Martinho Campos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PepinoVerde.png Este artigo é relacionado à história.

E foi feito na imprensa de Gutemberg.

Futuro de Martinho Campos.


Sobre[editar]

Martinho Campos é uma pequena e pacata - pequena no tamanho porque na língua da população (ou é a língua da população que) é grande viu - cidade do interior (interior mesmo) de Minas Gerais, mais conhecida como Badia.

Realmente em Martinho Campos existem pessoas criativas, mas ao inves de fazer coisas para engrandecer a mente humana, fica preocupando-se com a vida alheia, deve ser porque nao tem nada pra fazer, ou sera que 'e uma pessoa insatisfeita com a vida?? Fica aqui o meu questionamento. Existem tantas coisas boas pra se fazer na vida. Falar da vida alheia nada mais é que uma tentativa de esquecer um pouco que a própria vida é uma porcaria. É a cidade de gente ...osa. Gente mentirosa, preguiçosa, ociosa, maudosa... e tudo mais de ruim. O pior é que tem pessoas que moram lá acham que a cidade é grande , sendo qe a cidade num deve ter nem um mil de habitantes .

História[editar]

Nasceu do encontro de dois sem-nada-pra-fazer fazendeiros que marcaram sair de suas mega fazendas que ficavam muito distantes uma da outra na mesma hora do dia. No exato ponto onde se cruzassem encontrassem eles construiríam uma igreja ou um buteco. Depois de uma garrafa de pinga, decidiram que seria igreja já que um dos dois era prosa ruim e não seria bom companheiro de boemia. Assim foi feito. Nesse exato ponto que não é mais exato já que mudaram a igreja de lugar, construíram a igrejinha e trouxeram de Portugal o país dos idiotas uma imagem de Nossa Senhora da Abadia que, coitada, ficou sendo a padroeira do lugar. Martinho Campos City foi emancipada em 17 de dezembro de 1021 e até hoje está do mesmo jeito.

Depois disso muitos matutos muitas pessoas foram se arranchando por lá até que o vilarejo ganhou status de "distrito de Abadia de Pitangui", pertencendo à cidade de Pitangay, digo, Pitangui (cidade conhecida por ter muitos gays morros) Se for a Pitangay Pitangui, não beba a água de lá nem coloque no carro, porque depois disso, ele só anda de ré.

Hoje a cidade é a "quase" uma capital nacional do Eucalípto, perdendo só para as outras cem cidades que vivem desta atividade. Sua economia é movimentada pelos senhores de forno - não tem mais engenho na Badia, só no Mau Despacho que tem o Engenho do Ribeiro - que são os donos das empresas de carvoeijamento - nome bonito para dono de carvoeira - e plantio de eucalípto; e também pelo tráfico de entorpecentes, mas isto é outra história.

Martinho Campos City possui, ainda, três, três mesmo, postos de gasolina que cobram exatamente o mesmo preço de R$17,64 pelo litro de gasolina adulterada. Isso se o otário motorista pagar à vista porque se for a prazo o preço sobe 39%. Um outro ponto importante dos postos é que, em um deles, se você deixar seu carro para lavar com meio tanque, mesmo que ele faça 18 maravilhosos km/l, você o receberá limpo e com menos de um quarto de tanque. E se você reclamar receberá a estapafúrdia explicação que foram gastos cinco litros de combustível com as manobras da vala do lavador até o pátio do posto.

O quilo do pãozinho de sal custa a bagatela de U$$ 13,78 em todas as 45 padarias da cidade - e olha que 44 são do mesmo dono. Se você precisar viajar de ônibus para a capitarrrr, vai desembolsar 96 euros e só chegará em Belzonte 41 horas depois, com duas escalas providenciais em Pintangay City e Prá Lá de Minas, onde você pode saborear uma coxinha de vinte dias ou um pastel loteria: ache uma carne e ganhe um carro. Pelo menos a Viation Sant Mary está com uma frota nova com ar condicionado e tudo. Bom, isso até que os frequentadores do crube do União não depredem todos os ônibus em alguma manifestação pseudo-linguística de autoajuda baseada na cabala.


Atrações Turísticas[editar]

Não há asfalto, não há calçamento que preste, não há placas de sinalização nas ruas, não há hospitais, apesar de haver 883 drogarias. Mas há dois times de futebol de enorme massa: O Abadia Não-Ganha-Nada-Crube e o União Acha-Que-É-Alguma-Merda Esporte Crube.

Os dois clubes juntos têm a imensa torcida de 3 milhões, quatrocentos e cinquenta e sete (trouxas) pessoas, sendo que, destes, o Abadia Não-Ganha-Nada-Crube tem oito a mais que o União Acha-Que-É-Alguma-Merda Esporte Crube.

As duas (ilusões) agremiações esportivas têm seus maravilhosos crubes recreativos, sendo que o do Abadia tem o dobro do tamanho do outro e as pessoas que o frequentam são (frescas) civilizadas. Já as que frequentam o crube do União são os nativos que sobreviveram à invasão dos dinossauros, sendo, portanto, totalmente desprovidos de educação e bons modos.

Martinho Campos também pode ser conhecida como a BH do interior, mas é pela sua quantidade de bares. Cada morador já constrói sua casa com um puxadinho do lado que todos chamam de alpendre, aí o cara aposenta, fecha o alpendre com tijolo e monta um bar para os amigos, eles bebem fiado, o cara quebra e vai beber no bar do outro amigo que se acometeu da mesma loucura.

Outro ponto turístico é uma Boate (infernão mesmo) que já teve tantos nomes quanto donos, na verdade só teve um com centenas de laranjas. Já foi Sobradinho, onde tinha baile de espuma com funk carioca mesmo, tinha fliperama onde se dava uma joelhada na máquina e ganhava mais alguns créditos. Teve mais uma meia dúzia de nomes que não me lembro pela falta de importância. O último que tá vigorando é Impakto (não sei se é assim que escreve)hoje tem um bom dj, o deejay, que manda um funk que a galera pede e as eletrônicas, mas num adianta pedir forró ou sertanejo que ele não vai tocar mesmo, ainda bem!, porém o lugar é onde os últimos bêbados, sem lei, sem vergonha e sem moral passam o fim de noite; e também onde alguns incautos que não conhecem a cidade entram de madrugada para arrumar alguma currutela (puta em Badiês) para por faca (que é isto mesmo em Badiês também).

Onde ficar[editar]

BEM LONGE é o melhor lugar para se ficar em Badia. Se não conseguir ficar muito longe, pode tentar Mau Despacho, mas é por sua conta e risco.

Quem comer[editar]

Todas as mulheres da cidade (?) dão, mas só quando bebem. E bebem, bebem, bebem....

Supermecados

Ideal:Apesar de ser muito pequeno no tamanho , o atendimento é bom , la só tem pessoas humildes - a ponto de acreditar que colocar uma frase sobre si neste artigo fará alguma diferença positiva em suas vidas.

Geografia[editar]

A geografia de Martinho Campos City é bem simples. Possui apenas uma rua, reta, que tem nada menos que 1.542x10³ nomes, desde seu início, em Pompéu (pedacinho do inferno), até seu final, em Mau Despacho. Durante toda esta extensão você passa por nada menos que 1.000.000.000.000.000,00 (hum zilhão) de quebra-molas, tão altos quanto muro de cadeia, para limitar a velocidade, já limitada dos automóveis locais, já que o povo não vai a algum lugar de carro, eles passeiam. Os quebra-molas, no entanto, são obras artísticas/políticas requeridas pelo vereador Matusalém, que foi eleito pela primeira vez em 1.090 e até hoje não largou o osso, digo, o mandato, e pelo vereador Barão da Malvadeza, que tem raiva de carro e motoristas. Além da rua principal, com asfalto picado e murundus, a cidade possui 690.000 ruas de terra, que recebem brita de 4 em 4 anos em época de chuva/eleição. Promete-se asfalto na mesma proporção em que se constroem quebra-molas.

Dois importantes rios banham a Badia: O São Francisco e o Pará. Mas isso não será por muito tempo já que o Rio São Francisco não sobreviverá à (maior incompetência da história) transposição que os (fedaputas) políticos do desgoverno engula, digo, Lula estão para votar. E como o rio Pará é tiradente, digo, afluente do "velho chico comedor de anus", também não sobreviverá. Sendo assim, em um futuro não muito distante, Martinho Campos City será engolida pelo deserto do Atacama - que já engoliu o arraiá Buriti "Texas" Grande - e deixará de ter cocô de cavalo em suas calçadas e passará a ter cocô de lhama. Em breve, porém, não vai mais haver a preocupação com a fauna e flora do cerrado, pois uma hidrelétrica será construída e vai inundar a Badia até os limites de Mau Despacho, Pompéu Puxa-Faca-E-Fuma-Crack, Abaetétano e Pitangay, ou seja, os moradores ou virarão peixe ou vão mudar pra Divinópolis, cidade que mais tem Badiense no mundo.

Outro ponto é a Lagoa dos Buritis - que na verdade é um açude, de lagoa só tem o nome, e de açude também só tem o nome, está mais para tanque de esgoto caseiro - onde os nativos nadam e pescam o famoso bagre africano canibal de traíras locais - como é que esta merda foi parar lá eu não sei.

Martinho Campos City sonha em ser a "cidade dos bingos" e já tem uma proposta esperando na câmara de (a toas) vereadores intitulada PROJETO DALLAS, MARTINHO CAMPOS TEM ROLETAS E CARTEADO. Os vereaTores contam com o apoio de inúmeros jogatinadores de pif e caxeta que passam todas as tardes do ano nos butecos apostando, bebendo pinga e água de azeitona e perdendo fazendas e as casas das ex-mulheres, sendo que o jogador mor é um vereaTor.

Pelo menos de uma coisa Martinho Campos City se orgulha. Tiiiinha vários times de handebol que sempre arrebentam os times da vizinha cidade de Pompeu (pedacinho do inferno).

Carnavais da cidade[editar]

Temos a nossa ilustre baratona, onde sai um caminhãozinho de som com váriooos pirralhos em cima tocando muita música,a tontaiada sai do primeiro bar da cidade e vai até o último que fica no posto Skala, Durante o trajeto os moradores da rua principal jogam água que refresca do calor nos que participam da baratona A baratona tem alguma copias, que são os Madrugas, a Bilosca, que é uma família que não é bem de Martinho campos e sim de Ibitira e tem o QG que é oficializado todo carnaval em uma casa da Marlene em Ibitira, e lá se hospitalisam mais de 40 pessoas, e ficam na bebedeira dia e noite. na segunda Geralmente temos a Banda do Lino que sai na rua principal, tocando aquelas musiquinhas que todo mundo já ta cansado de ouvir, mais faz maior fusuê, e na terça o som é desligado a meia noite por tradição da cidade encerrando o carnaval do ano ;

Churrascão do curral[editar]

uma festa totalmente original da Badia, acontece sempre no parque de exposições, no mês de Julho, Com muito churrasco e Bebida, as pessoas pagam um ingresso bem caro por sinal, vão pro parque beber e comer, e ver se tem a puta da sorte de conseguirem um carro uma moto ou um cheque de dois mil e quinhentos reais, o que os burros mal sabem é que não são apenas eles que estão concorrendo e vão na esperança de ganhar o premio que geralmente sai pra alguém que não é da Badia;

Ver Também[editar]