Deslivros:Manual de Conversão ao Judaísmo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Deslivros4.png
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.

Este deslivro é parte do acervo de desmanuais Nuclear-explosion.jpg

Você é grande amante da cozinha ashkenazi? Deseja aumentar as suas chances de ser aceito para aquele papel tão divertido em um filme americano? A família da sua namorada não permite que ela se aproxime de um membro não circuncisado? Passou anos tentando escapar da União Soviética e nunca conseguiu um visto para Israel? Nesse caso, o melhor que você pode fazer é raptar a sua namorada, levá-la consigo para os Estados Unidos, começar um curso de teatro e tentar reservar uma mesa em algum restaurante no Brooklin. Mas, se você for um homem feito e correto, e quiser fazer as coisas de uma maneira mais eficiente, terá que se converter ao judaísmo. Normalmente, a conversão custaria longos e árduos anos de estudo, e você precisaria de uma sincera aproximação espiritual ao povo de Abraão e sua religião. Creia: é um caminho custoso e doloroso. O objetivo deste Manual é acompanhá-lo durante este caminho, e fazê-lo muito mais curto e muito mais doloroso. Com o presente manual e um bisturi em poucas horas você poderá converter-se em um judeu exemplar.

Instrumentos[editar]

Antes de levar a cabo a conversão é necessário que se muna dos seguintes apetrechos:

Recomenda-se vivamente afiá-la antes do uso(não nos responsabilizamos por atos idiotas que você certamente vai fazer como o lesado que você é).
  • Um bisturi: na falta de um, providencie uma faca de cozinha, um canivete ou qualquer outro objeto sucida cortante. Há de se ter em mente que o objeto cortante escolhido é o único objeto indispensável da presente lista. Pode ser prudente também mantê-lo em seu poder por mais tempo, como instrumento de defesa contra ataques anti-ssemitas. Pode-se pensar que uma Uzi seria muito mais útil nesta última situação, mas tenha cuidado de não misturá-los: as submetralhadoras podem não ser os instrumentos de maior precisão na hora de realizar uma incisão na parte superior de seu órgão sexual.
  • Uma garrafa de vinho: tome um pouco antes da operação para mitigar a dor. O vinho deve ser kosher, e você poderá usar o que sobrar para posteriores procedimentos ritualísticos. É importante que sobre algo na garrafa porque você não deve embebedar-se, pois poderá cortar-se mais do que o necessário. Pede-se não confundir este manual com o Manual para Converter-se em Eunuco.
  • Um bom casaco: segundo a lei judaica, o filho de uma mãe judia é automaticamente judeu, incondicionalmente. Assim, você deverá treinar a sua mãe para que ela se comporte como uma autêntica Ydishe Mame. Deve explicar-lhe que ela tem que se preocupar se você está bem alimentado e que ela tem que oferecer-lhe sempre um casaco, mesmo que você tenha mais de 100 kg de sobrepeso e mesmo que à sombra esteja fazendo 40 graus.
  • Dinheiro: muito dinheiro. Acumule-o, ame-o, adore-o e reproduza-o como que por mágica. Se necessário for, venda a sua pátria para consegui-lo. Já que os goyim vão discriminá-lo de qualquer forma, tendo você dinheiro ou não, então é melhor que você o tenha. Afinal, já que você tem que ser um judeu, pelo menos seja um judeu rico. Posto isto, comece a se dedicar à usura e nunca se esqueça de acrescentar, além da cobrança dos olhos, a cobrança da pele, da carne e de tudo mais nas cláusulas de contratos. Igualmente recomendável é não se esquecer de enviar os honorários ao redator e aos eventuais tradutores deste manual.
  • Uns Bonecos de Voodoo: coloque eles a sua volta junto com as velas e fique meditando por um tempo.

Coisas que você não precisará[editar]

Uniforme tradicional dos rabinos.

Graças ao presente manual você pode dispensar algumas coisas habituais.

  • Um Rabino: Caso algum pergunte a você quem realizou os ofícios da cerimônia de conversão responda sempre que foi algum outro rabino de corrente oposta. Como nunca se falam, jamais vão se inteirar da irregularidade. Alguns sugerem que a conversão através deste manual não é de fato a mais estritamente ortodoxa, e que vários rabinos não a reconheceriam, então é melhor nem convidar esses mal nascidos. E se você não se atreve a tentar pronunciar você mesmo as complicadas rezas em hebraico ou mesmo tentar falsificá-las com ruídos quaisquer, ainda assim você pode tentar obter uma gravação e ocultar um pequeno aparelho de áudio sob a sua barba ou sobre seu kipá.
  • Um mohel: Você não precisa de um homem temente a Deus para realizar a sua conversão. Tampouco um cirurgião ou um anestesista. Corte-se você mesmo. Nada provará melhor seu verdadeiro compromisso com o judaísmo. Nem seu avançado estado de desequilíbrio mental.
  • Dez judeus homens com mais de treze anos: Supostamente este é o número mínimo de assistentes para que uma cerimônia judaica tenha validade. Logo, quando não é possível reunir esse numerário mínimo por motivos de força maior, a cerimônia não é válida. Assistir a um maníaco mutilar o próprio pênis costuma ser o motivo de força maior para a recusa a convites dessa natureza.

Preparação[editar]

Foto desinibida de um antigo candidato a Messias.

É importante que se entenda que, diferentemente de outras religiões que mantêm crenças absurdas, como de que um homem pode caminhar sobre a água, converter água em vinho e multiplicar a comida, o judaísmo somente aceita coisas perfeitamente sensatas, como que as mulheres podem se converter em estátuas de sal e que em um país desértico possa chover rãs. As crenças e as leis judaicas nascem naturalmente do senso comum, e portanto são muito mais fáceis de se apreender. Abaixo, oferecemos um simples questionário que irá ajudá-lo a interiorizar rapidamente os conceitos básicos do judaísmo.

  1. P: O Velho Testamento?
    R: Bom.
  2. P: O Novo testamento?
    R: Mau.
  3. P: Moisés?
    R: Bom.
  4. P: Jesus?
    R: Mmmmm... não, não me recordo... Em que banda mesmo ele toca?
  5. P: Posso comer presunto?
    R: Sim, desde que ninguém veja.
  6. P: Posso trabalhar ou fazer outras atividades no shabat?
    R: Não, mas faça o que quiser do mesmo jeito. Se perguntarem, diga que era questão de vida ou morte.
  7. P: Posso fumar maconha?
    R: Sim, menos no shabat, a menos que seja um caso de vida ou morte (em caso de dúvidas, volta à pergunta anterior).
  8. P: Realmente tenho que cumprir todas essas leis e costumes tediosos?
    R: Não, é impossível cumpri-las todas. Arrependa-se no Dia do Perdão e prometa comportar-se no ano seguinte. Começe a embebedar-se nas festas e a cumprir as suas obrigações maritais para com a sua esposa.
  9. P: Posso ser casado com várias mulheres ao mesmo tempo?
    R: Não, imbecil, seria assim se você se convertesse em mórmon. Em compensação, você pode trocar de esposa quando ela se tornar velha e feia.
  10. P: É correto ter preconceito contra não-judeus?
    R: Sim, contanto que você alegue estar "defendendo a identidade histórica e cultural do povo judeu", evitando assim custosos problemas jurídicos. Caso um goy faça o mesmo com você, denuncie esse porco anti-semita às autoridades.
  11. P: Posso manter relações sexuais com não-judeus?
    R: Sim, desde que ninguém na comunidade fique sabendo, e consequentemente, arruine as suas chances de obter um lindo casamento arranjado.
  12. P: Posso manter relações sexuais com pessoas de mesmo sexo que o meu?
    R: Não, mas considere que se você se embebedou em honra a alguma festa judaica, então a culpa não pode ser sua. Ademais, assim você poderá cumprir com aquela história de não cobiçar a mulher do próximo.
  13. P: O que mais devo saber acerca do judaísmo?
    R: Tirando os 33 livros da Tanaj, os 63 tomos do Talmud, os tratados de Maimônides e a produção artística e filosófica dos eruditos dos últimos mil anos, nada. Logo, você já está pronto. Passe à seção seguinte.

Conversão[editar]

  • Pegue o martelo.
  • Bata com força no seu nariz para que quebre em três.
  • Grite.

Brincadeira.

  • Arranca, logo a pele desse seu pênis!

Parabéns: agora você é um judeu.

Primeiros passos como judeu[editar]

Mas este sim, talvez seja o Messias.
  1. Tão logo consiga se acalmar um pouco de seu suplício e agonia, deverá tomar a sua primeira decisão como homem judeu: o que fazer com o prepúcio. Mesmo que a princípio possa parecer divertido, não é recomendável que você use-o para fazer artesanato ou algo neste sentido. Se você tiver a boa sorte de não morrer por causa de uma infecção, ainda assim considere que esta pode não ser uma boa lembrança. Melhor jogá-lo fora.
  2. Afilie-se a alguma corrente judaica, comunidade ou sinagoga. Cultive um delicado desprezo por todas as outras. Se isto não o fizer sentir-se superior, tente odiar-se a si mesmo.
  3. Faça sexo com mulheres não-judias frequentemente. Mas seja discreto e mantenha as aparências, honrando assim uma dos maiores instituições judaicas: o casamento arranjado.
  4. Sobreviva a um ataque, pogrom ou genocídio.
  5. Postule a relatividade, invente a psicanálise ou escreva o Manifesto Comunista. Caso algum outro judeu já tenha se adiantado, busque outra atividade, mas destaque-se nos negócios, nas artes ou nas ciências. E, na medida do possível, obtenha um prêmio Nobel.
  6. Escreva um artigo desenciclopédico no qual você aluda sutilmente a queixas por preconceitos e perseguições que seu povo tenha sofrido, ou então que exalte as grandes personalidades e contribuições dadas à humanidade. Ignore o sofrimento dos outros povos e esqueça-se do sofrimento do seu próprio.

Conversão de mulheres[editar]

Mulher, não imagine que poderíamos esquecê-la. Neste manual reservamos o honroso lugar que o judaísmo tradicional sempre guardou para você: no fundo, onde não incomode. Seus órgão reprodutores poderão continuar intactos tão logo se tome um simples banho, mas a compensaremos com uma vida de desprezo e insignificância. Não imagine que contarão com você para qualquer ritual, muito menos almeje obter qualquer cargo religioso de alguma importância. Melhor, esqueça-se dos textos sagrados e substitua-os por cadernos de culinária. E uma vez que já se esqueceu das escrituras, faça-nos o favor de se liberar das leis de recato e vestir-se adequadamente. E se quiser fazer sexo com não-judeus, fique à vontade, mas seja discreta. Lembre-se que o casamento arranjado é um compromisso sagrado perante a comunidade, onde as aparências devem ser mantidas acima de tudo.