Mari Gonzalez

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nova Bandeira da Bahia-Desciclopédia.PNG Colé moral, essi negoçaqui é da terra do dendê. O tio qui feiz issáqui é cuncerteza baiano, intõ, sinhá disgraça de lá do sul da minha caceta, num méxi nas porra daqui nã, vu? Ô vô rumaladsgraça e inda chamo a barrêra pá ti pancá, seu comédia.
Mariana de Canio Gonzalez
Mari Gonzalez gravando pro panico.jpg
Você nem imagina aonde ela enfia esse negócio aí
Nascimento 16 de fevereiro de 1994
Bandeira do Brasil Brasil - Bahia
Ocupação modelo da Band

Mari Gonzalez é uma prostituta e modelo brasileira que ficou mundialmente conhecida como mais umas daquelas dançarinas gostosas, que os homens adoram fazer homenagens no Pânico na Band. Ganhou a alcunha de Baianinha, pois ninguém se lembra de um nome tão esquisito como o dela esse é o apelido carinhoso que ela mais gosta. Tem uma rixa com a Renata Molinaro por ela ser do Rio de Janeiro mais desejada (leia-se gostosa) do que ela. Foi uma das poucas panicats na Band que não só rebolava a bunda no palco, também teve a chance de rebolá-la nas ruas, e com um microfone de graça.

Origens[editar]

Mari Gonzalez nasceu numa cidadela qualquer da Bahia. Sua família é analfabeta e pobre demais para pagar colégio, e pra ganhar dinheiro, as filhas se tornaram putas pagas aos 13 anos de idade, e com Mari não seria exceção. Mas diferente das irmãs, que atuavam em meros cabarés, Mari era realmente gostosa, já que suas irmãs são tudo barangas. Com isso, ela viu oportunidade como carreira de modelo, assim podia ficar RICAAAAA! pagar as contas de casa. 3 anos depois, largou a carreira de puta paga virou prostituta mirim, aceitando ser capa de revista de diversas marcas famosas preferidas entre os homens. Isso deu fama a ela, o causou uma reviravolta em toda a sua juventude. Mari começou a ser paparicada até demais, quando resolveu seguir como capa de revista só no Brasil mesmo.

Foi assim que Mari conseguiu completar o primário.

Começo de carreira[editar]

Querendo dar um tempo de ser prostituta e modelo, Mari decidiu seguir carreira na faculdade. Porém tantos anos como modelo, fizeram seu cérebro se degenerar ainda mais, e quase que ela nem entrou na porta do colegial. Quase. Seu salário e o fato de ser conhecida como a Bundaninha, ajudaram Mari a entar na faculdade. Mesmo tendo inteligência insignificante (ofuscado pelos peitões e bunda), conseguiu completar o primário, isso porque os professores sempre davam notas A+ pra ela por ser uma baita duma gostosa. A matéria que ela mais gostou foi sobre Sexologia. Mas quando vieram professoras mulheres, Mari não teve outra escolha senão sair da faculdade, mas convenhamos, ela não entendia porra nenhuma do assunto mesmo.

Mari estava mesmo assim, disposta a lançar a sua futura carreira fracassada para o mundo, com uma pequena ajuda midiática. Ela ainda lembra até hoje que os professores sempre queriam que ela fosse a primeira da classe na aulas de Sexologia.

Miss Bahia 2013[editar]

Foi nesse ano que Mari Gonzalez conseguiu chamar atenção do resto do povo baiano, pois até então, ela era uma mera puta qualquer na terra do Acarajé. Nada mais justo do que entrar no concurso mais respeitável do Brasil, na versão Baiana. Sua intenção era ganhar o concurso de Miss Bahia, mas foi escolher um município de nada com nome de gente (mais uma prova de sua estupenda inteligência.) onde ela sequer nasceu. Com isso, não chegou nem aos Top 15 do concurso, e acabou perdendo feio. Mas Mari era teimosa como uma mula persistente, e iria usar seu corpo para ganhar mídia.

Esperando receber de Emílio seu salário.

Pânico na Band[editar]

Foi no programa mais influenciador, maluco e pornográfico da televisão brasileira que Mari viu sua carreira decolar. Foi contratrada em 2014, quando o programa fazia sua Faxina de Primavera na nova temporada, atrás de uma puta paga que ninguém ouviu falar. Mari foi uma das escolhidas. De lá pra cá, Mari tem chamado atenção do Zurita, com quem transava no camarim todo dia que viu na menina uma oportunidade. Nas vezes em que faltou no trabalho (ele pode porque é o Poderoso Cafetão Chefão) Mari assumiu o seu lugar, mesmo não sabendo pinoia nenhuma de apresentação, Mari manteve os mesmos índices de audiência, muito por causa de sua beleza incomensurável. Ainda no mesmo ano, foi promovida para mera stripper empinadora de bunda, para integrante fixa e repórter (o cargo que mais adorou, pois agora tinha seu vibrador automático!). Arranjou treta com outras prostitutas integrantes Nicole Bahls e Renata Molinaro, já que as duas sentiam inveja dela por ser a preferida do Emílio (a mais próxima que já conseguiu isso tá na Record).

Mas mesmo assim, permaneceu no programa até o começo desse ano (2017), quando foi despejada com mais outros 8 integrantes que não faziam porra nenhuma. O motivo era que o Pânico estava sendo sinônimo de porcaria desde que se mudou pra Band, e querendo renovar a sua imagem, expulsou todo mundo, retirou os mais bosta do programa, e deu destaque para quadros mais piores ainda. Mari até hoje guarda rancor da Renata, da Nicole, da produção do programa, mas não do Emílio (com quem fazia questão de encontrar no parque todas as noites para ... você sabe).

Pós-Pânico[editar]

Hoje, Mari não tem mais como aparecer na mídia como antes, mas consegue com a ajuda de seu novo marido Jonas Sulzbach que já foi ex-BBB, portanto isso já é o suficiente pra continuar a ser lembrada pelo público.

v d e h
Pânico na TV Band
Papaifugiu.jpg