Marquês de Pombal

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Construção de Pombais??? Cquote2.png
Google sobre Marquês de Pombal

Cquote1.png Você quis dizer: Aonde fica Pombal? Cquote2.png
Google sobre Marquês de Pombal

Cquote1.png Eu não vou nunca para o Brasil. Depois que comeram o Bispo Sardinha, o que não vão fazer com o Marquês de Pombal??? Cquote2.png
Pombal sobre Brasil

O marquês nunca perdeu tempo mesmo.

Sebastião José Dirceu de Carvalho Collor de Melo também conhecido como o Marquês de Pombal foi um grande filho da puta e Ministro do rei de Portugal no tempo em que tua mãe era virgem.

Ascensão de Pombal[editar]

A pátria lusitana estava tão na merda que a única esperança do reino era a porra do ouro do Brasil. Apenas quatro países em toda História da Humanidade já dependeram ou dependem do Brasil: Portugal, o Paraguai, a Bolívia e a Argentina.
Denúncia do claro nepotismo nas propriedades do marquês, que prosperou sem profundos interesses no narcotráfico e não acusou o Imperialismo Tupiniquim.

A missão do Marquês de Pombal foi sanear as finanças públicas do reino. Portanto seu governo déspota esclarecido (ele, como um neoliberal se chamava na época) iniciou um intenso processo de Privatização em todo o reino. Portugal só não privatizou o Brasil porque já havia tentado na época das Capitanias Hereditárias e não havia dado muito certo.

Pombal perseguiu os Jesuítas e convenceu o papa a acabar com sua ordem. Essa congregação religiosa supostamente havia criado um Império Indígena no Paraguai e mandavam e desmandavam no sul do Brasil. Uma violenta guerra explodiu no Rio Grande do Sul para expulsar os jesuítas que culminou na destruição do Império Guarani e a ascensão da Ponte Preta como a verdadeira potência colonial.

Cquote1.png All your colony are belong to us! Cquote2.png
Jesuíta para o Marquês de Pombal

Cquote1.png Move Jesuitas for great justice! Cquote2.png
Marquês de Pombal

Suntuoso castelo do Marquês
Pombal, começando a tradição que culminaria com a criação da Receita Federal, criou a Derrama, um instrumento dos mais interessantes para a cobrança de impostos atrasados da colônia. Os soldados cercavam a cidade de Ouro Preto e saiam roubando e pilhando tudo que as pessoas tinham. Hoje em dia isso é chamado de Arrastão, porém trata-se de um inteligente método administratico português. A derrama apenas gerou algumas mágoas entre os colonos que culimanaram na Inconfidência Mineira e uma tentativa de Independência do Brasil, mas deve-se recriminar apenas a ignorância dos colonos contra os refinados métodos tarifários do Marquês, que, como dito acima, geraram a criação do Leão do Imposto de Renda.

Cquote1.png Eu não sei de nada, foi o ministro que fez!!! Cquote2.png
Rei de Portugal iniciando uma prática que cruzaria os séculos

A perseguição dos Távora[editar]

José I, o rei de Portugal à época do marquês, era um safado, cachorro e sem vergonha. Pegava todas as mulheres do reino, provavelmente apenas pelo fato de ser rei, pois ele era desprovido de outros atributos que as atraísse. Uma das incautas atraídas pelo monarca bonachão foi Leonora de Távora, esposa do Marquês de Távora. Eis que a história da infidelidade se espalhou pela corte, e imediatamente trocou-se as portas de todos os lugares onde o Marquês fosse passar, para evitar incômodos com os imponentes chifres que ele ostentava.

Em uma tentativa desesperada de levantar fundos para a coroa lusitana, o Marquês vende o Brasil no espaço do canal Polishop. E os 100 primeiros que ligarem agora ainda ganham a Ilha da Madeira de brinde!!!

Eis que, certa feita, o rei regressava para a sua morada, depois de molhar o biscoito com a amante. Três homens interceptaram o comboio, deram um temporal de tiros e fugiram, mas ninguém morreu. José, com medinho de que a história se tornasse pública e ele perdesse o prestígio entre os portugueses, pediu ajuda para o Barão de Oeiras, o nosso querido Pombal.

Cquote1.png Mas que cagada, hein! Cquote2.png
Pombal, ao ficar sabendo da confusão em que José I havia se metido.

A estratégia adotada foi simples e discreta. Acusou-se os Távora de montar uma panelinha para colocar o Duque de Aveiro no poder. Nesse sentido, determinou o ban de toda a família. Toda mesmo, seja mulheres, homens, crianças, papagaios, gatos, cachorros e etc. Além disso, iriam comer planta pela raiz o Duque de Aveiro e Gabriel Malagrida, um jesuíta (cabe ressaltar que Pombal tinha um enorme amor por essa congregação que deu o azar de ser o confessor de Leonora. O movimento feminista português protestou muito, e conseguiu aliviar a barra para as mulheres condenadas, que, ao invés de morrer, seriam enclausuradas em conventos.

A matança foi performática. Tortura, trituração, fatiamento... O local das execuções foi salgado, para melhorar o sabor da carne para que nada mais ali crescesse. Com isso, a honra de José I estava garantida, e o Primeiro-Ministro subiu em seu conceito, e cada vez ficava mais poderoso. Ou não.

O fim do Marquês[editar]

Quando morreu o rei de Portugal, chegou ao poder a rainha D. Maria, a louca, inimiga mortal do Marquês de Pombal, talvez pelo insistente e irritante desejo do Marquês de interná-la. O Marquês foi envolvido num escândalo de desvio de ouro da colônia e foi demitido.

Pombal terminou sua vida perambulando pelas ruas de Lisboa, onde recebia milhos dos turistas e cagava em cima dos carros.

Legado[editar]

Pombal escreveu um bocado contra a Companhia de Jesus que queria chutar o traseiro. Mesmo ele admitiu que era tudo exagero. Mas hoje em dia a Igreja Universal pega esses libelos e republica como Grandes e Novas Denúncias contra a Igreja Católica! Pois é, novíssimas e super-imparciais!

As reformas do Marquês também não duraram muito. Em breve, em toda Lisboa, fios de nylon foram instalados nos parapeitos que em muito reduziu a população pombalina na cidade, sem contar os gatos que foram soltos para comerem as aves.

Diz-se que até hoje em cada pombo de Portugal há uma pérola da consciência do Marquês em um sonho sem fim...

Precedido por
Nicolau Maquiavel
Eminência Parda
1740 - 1776
Sucedido por
José Dirceu