Marlene Dietrich

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Marlene Dietrich
Marlene Dietrich.jpg
Marlene Dietrich, rainha das sapatões da década de 30
Nascimento 27 de dezembro de 1901
Berlim, Bandeira da Alemanha Alemanha
Ocupação atriz e fumante
Olhos cinzas
Cabelo pretos

Marlene Dietrich é uma atriz clássica do cinema mudo mundial, reconhecida por estar sempre fumando um baseado enorme e fazendo um olhar de quem está prestes a ter uma overdose por consumo exagerado de haxixe. Chamava atenção por usar calças e gravatas e por isso criar um novo fetiche por travestis na humanidade que os japoneses posteriormente denominariam de yaio-trap.

Juventude[editar]

Nascida na Berlim do início do século XX onde passou toda infância numa utopia germânica, ficou por lá até casar e sem nem ter noites de núpcias perder o marido que a ajudou a descobrir a merda foda que estava ocorrendo por lá, algo denominado pelos historiadores de Primeira Guerra Mundial, evento que a deixou viúva em 1914 quando seu marido foi pra guerra e morreu de febre tifoide nas trincheiras. Para fugir dessa treta toda Marlene mudou-se para outro planeta onde só acontece festas e putaria, o Brasil.

Seu dilema ocorreu ao perceber que se ficasse no Brasil morreria no ostracismo, então o Brasil era tão ruim e atrasado que ela preferiu voltar para a Alemanha destruída onde estrelou seu primeiro filme de sucesso, O Anjo Azul onde encantou plateias com seu rosto inexpressivo e tendências ao lesbianismo.

Carreira[editar]

Ao lado do diretor Josef von Sternberg fez vários pornôs-chanchada de época, como os filmes Estuprada (1931), O Expresso de Shangai (1932), A Vênus Loira (1932), A Imperatriz Galante (1934) e Mulher Satânica (1935).

Fez sucesso por ter uma baita cara de travesti drogado, visual que era fetiche na Alemanha Nazista a partir de 1933, porém Marlene não partilhava dos ideais emos, frescurentos e mimizentos da ideologia nazista, e cogitou até retornar ao Brasil, mas aí recordou a selva inexplorada que era a América do Sul e decidiu se naturalizar como estadunidense, quando entrou para Hollywood.

Apoiou soldados no front da Segunda Guerra Mundial, visitando os acampamentos e cantando para eles, servindo-lhes de objeto de inspiração para masturbação nas noites de solidão nas trincheiras.

Em 1952 conheceu a industria fonográfica norte-americana, que revolucionou a cultura musical do mundo ao fabricar estrelas de música popular que não tinham o menor talento vocal mas eram apenas bonitas, e se aproveitando disso Marlene Dietrich começou carreira de cantora do nada.

Apesar de aparecer fumando em quase toda foto já registrada dela, Marlene Dietrich nunca teve câncer de pulmão e viveu até 90 anos de idade quando morreu de causas naturais, comprovando que os males do cigarro não passam de conspiração maçônica.

Prêmios[editar]

Marlene Dietrich nunca ganhou um óscar, pois seus diretores muito púdicos recusavam dar prêmios para travestis, e obviamente Marlene Dietrich era confundido com um.