Marselha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Francia d.JPG ALLONS EN₣ANTS DE LA PUTARIE!!

Este artigo è ₣rancês! Ele não toma banho, come camembert e faz biquinho. O autor já mendigou na Avenue Champs-Elysèes e è xenofòbico.

Lembre-se de quem perdeu todas as guerras para a Inglaterra.

Cquote1.png Você quis dizer: Groselha Cquote2.png
Google sobre Marselha
Porto de Marselha, principal fonte de recursos econômicos e de argelinos ilegais da cidade.

Cquote1.png Em Marselha só tem viado! Cquote2.png
Marco Materazzi, dirigindo-se a Zinedine Zidane, na final da Copa do Mundo de 2006 sobre Marselha
Cquote1.png Marselha é a cidade mais antiga da França, alunos. Cquote2.png
Sua professora de História, achando que você se interessa pela escola ou por qualquer outra coisa diferente de masturbação sobre Marselha
Cquote1.png A Marselhesa foi criada em Marselha. Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Marselha

Marselha é uma cidade no sul da França, na região da Provença, conhecida por ser terra do Olympique de Marseille. Logicamente, lá existe uma série de outras coisas muito mais interessantes, como o fato de ser uma cidade de 2600 anos, ter ruínas gregas e romanas, ter sido o lugar onde surgiu o hino francês, a Marselhesa, e por aí vai. Além disso, é importante destacar o seu filho mais pródigo: Zinedine Zidane, grande cabeceador jogador de futebol francês.

História[editar]

Surgimento, sodomização e domínio cristão[editar]

As terras onde atualmente fica Marselha começaram a ser ocupadas entre 27 e 19 mil anos a.C. (data precisa, não?), conforme evidenciam as pinturas rupestres lá encontradas. Já o povoamento realmente efetivo teria se iniciado em 6 mil a.C., por alguns povos do Oriente Médio, que provavelmente explodiram a vila e foram embora. A cidade em si, criada pelos gregos, surgiu em 600 a.C..

Os fundadores teriam vindo da região de Focea, o que, até hoje, dá à cidade a alcunha de "cidade da fossa". Então, o local, com o nome de Massalia, que ninguém sabe o que significa e nem teve saco para pesquisar. A vila cresceu e desenvolveu e desabrochou como uma importante cidade-estado no Mediterrâneo ocidental. Como os habitantes da cidade não eram burros, aliaram-se à crescente república de Roma, com a esperança de que iriam ficar ainda mais fortes, o que realmente aconteceu. Massalia forneceu um mol de mercadorias aos romanos, que lutavam contra celtas, cartaginenses,etruscos, maias, incas, astecas, mongóis, haitianos, pigmeus e outros povos, visto que Roma normalmente arrumava tretas com qualquer um que ousasse querer ser mais imperialista ou bonitinho que ela.

Logicamente, os romanos se esqueceram de toda essa amizade e dominaram a cidade, através de Júlio César. Como eles sabiam das coisas, mantiveram a estrutura grega, e a cidade seguiu como um poderoso ponto de comércio de prostitutas e de manufaturas em geral. Contudo, as coisas iriam mudar. Maria Madalena, uma moça pura de alma e corpo, iniciou a propagação do cristianismo na Provença a partir de Massalia. As coisas nunca mais seriam as mesmas, e a opulência econômica não seria suficiente para manter o poder da cidade nos tempos que viriam adiante.

Allons enfants de la putarie!

Idade Média e posse francesa[editar]

Com o fim do Império Romano do Ocidente, Marselha caiu nas mãos de um mol de povos bárbaros, mas acabou sendo realmente dominada pelos francos. Durante o período medieval, a cidade foi economicamente prejudicada por toda a instabilidade regional, pois o medo dos árabes e outros povos era constante. E, para piorar a desgraça, a cidade foi um dos focos da Peste Negra, e novamente foi dominada por uns cinquenta povos, até pela Sicília. Enfim, no século XV, solidificou-se como parte do reino da França. Durante os séculos subsequentes, a cidade sempre foi traidora do movimento francês, véi, rebelando-se seguidamente contra o governo central.

No conturbado período medieval, a cidade teve de reforçar suas defesas, dada a convivência diária com invasões, saques, arrastões e visitas de vendedores de enciclopédias. No entanto, no final da Idade Média, durante o chamado Renascimento Comercial e Urbano, a cidade voltou a ser uma grande vendedora, especialmente na área da pesca, com a criação de uma corporação de ofício, a "Companhia Marselhesa de Pesca Caniço Dourado".

Idade Moderna[editar]

Durante os séculos que a sua professora classifica como Idade Moderna, Marselha se constituiu como um importante porto e grande ponto de defesa militar. Essa característica portuária, além de permitir que seus marinheiros tenham uma mulher em cada porto do mundo, gerava riscos, porque de tudo um pouco entrava por ali. Prova disso é que, lá pelo século XVIII, a cidade teve um novo surto de Peste Negra.

Somos os filhos da Revolução, geração guilhotina![editar]

A cidade foi protagonista importante no contexto da Revolução Francesa. A cidade havia sido bastante fragilizada por uma minipeste em 1720, que matou cem mil pessoas, coisa pouca. Então, a situação estava bastante difícil, a pobreza era violenta. Então, a adesão ao movimento revolucionário não foi muito difícil. Em 1792, quinhentos bravos franceses, como voluntários, marcharam até Paris a fim de defender o novo governo, cantando uma marcha de Carnaval, que acabou sendo intitulada La Marseillaise, sobre a qual falaremos melhor adiante.

No século XIX, Marselha voltou a ser rica e pujante, com a exploração das colônias ultramarinas, sobretudo a Argélia, de onde veio boa parte de sua população atual. O mar sempre foi vital para a cidade, gerando muitas oportunidades para os marselheses, especialmente com a construção do Canal de Suez. Dessa época, surgiram boa parte dos grandes monumentos que hoje a embelezam (ou não), como o enorme obelisco erguido por Napoleão Bonaparte em honra aos seus bofes.

Típicos marselheses.

Contemporaneidade[editar]

Marselha seguiu rica e imponente nos primeiros anos do século XX. Entretanto, a chegada de um certo alemãozinho acabaria com a paz. Os nazistas dinamitaram quase toda a cidade, com a justificativa de que nenhum lugar poderia ser mais fashion que as cidades alemãs. Entretanto, depois da guerra, eles foram obrigados a reconstruir tudo, bem como doar milhões de dólares ao Olympique Marseille, para ver se ele ia para frente e alegraria a abalada população local, o que falhou miseravelmente. Com a independência das colônias, ainda mais argelinos, denominados como pieds-noirs (pés pretos), vieram para a cidade, criando um bairro próprio e um time de várzea, que sempre goleia o Olympique.

Geografia[editar]

Marselha é uma espécie de "anfiteatro", está rodeada pelo mar, por umas formações calcárias, por morros e pela Costa Azul, conhecida pelos metidos a besta como Riviera Francesa, ou seja, é um lugar bem bonito, apesar de pertencer à França. Fica localizada em um trecho de terras um tanto quanto acidentado, o que não impediu que se tornasse a segunda maior cidade do país, posição que Lyon contesta, fato originado pelas vitórias constantes do Olympique Lyonnais sobre o time de Marselha, o que deixou os primeiros um tanto quanto convencidos.

Lá chove pouco, o que não quer dizer muita coisa, visto que franceses e água tem entre si uma relação deveras distante. Isso contribui para que os turistas possam aproveitar as inúmeras praias e ilhas na costa marselhesa, sem ter nenhuum francês chato disputando espaço. Cabe ressaltar que sul americanos não estão incluídos nisso, pois as coisas são um tantinho caras por lá.

Em termos demográficos, Marselha constitui-se como um caso curioso. Nos anos 1970 e 1980, o comércio entrou em profunda crise, o que originou um movimento de migração bastante forte. O pior não é isso: esse bando de cagões esses marselheses foram todos para Lyon! Em um primeiro momento, a coisa ficou extremamente feia, visto que 200 mil pessoas, da noite para o dia, deixaram a cidade. Contudo, é na crise em que surgem as melhores ideias! Assim, a cidade ingressa para o fértil mercado da imigração ilegal, recebendo um mol de argelinos a cada dia, o que reequilibrou os níveis populacionais e desequilibrou os níveis de pobreza e marginalidade.

Pontos turísticos[editar]

Les Calanques, belo lugar para transar passear.

Les Calanques[editar]

É uma belíssima formação natural, composta por falésias e enseadas, o que cria diversos espaços um tanto quanto escondidos. Nesse sentido, o órgão oficial de turismo de Marselha sugere: "entre o azul do céu e a água turquesa do Mediterrâneo, este lugar é um paraíso para os trepadores".

Ilha de If[editar]

Você já leu as histórias do Conde de Monte de Cristo, de Alexandre Dumas? Claro que não, eu realmente esperava essa resposta. Enfim, na Ilha de If está localizado um castelo, construído no início do século XVI, que servia como presídio. Vários personagens reais estiveram trancafiados por lá, entretanto o mais importante presidiário foi mesmo Edmond Dantès, protagonista do livro supracitado. Além disso, até pouquíssimo tempo podia-se ver um enorme esqueleto de baleia na costa da ilha. Alguns historiadores acreditam-se tratar da sogra de Napoleão Bonaparte, mas esta informação não é confirmada.

Pontos de Mergulho[editar]

Esse é um grande divertimento para os marselheses e os turistas, além de tentar afogar os argelinos. Há vários locais para se praticar esse esporte, e ver as belezas submersas e o lixo jogado no mar. Há quem diga que podem ser observadas várias bolas atiradas na água por Zidane em seus treinamentos, bem como cabeças de jogadores adversários que falaram alguma coisa de sua família.

Basílica Notre Dame de La Garde[editar]

Cquote1.png Você quis dizer: Cópia da Basílica Notre Dame de Paris Cquote2.png
Google sobre Basílica Notre Dame de La Garde
Concluída em 1864, ela procura expressar um estilo romano-bizantino-moderno-casual-contemporâneo. Ela fica em um morro, que possibilita uma boa visualização das favelas argelinas da cidade. Nela, podem ser vistos belos mosaicos do imperador Justiniano, e uma gruta para orações.

Vieux-Port[editar]

Navio produzido na zona portuária de Marselha.

O Porto Velho é um bom local para passeios e para assaltos. Podem ser vistos diversos monumentos bem fofinhos, bem como alguns dos melhores restaurantes da França, pois os piores estão todos em Lyon.

Mercado de Peixe[editar]

Um bom lugar para se comprar peixes.

Palácio de La Bourse[editar]

Uma ode à economia local. É a mais antiga câmara de pirataria comércio do mundo.

Estádio Velodróme, lugar onde o Olympique Marseille "joga" futebol.

Palácio do Pharo (miradouro)[editar]

O imperador Napoleão III construiu esse palácio em Marselha para passar as suas férias. Nas sacadas, ele poderia vigiar o porto, e debochar dos pobres. Seus jardins são um ótimo esconderijo para o sexo rápido são um belo local para se olhar o Vieux Port.

Estádio Velodróme[editar]

Um belo local para se dar umas boas risadas, ao ver as divertidíssimas derrotas do Olympique Marseille. É um estádio bastante antigo, reformado por ocasião das copas disputadas na França porque se fosse só por causa do Olympique....

Vallon des Auffes[editar]

Uma vila de pescadores, que deu a sorte de uma série de ricos metidos à besta achar divertido andar em meio a lugares e pessoas pobres. Desde então, o local ficou mais bonitinho e é um importante ponto para se encher a pança com peixes de primeiríssima qualidade, ou não.

L’Estaque[editar]

É o bairro das zelite de Marselha. Suas ruas são dotadas de um ar arrogante e très-chic, além de cheirar a alho, odor que domina a cidade inteira. Pode-se encontrar um pequeno porto, cercado por um mol de restaurantes e botequins, e demais tipos de serviços necessários para um divertimento saudável e completo.

Museu de Arqueologia Mediterrânea[editar]

O Museu de Arqueologia Mediterrânea reúne o segundo maior acervo de arte roubada egípcia, bem como algumas amostras da história comercial marselhesa que não foram vendidas por falta de tempo.

Cultura e tradições[editar]

Reconhecidamente, Marselha é uma cidade riquíssima culturalmente, tendo sido eleita capital europeia da cultura em 2013, fato para o qual você não dá muita importância, pois arriscaria perder o BBB se ficar gastando seu valiosíssimo tempo com essas coisas. Mesmo assim, vamos enumerar alguns elementos relevantes:

La Marseillaise[editar]

Tarot de Marselha por apenas R$ 29,99 no Mercado Livre.

A Marselhesa é o atual hino da França, que você provavelmente conhece, pois o ouviu em copas do mundo de futebol passadas. A música surgiu em 1792, quando alguns soldados, que não tinham nada melhor para fazer, resolveram marchar até Paris, para saquear as pessoas, pegar umas moças da vida e solidificar a Revolução Francesa. Para aguentar a caminhada, começaram a cantar "Allons enfants de la patrie!", que quer dizer "vamos comer as putas da capital!". Então, chegaram lá, espalharam o terror e conseguiram popularizar a sua música no Top 10 da Bastilha FM. Então, a Marselhesa passou a representar o espírito francês. Napoleão, um rapaz assaz democrático a tornou proibida, porque havia tido uma desilusão amorosa com um dos marselheses que a compuseram. Com a queda de Bonaparte, ela foi readotada como hino. Não é lá muito comum, atualmente, ouvir um habitante de Marselha cantando-a, porque ainda não há tradução completa para o árabe.

Os sabões de Marselha[editar]

Marselha produz alguns dos sabões mais refinados do mundo. Isso se deve ao fato de que os banhos devem ser extremamente eficientes, pois sabe-se lá quando irão se repetir. Desde as cruzadas, a produção de sabão foi relevante, e, como uma barra dura muito tempo em uma casa francesa, as fábricas foram fechando, ao ponto de existirem apenas três delas ainda em atividade.

Natal[editar]

Os marselheses tem um carinho bastante grande pelo Natal, o comemorando por dois meses, como aqui no Brasil fazemos com o Carnaval. A principal tradição é a confecção de presépios. Não apenas comprar aquelas peças made in Paraguay, mas efetivamente fazer os bonequinhos com barro, o que dá a necessidade de a festa durar até fevereiro, para que estejam prontos. Como a globalização e a modernidade sempre chegam, esse hábito começou a minguar, com uma feira onde esses santons, como lá são conhecidos, são vendidos. Ou seja, os marselheses aderiram ao lado vagabundo da força.

Algum prato da culinária marselhesa. Não sei o que é, mas com certeza tem alho aí.

Baralhos de Tarô[editar]

O povo de Marselha é chegado numa macumbinha. Dessa forma, o lugar se tornou um polo mundial em assuntos místicos. Os baralhos de tarô lá produzidos são extremamente populares. Antigamente, eram utilizados para a prática de uma variante local da prática, o tarot valendô le tobá, que acabou sendo substituído pela técnica atual.

Gastronomia[editar]

O turista come muito bem em Marselha pois tem cada marselhesinha que é uma loucura. São bastante populares os pratos à base de peixe e alho, como peixe ao alho, pão ao alho e especiarias, creme de alho e peixes, biscoito de flor de laranjeira e alho, peixe das pedras frito com alho e alho ao alho. Isso justifica o enorme interesse das empresas do ramo higienístico-farmacêutico, mais especificamente Cepacol, Listerine e assemelhados, que anualmente ganham porrilhões de euros apenas com o mercado interno marselhense (ou marselhês? Tanto faz, você não dá a mínima para a língua portuguesa mesmo...).

Esporte[editar]

Otários Jogadores do incrível Olympique de Marseille. Note a cara de desgosto dos infelizes em jogar em Marselha...

A cidade é um fenômeno desportivo, ou não. Destacam-se os esportes náuticos, como o mergulho, a vela e a natação desde que não envolvam sabonete e shampoo. A prefeitura estimula a prática de qualquer atividade esportiva, inclusive a caça ao estrangeiro, que consiste em atirar pedras e, quem conseguir é o vencedor, matar um argelino. Contudo, desde que Zidane surgiu e passou a derrotar todos os franceses, a prática reduziu substancialmente.

Olympique de Marseille[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Olympique de Marseille

O orgulho de todo marselhense que estiver bastante bêbado. A equipe disputa atualmente a primeira divisão francesa, sempre lutando pelo vice-campeonato, já que, antes mesmo da primeira rodada, a taça já é enviada à Lyon. Zidane, quando menino, foi convidado à jogar no Olympique, mas ele afirmou que fora educado pelos pais a nunca consumir drogas. Então, o maior ídolo do clube é Djibril Cissé, que não aguentou muito tempo por lá, pois era muito difícil ter de atuar nas onze posições do time ao mesmo tempo.

Economia[editar]

Exemplo de taxi marselhense. Como diria Regina Duarte, tenho medo!

Marselha sempre foi importante para a economia francesa. O seu porto foi responsável pela manutenção de uma poderosa elite comercial e ponto de entrada de prostitutas estrangeiras argelinos. Atualmente, situam-se como importantes fontes de divisas a pesca e o turismo, bem como a venda de fotos autografadas falsificadas do Zidane. A produção de navios de papel também é expressiva, bem como a indústria de refino de cocaína petróleo.

Transportes e Infra-estrutura[editar]

Marselha possui uma bem construída malha rodoviária, ou não. O transporte público funciona através de metrô, ônibus, bondes e taxis. Essa última forma de deslocamento não é lá muito aconselhada, visto que os motoristas da vidade costumam ser um tanto quanto rapidinhos demais, conforme denota a série de filmes Taxi, onde é evidenciado o modo de trabalho pouco ortodoxo dos taxistas marselheses.

Canal de Marselha[editar]

Os rios da região de Marselha são muito imprestáveis. Não tomaram Biotônico Fontoura, e, dessa forma, não são suficientes para abastecer a crescente cidade argelina francesa. Lá pelos idos de 1400 e alguma coisa (não se tem uma data precisa, porque esses historiadores são muito mentirosos), construiu-se um imenso aqueduto, que tem entre 6 e 437 quilômetros de extensão, mais ou menos: o Canal de Marselha. Infelizmente, ninguém nunca descobriu de onde exatamente vem a água, se é realmente dos microrios, ou ela é imigrante argelina, ou, ainda, é uma criação da Matrix, e nada daquilo existe, nem Marselha, nem Zidane, nem a França, nem este artigo, nem você. O abastecimento é eficiente, garantido por milhares de operários argelinos mal pagos, que se esforçam para manter aquela velharia complexa estrutura em funcionamento, pois eles sabem o que pode acontecer caso falte água para o banho de Zidane...

Marselha na mídia[editar]

A cidade é assunto comum na mídia francesa, não apenas por seu enorme índice de desemprego, pela violência, pelo grande presença de argelinos ou pelas derrotas do Olympique. Uma grande série de filmes e séries baseia-se ou cita a cidade. Na série Star Trek, um dos personagens afirma ser ela a sua cidade favorita, pois lá conheceu a sodomia. Outro exemplo bastante popular é série de filmes Taxi, que se passa nas ruas da cidade e ridiculariza a polícia local, observando a partir de uma perspectiva humorística as mazelas e desigualdades de Marselha.

Ver também[editar]