Mar de Aral

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Amu Daria (ou o Syr Daria) desaguando no Mar de Aral.

Cquote1.png Demos um jeito de secar tudo Cquote2.png
Borat sobre Mar de Aral
Cquote1.png Que catástrofe ambiental lastimável... Mas peraí, se isso desaparecer, o mundo continuará a mesma coisa! Cquote2.png
Ambientalista sobre desaparecimento do Mar de Aral
Cquote1.png Quando é que esse negócio vai secar completamente? Cquote2.png
Cazaquistanês sobre Mar de Aral
Cquote1.png Não faço a menor ideia, mas provavelmente daqui a pouco Cquote2.png
Uzbequistanês sobre citação acima
Cquote1.png Mar de Aral no ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Mar de Aral

O Mar de Aral é era um lago localizado na Ásia Central, entre vários países desconhecidos que ninguém conhece e com o nome terminado em "istão". Mas recentemente, a população local deu um jeito de poluir o lago inteiro e fazê-lo secar. Toda a água do lago foi desviada para as cidades uzbeques cazaques por um canal construído pelo presidente local, Borat Sagdyiev.


[editar] Características

Há muito tempo, quando a sua mãe era virgem, segundo livros de geografia, o Mar de Aral era um dos maiores lagos do mundo, perdendo apenas para o Mar Mediterrâneo. Nem mesmo os próprios autores do livro sabem como isso aconteceu, já que agora ele está completamente seco. E se ainda não está sem água não me pergunte a razão, milagres acontecem.

O Mar de Aral é, ou melhor, era abastecido por 2 valões rios: Amu Daria e Syr Daria. Ambos nascem no fim do mundo, percorrem o nada, passam pelo Acre e desembocam no tal mar. O lago bate recordes de poluição, e consegue ser mais sujo do que uma praia depois da visita de farofeiros. Tamanha a sujeira é explicada porque a União Soviética Rússia usa o lago como depósito de lixo.

[editar] Problemas ambientais e Desaparecimento

Navio fantasma vagando pelo que restou do lago.

Em 1900 e guaraná com rolha, Joseph Stalin, junto com o presidente cazaquistanês Borat, planejou um canal imenso para desviar água do Mar de Aral para as cidades do Cazaquistão e do Uzbequistão. A obra, do tamanho do Canal de Suez, além de levar água para o alguns vilarejos abandonados, também retira grande parte da água desse mar, que por isso está secando. No ano que vem o negócio já não deve existir.

Em 1900 e guaraná com rolha, o Mar de Aral ocupava o sul do Cazaquistão, o norte do Uzbequistão, parte do Cagaquistão e a Caverna do Bin Laden. Em 1980, fora dividido em dois: O Minúsculo Pequeno Aral, uma poça perdida no deserto, e o "Grande" Aral, uma poça menos menor. Em 2000, o negócio já desapareceu por completo. É apenas possível ver água por lá quando acontece alguma enchente parecida com as que inundam São Paulo.

Pressionado por ambientalistas filhinhos de papai extremamente chatos, os governantes do Uzbequistão, do Turcomenistão e de outros países terminados com istão assinaram um acordo para ressuscitar (?) o lago. Obviamente nenhum deles fará porra nenhuma para solucionar o problema.

[editar] Ver também

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas