntando pro escravo associado
Cquote1.png Tem um terminal de consulta bem ali! Cquote2.png
escravo associado preguiçoso sobre cliente acima
Cquote1.png Pi pi pi pi pi... Cquote2.png
Cliente roubando a Lojas Americanas
Cquote1.png Pi pi pi pi pi é o caralho Cquote2.png
Os Djheras após ter roubado chocolates da Lojas Americanas e ninguém ter percebido

Lojas Americanas (LASA) é uma empresa brasileira (sim, nós criamos algo que preste!! Tá, talvez não preste tanto assim...) de varejo fundada em 1929 em Niterói, no Rio de Janeiro, por quatro americanos sem noção que vieram plantar seus frutos diabólicos no Brasil. A desgraça da loja já se espalhou por todo o Brasil, inclusive em Brasília. Seu modelo de negócios é bem peculiar. Todos os produtos ficam dispostos espalhados no chão, e nunca nas prateleiras. Você pode encontrar o mesmo produto em seções diferentes, fora das caixas, sem preços e geralmente usados, para facilitar a vida do cliente. Os únicos funcionários trabalham nos caixas, sem a menor ideia por que estão ali.

História[editar]

O povo falando sobre a nova loja chique.

Os quatro americanos sem noção chamados John Lee, Glen Matson, James Marshall e Batson Borger saíram dos Estados Unidos para Buenos Aires pra abrir uma loja no estilo camelô, que já fazia sucesso na 25 de Março, no Rio de Janeiro e até nos EUA. Na viagem conheceram dois favelados do Rio que convidaram os americanos pra fazer uma visitinha na favela deles (coisa simples, só pra sequestrar, pedir um resgate e drogar os caras mesmo). Os otários (estamos falando de americanos, não é?) aceitaram a proposta maliciosa dos dois. Na visita ao Rio de Janeiro, perceberam que lá era a cidade perfeita para fazer negócios. Afinal era só eles inventarem uma conversinha sobre a loja ter produtos exportados de tudo quanto é canto e dizer que era chique. Assim, ninguém ia querer ficar de fora da "coisa chique". Foram arrumando escravos para trabalharem lá e esperaram o primeiro cliente que foi só uma menininha que entrou e comprou uma bonequinha. O sucesso estava na certa. E assim a lojinha vagabunda se multiplicou igual coelho pro mundo inteiro.

Tipos de Lojas[editar]

A ligação do mal contra as forças do bem.

Modelo Tradicional[editar]

O modelo tradicional da lojinha, pequeno, quadrado e com poucos produtos.

Americanas Express[editar]

Um pouco menor do que a original, vende produtinhos que variam com cada perfil dos compradores.

Americanas Express Blockbuster[editar]

Uma parceria com a empresa Blockbuster, que serve pra entregar os produtos nas casas das pessoas preguiçosas que não tomam vergonha na cara pra pegar o carro e ir na loja comprar o que precisa. Mas, não, quer tudo na mão prontinho, né não?

Quem Faz compras nas lojas americanas[editar]