Mãe solteira

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Verdade. Este artigo contém... VERDADES!
(pelo menos foi o que a Veja disse)

Material verídico: Use com moderação.

Verdade.
Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!

Se você não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.

E se se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!

Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: O que aconteceu com as minas do quadradinho de 8? Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Mãe solteira
Cquote1.svg Requerente da Ação de Alimentos combinada com Investigação de Paternidade... Cquote2.svg
Advogado sobre mãe solteira.
Cquote1.svg De nada, viu? Deu trabalho esse! Cquote2.svg
Tradutor de juridiquês sobre citação acima.
Cquote1.svg O mano pede, a mina dá e depois vai no Ratinho pedir DNA... Cquote2.svg
Marquito sobre mãe solteira.
Cquote1.svg Mãe solteira uma ova! Mãe solo! Cquote2.svg
Feminista sobre Mãe solteira.
Cquote1.svg Na União Soviética, trocamos meia dúzia por 6 do mesmo jeito... Cquote2.svg
Reversal Russa sobre citação acima.

Mãe solteira ou mãe solo, ambos abreviados como msol (principalmente por channers) para evitar discussões estapafúrdias relacionadas a estado civil, biomas ou agricultura, é uma entidade social de natureza extremamente cuzona, por vezes considerada uma profissão (principalmente por incels) muito comum na população feminina: cerca 11,24 milhões de faveladas atualmente seguem essa profissão com um salário patético de, no máximo, 666 reais, sem direito a férias ou 13º. A maioria sequer tem a carteira de trabalho assinada porque geralmente seus patrões são seus filhos e eles não sabem escrever. Quando eles sabem, são as mães quem não sabem escrever, pois abandonaram a escola no Ensino Fundamental graças ao funk pra cuidar dos "patrões".

De forma análoga, existe também o pai solteiro, cuja abreviatura é psol (sim, PSOL). Sua existência é altamente criticada em todos os meios que se dedicam a falar mal de msol, principalmente fóruns de jogadores de League of Legends e outros desocupados virjões, porque mano, é o PSOL ninguém nunca viu um pai solteiro largar a escola, o trabalho, o vício em cocaína ou a carreira de cantor de reagge pra cuidar dos filhos, normalmente eles largam os filhos, mesmo. Outro motivo é que, por serem mais vagabundos que a mãe, não costumam sair de casa, nem a da própria mãe, então não são vistos em público, exceto quando resolvem trabalhar, normalmente como youtuber mochileiro.

O bom é que dá pra terceirizar o trabalho, deixando o filho para ser criado pelos avós ou os sogros, a menos que a mãe da msol também seja msol.

Processo[editar]

Uma mulher pode se tornar mãe solo por diversos fatores, que podem ser divididos em "primeiro mãe, depois solteira" e "primeiro solteira, depois mãe". Apesar de ser possível, eu não muito a fim de dividir agora, talvez mais tarde. De qualquer forma, os processos, sejam eles acidentais ou não, consistem em ter um filho em troca de uma pensão alimentícia paga pelo pai (ou pais, dependendo do nível de putice).

Processo Dragon Ball: o pai morre, ressuscita e morre de novo. O processo é repetido 44 vezes, ou até você esquecer que ela é mãe solteira.
  • Processo clássico - Engravidou de um cara de tornozeleira no banheiro da balada ou outro muquifo e às vezes nem o primeiro nome sabe, mas fica falando aos quatro ventos: Cquote1.svg Pra toda mãe solteira, tem um pai solteiro! Cquote2.svg.
  • Processo boomer - Essa talvez seja ainda mais clássica: a icônica separada. Do mesmo que jeito que moleques criados a leite com pera xingam mães solo de boba, chata, feia e cara de mamão em grupos de libertarianismo no facebook, seus avôs faziam o mesmo no boteco e na barbearia. Ironicamente, muitas das mães deles são separadas, logo, pra não tomarem um especial de porrada, as mães solteiras deles geralmente não são consideradas... mães solteiras.
  • Processo satanista - Não consiste em sacrificar a criança e/ou o pai, ou fazer uma orgia com os possíveis pais da criança vai que surge outra ou ensinar os conceitos de Anton LaVey a ela. Nesse processo, a mãe até que conhece o pai, podendo ter alguma amizade e/ou dar umazinha, mas não quer namorar/casar com ele só pra encher o saco dos crentelhos. Não há exemplo melhor desse tipo de msol que a Xuxa.
  • Processo cancerígeno - O pai foi comprar cigarro e nunca mais voltou. Muitas mulheres abandonadas dessa forma decidiram batizar seus filhos como Enzos e Valentinas, por algum motivo medonho, e graças aos níveis alarmantes de vício em tabaco, o número de crianças com esses nomes cresceu desmesuradamente, inconcebivelmente, estonteantemente sem controle, forçando o Porta dos Fundos do futuro a viajar no tempo pra impedir que essa caralha acontecesse, pois ocorreu o absurdo de ter 3 Valentinas e SETE Enzos em uma mesma sala de aula na Escolinha Acarajé Feliz e isso levou à terrível destruição do nosso planeta em 2077!
  • Processo jenial - Sim, com J, mesmo: o pai martelou o martelão sem camisinha na namorada porque os dois são umas amebas, eles terminaram e ela descobriu estar grávida. Raramente o pai reata, ele pode ser burro, mas nem tanto. Já diziam o Velho Deitado e o filósofo Píton: Cquote1.svg Ser mãe solteira antes de casar ou casar porque engravidou é como começar a construir uma casa pelo telhado. Cquote2.svg Se bem que, imbecis como são, é capaz de começarem a casa pelos móveis...
  • Processo Maguila - O pai faliceu.

Recepção[editar]

Se mãe solteira é uma profissão, estas são as estagiárias.

Como bem observado por Nessahan Alita, no inconsciente da mulher, só cafajeste ou bandido possuem bons genes e são dignos de transar com elas, enquanto você zé ruela é um segunda linha, se pá terceira, que só serve pra burro de carga ou virar a putinha de um negão em algum pornô doentio pra mulher assistir enquanto engasga no pau de outro cara. Isso tem mais a ver com friendzone que com qualquer outra coisa, mas consegue explicar porque tantas mães solteiras existem: bandido não presta pra ser pai, então larga a mulher assim que faz seu "depósito". Já viu o filho do Fernandinho Beira-Mar? Não? Exatamente. Já viu os filhos do Jair Bolsonaro? Exatamente.

Acontece que a terceira linha é desnutrida ou hipertensa demais pra servir de burro de carga ou feia e fedorenta demais pra se tornar um mariquinhas do cuzinho frouxo razoável. Como resultado, eles ficam 200% pistola quando um macho de segunda linha resolve se iludir assumir as filhinhas que não são deles pra conseguir comer alguma carne, mesmo que seja de segunda. Segundo eles, isso é um ato imperdoável de escravocetice e o capitão salva putas não passa de um otário de pau mole com ego inflado.

Algumas tiveram a sorte (vulgo: malandragem) de achar um otário playboy pra ganhar casa, comida, roupa lavada e dinheiro para ela e o filho (ou não) curtirem um passeio numa lancha ou num restaurante no 51º andar de um prédio (é, definitivamente não) e nunca precisar trabalhar, uma vida muito melhor que a das solteiras fracassadas que precisam estudar e trabalhar para pagar suas contas.

Riscos[editar]

O maior risco da profissão realmente é não saber nunca quem é o pai, principalmente se o trabalho acontecer no carnaval da Bahia ou em alguma festinha particular no motel, pois pode ser que ele seja um psicopata ou deficiente e passar isso para as crias, resultando em filhos deformados, aleijados ou assassinos em série. Outro risco é engravidar de um pobretão que não vai conseguir pagar mais que 100 reais de pensão.

Os riscos aumentam se a futura mamãe for adolescente, em quantidade e qualidade, pois os pais podem dar uma sova bem dada na filha e ela morrer, ou ela não aguentar o parto porque dói pra caralho ou tirou onda com a cara de cachorro castigado do ginecologista e ele sabotou o parto pra guria deixar de ser pentelha (e ela morrer).

Ver também[editar]