Mass Effect 3

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Este artigo pode conter informações que talvez estraguem a surpresa do enredo fantástico e imprevisível desse jogo, tais como Shepard morre no final para salvar a galáxia e todas suas escolhas na trilogia não fazem a menor diferença, mas é ressuscitado por um DLC da BioWare


Virtualgame.jpg Mass Effect 3 é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Chris Redfield esta matando algum hunter.


Ass Effect 3
Mass Effect 3 WiiU.png

Capa da versão especial pra Wii U, que de especial tem nada

Informações
Desenvolvedor BioWare
Publicador Electronic Arts
Ano 2012
Gênero Sim date
Plataformas XBOX 360; PlayStation 3
Avaliação 80%
Idade para jogar Conteúdo adulto (sexo com aliens)

Mass Effect 3 O Retorno é um jogo de dating sim com elementos de shooter e um pouco de RPG, concretizando a trilogia Mass Effect da maneira mais merda possível. Um jogo muito aclamado pela crítica e fãs de videogame que em sua maioria conseguem sentir orgasmos por interagir sexualmente virtualmente com seres feitos de polígonos.

Este fantástico jogo encerra a trilogia Mass Effetc com chave de ouro, com um dos zeramentos mais incríveis, épicos e profundos que deixaram todos fãs do universo atônitos com o recado bonito que a equipe produtora do jogo passou a todos (que é mais ou menos isso "_|_") deixando a todos felizes da vida esmurrando as vossas respectivas testas contra pedaços de concreto ao perceber que suas 300 horas de gameplay acumulados nos três jogos da franquia de nada valeram graças ao zeramento deste jogo, que sequer mostra algum final romântico com a garota a qual o jogador passou horas paquerando e dando em cima durante 3 jogos inteiros por pelo menos aí se foram umas 30 horas de vida desperdiçada (com a Tali, na maioria das vezes).

Enredo[editar]

Este jogo é meio doentio.

Após salvar a galáxia dos Collectors em Mass Effect 2, agora a grande missão de Shepard é defender o universo dos Reapers, uma espécie de máquinas em formato de lula com um dedo a menos, bafo de cachaça e "falanfdo assfim" que sofrem do velho dilema robótico clichê criado por Asimov de "defenda os humanos destruindo-os todos".

O jogo começa com uma horda dessas lulas robóticas invadindo a Terra do espaço e ownando tudo. Durante a invasão Shepard corajosamente foge da Terra deixando uma criança morrer e a humanidade inteira para ser protegida por Denzel Washington. É após isso que o jogo efetivamente começa, trazendo ao jogador um universo repleto de personagens carismáticos, sexo, drogas, dança em boates bregas, tiros e altas aventuras épicas até um final surpreendente de fazer chorar (de raiva).

Agora você como comandante Shepard deve construir um disco voador enorme do Independence Day, mesmo que não tenha ideia nenhuma de para que funciona ou o que faz, mas que fontes confiáveis (a Wikipédia, uma fonte de conhecimento que na época havia sido extinta), apontou que construir aquilo era a solução. Além disso você tem que unir toda a galáxia num esforço diplomático soberbo e de extremo realismo

O final do jogo clichê e sem qualquer opção alternativa foi muito criticado pelos fãs de Mass Effect, que se reuniram numa praça em Cairo no Egito e derrubaram a ditadura de Muamar Kadafi, pois apesar de haver mais de mil zeramentos diferentes, na prática são todos iguais terminando tudo carbonizado e desmantelado com Shepard morto e o seu romance sem ser citado uma vez sequer, sendo assim muito coerente com a ideia do jogo de múltiplas escolhas e múltiplos destinos.

Mas nada como adquirir um DLC com um final feliz para alcançar o lucro máximo para esta tão sofisticada empresa produtora de games.

Os fãs mais eufóricos preferem considerar que a última 1 hora do jogo na realidade nunca existiu, não passando de uma alucinação causada por exposição exagerada à faixas musicais de David Tanny, e que o final real é Shepard casando-se e vivendo feliz para sempre ao lado de sua amada que passou três jogos inteiros de romance, sexo e muito puxa-saquismo.

Jogabilidade[editar]

O jogador médio de Mass Effect 3 está pouco ligando para a jogabilidade, uma vez que está preocupado apenas em como atingir um romance com sua garota (ou garoto) NPC. É um simulador de romance no qual devemos paquerar e ser paquerados pelos membros da tripulação, precisando lidar com a sexualidade de cada um (alguns são héteros, outros gays, outros bissexuais) para conseguir prevalecer e destravar o maior número de cenas de sexo interracial (literalmente) possíveis.

De toda forma, é a mesma coisa dos jogos anteriores, e se não os jogou vai ficar boiando mais do que um tolete em banheiro de rodoviária. O jogo adota todo o progresso realizado em Mass Effect 1 e Mass Effect 2, ou seja, se você foi besta e deixou a equipe inteira morrer nos jogos anteriores, não os terão no terceiro, e não terão volta, porque as sete esferas do dragão foram usadas para ressuscitar o Shepard no DLC-zeramento-novo.

v d e h
Masseffectlogo.png