Loricifera

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Loricifera
Um pequeno cadáver de loricifera
Um pequeno cadáver de loricifera
Classificação científica
Domínio: Cara de idiota
Reino: Animal
Filo: Lucifera

Loricifera (do latim, animais de Lucifer) são um pequeno filo de animais microscópicos alienígenas, descobertos em 1983 por um astronauta chamado Reinhardt Kristensen, que descobriu esses seres habitando o subsolo do oceano da lua de Júpiter Europa.

Estudos[editar]

Por viverem em águas abissais, serem extremamente frágeis e terem tendência suicidas, já que são muito deprimidos, é quase impossível encontrar um loricifera vivo para submetê-lo a estudos. Toda vez que um biólogo mergulhador cavuca o fundo do oceano, pegando a areia do substrato oceânico para analisar em laboratório, todos os eventuais loriciferas que ali possam estar naquele punhado de terra já vão ter se suicidado. Como eles sabem que são mais irrelevantes que o mais insolente dos vermes, os loriciferas usam sua boquinha cheia de tentáculos para grudar num grão de areia, e ali permanecer pelo resto de sua vida lambendo aquele grão e se alimentando de bactérias. Quando um loricera percebe que um humano o pego, para não se sentir ainda mais humilhado, sabendo que humanos gostam de ver outros animais em coito e fazendo todo tipo de coisa vergonhosa, o loricifera imediatamente se mata virando mil pedacinhos. Analisá-los no fundo do oceano também é difícil, já que se escondem dentro de grão de areia de cocô de peixe, onde se fixam eternamente, e caso alguém tente arrancá-los dali, o loricifera se esmigalha (não dá nem pra dizer que ele "vira pó", já que até um grão de pó é maior que esse bicho).

Anatomia[editar]

Os loriciferas são pequenos animais microscópicos, quase unicelulares, que se destacam por seu formato de vaso com tentáculos, e seu vício de apssarem uma vida itneira agarrados num mesmo grão de areia. Se fossem mais conhecidos, dariam uma boa inspiração para algum hentai japonês. Por serem quase do mesmo tamanho de uma ameba, não existe qualquer espaço para sistema circulatório, respiratório, endócrino, nervoso ou digestivo nesses animais, o que explica porque loriciferas são capazes de sobreviver no espaço sideral sem problemas e assim aguentar as viagens interplanetárias que tornam possível ele existir tanto numa lua de Júpiter como na Terra.

Na prática, um loricifera era para ser considerado uma ameba, um protozoário, ou talvez uma bactéria mutante. Mas os biólogos acham que essa coisinha é um animal mesmo, optaram por essa classificação porque o Conselho Internacional de Biologia negou a criação de um novo reino de seres vivos que seria denominado de "Porritas", para classificar seres que nenhum reino aceita. Como esse táxon foi negado de existir, os loriciferas ficaram sendo um filo de animais mesmo.

Famílias[editar]

Na prática, tudo a mesma coisa pelo visto, dividiram só porque biólogo é viciado em taxonomia.