Mário Soares

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Politicagem aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa com sua opinião sobre o Karl Marx, o Burle Marx ou o Carlos Marques. Seja engraçado e não apenas idiota.
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Se vəndalizarish, um bäenfiquista vai atrás də tua mãe

ReaperlogoDare.gif
Mário Soares já morreu!

Mas pode voltar como zumbi...

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno

Mário Bulldog Soares
Mario-soares.jpg
Típica aparição de Soares nos Media
Nascimento 7 de Dezembro de 1924
Lisboa, Bandeira de Portugal Portugal
Morte 7 de Janeiro de 2017
Lisboa, Bandeira de Portugal Portugal
Ocupação Ladrão-mor, Bandido do Estado Novo, Político, ódio de estimação dos Salazaretos e dos comunas, e amigo do Sócrates
Soares curtindo a sua reforma milionária.

Cquote1.png Você quis dizer: Bochechas Cquote2.png
Google sobre Mário Soares
Cquote1.png Soares é fixe! Cquote2.png
Mário Soares sobre ele próprio
Cquote1.png Vou mandá-lo para França. Que mal pode fazer? Cquote2.png
Marcello Caetano, noob sobre Mário Soares
Cquote1.png Rua daí! Tudo recambiado para Portugal! Cquote2.png
Mário Soares sobre portugueses em África
Cquote1.png Ladrão! Gatuno! Só roubou o país! Cquote2.png
Português sobre Mário Soares
Cquote1.png Comuna de merda! Cquote2.png
Salazareto sobre Mário Soares
Cquote1.png LOL Cquote2.png
Álvaro Cunhal sobre citação acima
Cquote1.png Esse filho da puta matou a revolução comunista e vendeu Portugal à CIA e à União Europeia! Cquote2.png
Comunista sobre Mário Soares
Cquote1.png Por mim, ainda estavas dentro da prisão. Cquote2.png
Aníbal Cavaco Silva sobre Mário Soares
Cquote1.png Se não fosse o Mário Soares, Portugal tinha sido agregado à União Soviética. Cquote2.png
Partido Socialista sobre o seu fundador
Cquote1.png Tudo o que aprendi foi ele quem me ensinou. Cquote2.png
José Sócrates sobre Mário Soares


Mário Bulldog Soares (também conhecido como "Bochechas", ou "Bochechinhas" para os amigos) foi um advogado, ex-presidiário da PIDE e político português, que fundou o Partido Socialista português em 19 de Abril de 1973. Depois da Revolução dos Cravos de 25 de Abril de 1974 (também conhecida como "A Revolta dos Pastéis de Nata"), desembarcou em Lisboa, vindo de Paris, e foi recebido por milhares de portugueses alérgicos ao Salazarismo, que viram nele o "Salvador da Pátria", versão PREC (Pura Reacção Enquanto Comunista).

Inícios na Bandidagem Clandestinidade[editar]

Bochechas numas férias patrocinadas pela PIDE.

Nascido num bairro qualquer de Lisboa, filho do republicano João Lopes Soares e de uma divorciada, Bochechas foi, desde cedo na sua vida, manobrado pelas forças republicanas, pelo que não foi de estranhar que mais tarde viesse a ser preso 12 vezes pela PIDE, uma simpatica organização do Estado Novo que mandava os opositores ao regime e os políticos do contra para o campo de férias do Tarrafal ou para Peniche, onde podiam tomar banhos de sol directamente a partir da torre. Mas Soares teve mais sorte e foi exilado de férias para São Tomé e Príncipe, onde se tornou aliado dos negões comuno-guerrilheiros que lutavam pela independência do seu país, o que o fez ser contra a Guerra Colonial e, mais tarde, viria a ter grande impacto no modo como lidou com o processo de descolonização em África, ou seja, no dito cujo popular "às três pancadas". Licenciou-se em Direito, em 1957, e numa parvoíce de Ciências Histórico-Filosóficas (em 1951) e, na sua vida paralela enquanto advogado do Diabo, defendeu o comuna Álvaro Cunhal e a família do assassinado Humberto Delgado.

Ó, Maria, porque não tens umas melâncias como aquelas?

De uma das vezes que esteve na prisão casou-se, em 1949, com Maria Tutankhamon Barroso, de quem teve uma filha e um filho, o João Soares, mais conhecido como o Badochinha Júnior, um político que desde cedo roubou o dinheiro do estado e cagou para o bem-estar da população e primou pela justiça e igualdade, limpando as merdas que o pai fez no passado tornando-se assim um bom socialista. Em 1970, Marcello Caetano permitiu-lhe que fosse para França comer croissants na Champs-Élysées, onde fez aliança com Álvaro Cunhal, aproveitou para visitar a Rússia para receber dinheiro comuna e também encheu os seus cofres à custa do Kadafi. Mas isso não foi suficiente para o Bochechas, que tentou negociar a legalização do seu agrupamento político o pseudoditador substituto de Salazar, o que não passou de uma traição à oposição à ditadura, na altura em que aquela mais se empenhava na luta contra o fascismo português.

Depois da Revolta dos Pastéis de Nata[editar]

Depois do 25 de Abril, o Bochechas assumiu-se como o "homem dos americanos" e da CIA em Portugal e da própria Internacional Socialista, e foram esses mesmos americanos que financiaram e executaram o golpe contra Salvador Allende no Chile e botaram o filho da puta Pinochet no poder, pelo que os "amigos do Soares" já demonstravam as suas verdadeiras cores, que eram as que o "socialista" Bochechas dizia ser contra, apesar de nunca ter deixado de negociar e aceitar dinheiro dos fachos. Tal como Salazar, contra quem dizia se erguer, combateu o Comunismo e os comunistas portugueses como ninguém durante o 25 de Abril, passando a perna ao seu "amigo" Álvaro Cunhal, fazendo tudo para impedir que o Partido Comunista Português ou o Povo conseguissem formar um governo revolucionário. Durante a Revolta dos Pastéis de Nata, andou nas ruas a gritar Partido Socialista, Partido Marxista, mas mal se apanhou no poder meteu o Socialismo na gaveta e nunca mais o tirou de lá. Populista, passeou-se pelo mundo à custa de dinheiros públicos, mais do que qualquer outro político anterior, e tanto convivia com os portugueses que estes quase o podiam ver a roubar-lhes o dinheiro da carteira.

Os seus governos ficaram conhecidos por afundar Portugal em corrupção, encher bolsos a empresários seus amigos e essa inovação da "austeridade soarista" que foram os salários em atraso, tudo isso enquanto manipulou a opinião pública e os media a chamá-lo de "pai da Democracia".

Bochechas depois da Revolução dos Cravos, pronto para tomar os louros da luta do povo português.

Várias foram as contribuições de merda do Bochechas para Portugal:

A Cagada da Descolonização[editar]

Soares combatendo o Rascismo.

Com o fim da ditadura, entre as várias bostas, uma que tinha de ser resolvida era a cagada da Guerra Colonial iniciada por Salazar em 1961. Com o fim dessa parvoíce, havia a questão da independência exigida pelos vários países, mas António de Spínola e Álvaro Cunhal eram contra a independência da Guiné, Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe, mas Soares levou a sua avante e deu um pontapé na bunda dos gajos que eram contra o processo imediato de descolonização. As colónias africanas já estavam mais do que fartas dos portugueses que viviam e exploravam o seu território, pelo que os queriam de regresso ao Portugal aonde pertenciam, pelo que foram recambiados para o país de origem.

Soares estava cagando e andando para os "retornados" que regressavam as antigas colónias, e até sugeriu aos novos governantes desses territórios para jogar os brancos aos tubarões. Entretanto, com Portugal fora de cena, inicia-se uma nova guerra em Angola que iria durar até 2002, com guerrilhas patrocinadas pelos Bastardos Unidos e pela União Soviética.

Entrada de Portugal na Bancarrota Europeia[editar]

Com o ouro amealhado por Salazar derretido com a Guerra Colonial e com a perca dos mercadores coloniais, Portugal estava mais na merda do que antes, pelo que Soares, enquanto primeiro-ministro achou que se devia ir mamar dinheiro ao estrangeiro, pedindo a entrada de Portugal na União Europeia em 1977, que só se concretizada em 1986 porque o país nem preenchia os requisitos mínimos de adesão à bancarrota europeia para a Alemanha ir sugar o dinheiro dos portugueses através dos impostos. A 12 de junho de 1985, Soares assina a declaração da morte da soberania nacional, com a adesão à UE.

Contributo de Mário Soares para a democracia portuguesa.

Morte[editar]

Depois de uma vida dupla de "pseudorevolucionário socialista paga pau" e "ladrão-mor", a viver à custa do dinheiro do povo português, a quem roubou a revolução e à custa de quem encheu os seus cofres, o Bochechas foi internado em Dezembro de 2016 onde esteve em coma, ligado às máquinas até 7 de Janeiro de 2017, dia em que se foi juntar ao Diabo ao céu ateu.

Mas nem com a sua hospitalização ou morte, o Bochechas deixou de chupar o dinheiro dos portugueses, pois seguiram-se as milionárias celebrações fúnebres, transmitidas por todos os canais de televisão portuguesas, e três dias de luto nacional, homenagens e mais homenagens... só faltou a derradeira agraciamento à sua memória: mandar todos os cidadãos de Portugal pagar 10% do seu ordenado à Fundação Mário Soares.

Afiliados[editar]


Precedido por
José Pinheiro de Azevedo
Primeiro-Ministro de Portugal e Algarves
1976 - 1978
Sucedido por
Alfredo Nobre da Costa
Precedido por
Francisco Pinto Balsemão
Primeiro-Ministro de Portugal e Algarves
1983 - 1985
Sucedido por
Aníbal Cavaco Silva
Precedido por
António Ramalho Eanes
Presidente da República de Portugal e Algarves
1986 - 1996
Sucedido por
Jorge Sampaio