Macaco Tião

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png UuuuAAAA uuuuaaaaaaAA uuuuuuuhhhhAAA !!!! Cquote2.png
Uma grande frase filósofica desse grande pensador brasileiro

Macaco Tião (Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 1963) é um chimpanzé político e professor universitário de dupla nacionalidade banano-brasileiro. Ex-presidente da República das Bananas e atualmente candidato a Reitor da UNIRIO.

Macaco Tião
Macacoreitor.jpg
5.º Presidente de República das Bananas
No cargo
23 de Abril de 2000 a.C.
22 de Maio de 2004 d.C.
Vice-presidente Bozo
Antecessor Donkey Kong
Sucessor George W. Bush
Pessoal
Nascimento 16 de Janeiro de 1963
Rio de Janeiro, Brasil
Profissão Professor universitário
Partido PICA


Início da carreira política[editar]

Macaco Tião fazendo boca de urna.

Aos 15 anos, no alto de sua maturidade intelectual, começa a se interessar por política e se filia ao PMdoB (Partido Macaquista do Brasil) e começa pouco a pouco a dominar o cenário político do Zoológico do Rio de Janeiro, primeiro dominando o CAM (Centro Animal de Macacologia) e logo depois o DCA (Diretório Central dos Animais). Nosso candidato conseguia facilmente apoio político através de confraternizações com muitos aperitivos (como cerveja e tequila), onde constantemente haviam orgias animais.

Passado alguns anos, Tião se filia ideologicamente ao PICA (Partido da Irmandade Comum Animal), com a ideologia de entrar para o partido mais votado, e depois do ótimo desempenho nas eleições municipais no Rio de Janeiro de 1988, onde ficou em terceiro colocado com 9,5% dos votos, iniciou-se uma verdadeira conspiração para que Tião não se consagra-se como político influente que estava se tornando rapidamente.

Atentado terrorista e tempos de exílio[editar]

Em 23 de Dezembro de 1996, Tião sofreu um atentado por intoxicação alimentar. Colocaram cobre (Cu) na banana do nosso candidato. Mas a grande quantidade de fosfato de ouro (PAu) do célebre macaco o fez sobreviver ao atentado, mas diante do medo de novamente sofrer com a violência de seus opositores, resolveu se exilar em Banana Island, na cidade de Daly City, Estado da Califórnia, EUA.

Lá, como bom autodidata que é, estudou muito sobre a "Teoria dos Gatos Amanteigados" ou "Teoria do Gato Flutuante", sobre a "Lei de Murphy", e desenvolveu estudos em "Macacologia aplicada à Ciência Política".

Foi um tempo muito proveitoso, onde ele conviveu com outros célebres símios, como Donkey Kong, King Kong, José Simão, Severino Cavalcante, César Maia e foi onde ele conheceu o Sagui, que se tornou também professor na UNIRIO e hoje é parceiro incondicional de Tião.

O retorno à vida pública[editar]

Em 2005 ele retorna como professor de Anatomia da Escola de Medicina e Cirurgia da UNIRIO, passando com nota máxima na nota prática, porém nunca ministrou nenhuma aula, mas começa a almejar sua reascensão política.

Em 2008 ele se candidata a Reitor da UNIRIO, com apoio de grande parte da comunidade acadêmica, que já cansada das macacadas e palhaçadas amadoras dos demais candidatos a Reitoria, vê no Macaco Tião a chance de reestabelecer a democracia dentro dessa respeitosa instituição.

Ver também[editar]