Luziânia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Luziânia é a capital do Estado do Entorno (aquelas favelas de Goiás que rodeiam e parasitam Brasília). Luziânia é aquele aglomerado caótico urbano que fica depois do Gama e depois da divisa, para onde o governo manda os piores ônibus coletar os trabalhadores do DF que dormem em Goiás.

História[editar]

Igreja do Rosário em Luziânia, onde está a famosa igreja mais metralhada de todo Centro-Oeste.

A cidade foi fundada em 1746 por alguns batedores do Império de Paracatu, na época que este reino marchava durante a Grande Expansão Territorial de Paracatu do Século XVII. Alguns infelizes tiveram a péssima ideia de querer ficar por ali procurando ouro não sei onde, e assim surgiu a cidade.

Em 1960 surge ao norte de Luziânia o Reino Flutuante de Rorizlândia. Generoso, Roubadim Roriz ajuda a modernizar Luziânia, criando oficialmente a cidade e mandando para lá metade de sua família. A outra metade é formada por pobres que votam nele no Gama para governador em troca de esmolas.

Metade da população tem sobrenome Roriz e a outra metade trabalha pra quem tem esse sobrenome. Devido a influência desse grande senhor na cidade, as modernas escolas foram pioneiras no país e passaram a dar aulas de como roubar o erário público, como ser eleito sem saber sequer escrever e agora, em homenagem à filha, a mais nova aula: como se livrar de uma cassação.

Atualmente, ninguém sabe onde termina Valparaíso de Goiás e começa Luziânia, hoje é tudo a mesma droga, um covil de pobres diabos assassinos psicopatas bandidos marginais estupradores assaltantes desprovidos de educação e perspectiva de vida.

Luziânia ainda conta com a ajuda do Jardim Ingá, para ser a cidade mais perigosa do Brasil. Olha o nome "Jardim Ingá", cidadezinha de gente sem tipo. Se entrar lá, reza pra sair.

Economia[editar]

A economia é baseada no crescimento da Goiás Verde, que só fabrica milho enlatado e ervilhas, então você já deve estar imaginando o que os "luzitanos" comem.

Industrialmente na cidade existe a Brasfrigo, que também é fabricante de milho e ervilha enlatados, dando mais uma prova de que na favela cidade os candangos favelados cidadãos comem apenas isso. Ainda tem a Minuano, com seus péssimos maravilhosos produtos de limpeza e a Bunge que exala um odor agradabilíssimo aos moradores ao redor e para quem passa na BR-040.

Mas em Luziânia, se você não tiver um sobrenome de qualquer outro politico da região, você não é nada.

Também é importante destacar a grande produção de chifres em Luziânia. Todo mês de agosto a peãozada que participa da festa agropecuária deixa a mulherada em casa pra ir montar em touros, aumentando assim a produção cornal em Luziânia.

Transporte[editar]

As ruas de Luziânia que são asfaltadas, são com o famoso asfalto Sonrisal, pois quando a chuva molha, ele se dissolve todo.

Uma parte das ruas das cidades continuam da mesma forma desde sua fundação.

Segurança[editar]

A Copia do Cristo Redentor ,uma obra superfaturada e abandonada .Deveria ser uma grande atração de Luziânia.

A segurança em Luziânia é uma coisa séria a se discutir. Lá se mata um na segunda e já deixam um de molho pra matar na terça . Como não existe polícia, a segurança por lá se chama Força Nacional, soldados que ganham quase 1 salário mínimo por dia só pra fazerem cara de mau nas ruas estreitas da cidade.

Lazer[editar]

O lazer básico do luzianiense é cortar cabeças de pessoas e jogar nos contêineres de lixo, conforme o que é visto no noticiário local.

Foi inaugurado, na onda da modinha de shoppings em Brasília, o "Luziânia Shopping", um lugarzinho safado que não tem quase nada de interessante, quase nenhuma loja fica por mais de um ano, sempre falem por que ninguém tem dinheiro para gastar lá, e sua única utilidade é tentar impressionar os brasilienses de verdade que passam correndo na BR-040 em suas viagens rumo a Guarapari.

Outras opções de lazer incluem: Ir ao maior mercado da cidade (DaTerra) só para aproveitar o ar condicionado; Ir aos clubes lutados de luzianienses desprovidos de espaço em casa paramos seu lazer; Apreciar um bom filme no melhor e mais barato cinema do Brasil (R$ 3,00); Apreciar uma boa comida no melhor e mais barato restaurante da cidade que é o Rorizão (R$ 1,00); Afundar a rua do ginásio de esportes com o seu belo carro nos finais de semana; Ir à chopperia e sentar de frente para a rua só para ficar olhando todos os carros que passam e ainda comentar a vida alheia; Nadar nas belas enchentes da cidade.

Esportes[editar]

A cidade de Luziânia conta com um poderoso time de futebol, o Associação Atlética Luziânia, que com preguiça de ir jogar contra os outros times goianos dos quais eternamente perderia, decidiu disputar o campeonato brasiliense de futebol onde pelo menos consegue de vez em quando disputar a primeira divisão local e quem sabe até ser campeão. O time é odiado por seus adversários, que tem que viajar para a puta que pariu para ir jogar contra o Luziânia.

Todavia, o esporte mais praticado nos subúrbios é pular muro, corrida a distância da polícia e pique-esconde no mato.

Curiosidades[editar]

  • Em Luziânia foi executado o último homem livre do Brasil antes da abolição da pena de morte. José Pereira da Silva foi enforcado na então vila de Santa Luzia em 30 de outubro de 1861.
  • Em Luziânia foram executados anteontem os últimos 143 homens livres do Brasil pelos traficantes locais, após a abolição da pena de morte.
  • Em Luziânia o exército matou ontem 53 traficantes livres, após a abolição da pena de morte.