Luverdense Esporte Clube

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Luverdense Esporte Clube
Escudo do Luverdense EC.png
Brasão
Hino "Música de São João"
Nome Oficial Luva Verde do Lucas Esporte Clube
Origem link={{{3}}} Mato Grosso- Lucas do Rio Verde
Apelidos "Luver o que?"
Torcedores luverdenseenses
Torcidas Boias Frias
Fatos Inúteis
Mascote Espiga de Milho
Torcedor Ilustre Chico Bento
Estádio Paço dos Emos
Capacidade 6.500 emos
Sede Esquece
Presidente Desconhecido
Coisas do Time
Treinador o Chefe da senzala
Pior Jogador Nuvola apps core.png Pedreiro
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Boia Fria
Patrocinador Milhos São João
Time
Material Esportivo Fazenda Joinha
Liga Campeonato Brasileiro
Divisão 3° Divisão
Títulos Campeonato Matogrossense 2009 e 2012 Copa Governador do Mato Grosso 2004 e 2007
Ranking Nacional 52º
Uniformes Camisa Verde.png
Camisa Branca.jpg



Cquote1.png Aaaahhhhm LE-LEC, LEC, LEC, LEC, LEC, LEC... Cquote2.png
Funk Carioca sobre Luverdense Esporte Clube

Luverdense Esporte Clube é o nome dado a um grupo de peladeiros fundado em 24 de janeiro de 2004, com o intuito sem fins lucrativos de entreter a população de Lucas do Rio Verde que andava muito entediada. É claro que o Luverdense não resolveu o problema da falta do que fazer daqueles caipiras, mas pelo menos disputa alguns campeonatos amadores pelo Brasil sendo um engraçado motivo de chacota. Devido ao chamativo nome esdrúxulo "Luiverdense", é um daqueles típicos clubes os quais ninguém quer perder senão vira piada na hora nas mesas de debate de futebol.

História[editar]

Fundação[editar]

Fundado para representar o pântano de Lucas do Rio Verde, por um fã-clube do Leite Leco, para disputar o então recém-criado Campeonato do Pântano de 2004. Estreando na Arena Paço dos Emos, o Verdão do Norte (detalhe, Lucas do Rio Verde não fica no norte) se destacou nos torneios locais. Como o campeonato é disputado somente por caipiras, vaqueiros e traficantes, o Luverdense não teve dificuldades de ganhar algumas edições e ficar passeando pela série C do campeonato brasileiro, além de protagonizar eliminações relâmpagos na Copa do Brasil.

Série C de 2008[editar]

O fantástico time do Luverdense contratou dois massagistas e um jogador profissional, o que impulsionou o time na sua fantástica campanha na série C de 2008, superando os melhores times de várzea do Brasil como o Fast Clube, o Holanda e o Paysandu. Como recompensa, o clube ganhou da CBF o direito de disputar a série C do campeonato brasileiro por tempo indeterminado (até rebaixar para a Série D, que aí não vai conseguir subir nunca mais...).

Temporada de 2010[editar]

No estadual de 2010 não deu conta de ficar enm entre os quatro finalistas, já dando toda a má impressão do que o ano reservaria ao time. Disputou ainda a Copa do Brasil de 2010 onde conseguiu a façanha de ser eliminado pelo decadente Coritiba após duas derrotas por 1 a 0.

Na série C daquele ano não passou da fase de grupos, ficando atrás de duas porcarias que ninguém nem lembra o nome mais.

O grande ano de 2013[editar]

O Estádio Municipal Paço dos Emos, palco de partidas memoráveis do Luverdense. Alguns torcedores o apelidaram de "Estádio Cláudia Ohana", e o motivo... bom, acho que nem é preciso dizer.

Na Copa do Brasil de 2013, passou da primeira fase pela primeira vez na sua história, eliminando o fortíssimo Tupi de Juiz de Fora, Rio de Janeiro Minas Gerais. Só que o time gostou tanto de experimentar avançar em um mata-mata que fez mais duas vítimas, o Bahia (preocupado demais com o Vitória) e o Fortaleza (antigo companheiro de divisão), sempre usando o Pasto Passo das Emas como seu próprio Aflitos, onde vencia qualquer um, por mais feio que o jogo seja. Feito isso, chegou às oitavas-de-final da Copa do Brasil, onde enfrentou um pequeno clube de Itaquera, na capital paulista. O fato de receber um time grande (ah vá) em seu estádio movimentou bastante a cidade (foram necessários 20 homens, 70% da população local, para montar as arquibancadas móveis para a partida). E nem mesmo a mala preta tradição (qual?) do Corinthians foi pária para o Luverdense invencível gramado do Passo das Emas. A derrota de 1 a 0, com gol no apagar das luzes (se é que tem luz nesse estádio) foi considerada a mais vergonhosa do ano, apesar de muitos corintianos comemorarem um placar diferente de 0x0. Isso fez com que o Corinthians entrasse pressionado no jogo de volta, e com que aumentassem em 70% a propina a força ofensiva do time, liderada por Romarinho e Emerson Sheik, ambos em uma temporada fantástica onde chegaram a incrível marca de 3 gols no ano, superando o próprio recorde. Como o Timão está economizando gols para o Brasileiro de 2014, fizeram 2 a 0, a conta do chá, e avançaram as quartas-de-final, encerrando a participação do Luverdense, que voltou para o Mato Grosso cheio de dinheiro da malinha preta orgulho pela campanha no torneio.

Focando suas atenções na Série C de 2013, o Luverdense conseguiu mais uma vez superar a própria colocação na edição anterior, só que já tinha feito isso tantas vezes que esse ano perderam a chance de permanecer no lugar que tanto gostam, sendo obrigados a subir para a Série B e jogar contra clubes bem menores, como Vasco, Fluminense (correção, como em 1996 e 2000, o Fluminense morfou e não caiu), entre outros.

Temporada de 2014[editar]

Em 2014, o time de Lucas do Rio Verde mandou vários de seus na novíssima Arena Pantanal, tentando seguir a trajetória de sucesso do Náutico que fez da Arena Pernambuco sua nova casa, onde não perdeu um só jogo no Brasileirão desse ano; e sim 13, e fez uma campanha tão ruim dentro de casa que, somada a já esperada campanha de 8 pontos fora de casa, colocou o Timbu como forte candidato a superar o recorde de pior campanha da história dos pontos corridos pertencente ao América de Natal na Série A de 2007, precisando apenas perder os últimos 2 jogos por qualquer placar (embora prefiram fechar esse ano brilhante levando mais duas goleadas) para superar (superar?) o time potiguar no saldo de gols. Obviamente o estádio moderno funcionou apenas como mero campo neutro e fadou o Luverdense ao fracasso.

O Luverdense passou a se iludir que se tornaria algum time grande de Mato Grosso só por jogar de vez em quando num estádio de Copa do Mundo, mas o fato é que só não rebaixou para a Série C devido à quantidade avassaladora de times piores naquele certame.

Temporada de 2015[editar]

Já começou o ano brigando para não rebaixar no ridículo campeonato mato-grossense, campanha pífia de maneira tal que o clube foi vetado de participar da Copa do Brasil.

Na Série B apenas cumpriu tabela do início ao fim do ano, estabelecendo um estilo de jogo já bem peculiar à equipe marcada pela irregularidade, de modo que vencia um jogo difícil para dar uma empolgada na torcida da população total de 20 pessoa de Lucas do Rio Verde, para então na rodada seguinte perder ridiculamente para um time bem inexpressivo mesmo, irregularidade esta que custou uma décima colocação na Série B, e a gratidão de pelo menos não ter rebaixado. O único time grande presente, o Botafogo, não tem torcida, então nem para encher um estádio o Luverdense conseguiu ao longo do campeonato.

Temporada 2016[editar]

O ano de 2016 começou com o Luverdense dominando o estadual mato-grossense. Em meio a times falidos, times com nomes iguais e equipes desistindo no meio da competição, foi um dos campeonatos mais fáceis da história dos estaduais de alguém vencer, e mesmo assim na final o Sinop FC vendeu caro o título estadual ao Luverdense.

Para a Série B do Brasileirão de 2016, o Luverdense manteve a comissão técnica para repetir a mesma campanha do ano anterior. A diretoria sabe que se o time subir de divisão só servirá de saco de pancadas, mas também não deseja rebaixar para uma Série C onde está o Cuiabá EC, então a equipe do Luverdense passou a se dedicar a ser o time mais irregular da Série B e nunca sair do meio da tabela.

Hino[editar]

5 a 0 de derrotas mil do sul ao norte do meu Brasil
És derrotado de encantos mil do sul ao norte do meu Brasil
Teu verde representa as matas destruídas seu manto branco que dá paz ao sofredor,
Grito de série B na arquibancada (ÃO! ÃO! ÃO! ÃO! SEGUNDA DIVISÃO!) e nós estamos fudido por onde for

5 a 0 de derrotas mil do sul ao norte do meu Brasil
És derrotado de encantos mil do sul ao norte do meu Brasil
Tu que nasceste pequeno é nossa desonra ao futebol não é nossa paixão
Eu sou Luverdense e quero ver você sempre na série B! (MWAHAHAHAHA!)

Teu verde representa as matas destruídas seu manto branco que dá paz ao sofredor,
Grito de série B na arquibancada (ÃO! ÃO! ÃO! ÃO! SEGUNDA DIVISÃO!) e nós estamos fudido por onde for
5 a 0 de derrotas mil do sul ao norte do meu Brasil
És derrotado de encantos mil do sul ao norte do meu Brasil

Já faz parte da história nos dando derrota
Contagiando de derrota és o pequeno do norte
E faz parte de todos os putos.

Títulos[editar]

  • Campeonato Matogrossense de 2009 e 2012 (isso mesmo, aquelas duas estrelinhas verdes no topo do escudo)
  • Copa Governador do Mato Grosso de 2004 e 2007
  • Participações ridículas na Série C
  • R$ 1,5 milhão de mala preta pagos pelo Corinthians na Copa do Brasil
  • Terceiro colocado na Série C de 2013, garantindo acesso à Série B de 2014 (mas não vão receber mala preta do Vasco lá, já que este não tem dinheiro nem pra pagar a conta de água)