Matt Dillon

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikisplode.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Matt Dillon.
Matthew Reymond "Matt" Dillon
Matt dillon.jpg
Dillon lembrando de quando comeu sua irmã.
Nascimento 18 de fevereiro, 1964
Nova Yorque, Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Ocupação ator
Medidas Ah, sei lá!
Cabelo Castanhos

Cquote1.png Você quis dizer: Mate o Dylon Cquote2.png
Google sobre Matt Dillon
Cquote1.png Perdi minha virgindade com ele! Cquote2.png
Kristy McNichol sobre Matt Dillon
Cquote1.png Se não fosse por mim, ele não passaria de um fracassado de merda! Cquote2.png
Jonathan Kaplan sobre Matt Dillon
Cquote1.png Gostoso! Cquote2.png
Neve Campbell sobre Matt Dillon
Cquote1.png Você também! Cquote2.png
Denise Richards sobre citação acima
Cquote1.png Já falaram, agora se beijem! Cquote2.png
Matt Dillon sobre citações acima
Cquote1.png Sortudo, se eu tivesse pego o seu papel, quem teria comido as duas seria eu! Cquote2.png
Kevin Bacon sobre as peguetes de Dillon no filme Garotas selvagens

Matthew Reymond "Matt" Dillon (New Rochelle, Nova Yorque, 1964) é um ator pornô Norte-americano dos Estados Unidos, que ficou famoso por fazer muitos filmes de putaria como Garotas Selvagens e Little Darlings.

Carreira[editar]

Matthew Reymond Dillon de cara limpa.

Tudo começou em 1977 quando Matt Dillon estava gazeando aula e tirando a virgindade de alguma infeliz atrás da escola, como qualquer americano faz, quando um diretor chamado Jonathan Kaplan, por indicação de Jane e Tarzan Bernstein, chamou o garoto para fazer um teste para um filme ruim pra cacete chamado Over the Edge, que foi um fracasso total de bilheteria e faliu Jonathan pro resto da vida.

Ele passou no teste, e apesar do fracasso total de bilheteria tanto no país inteiro quanto em sua cidade, Matt Dillon acabou entrando para o elenco de mais dois filmes que também foram uma merda por conta de seu rostinho bonito grande talento pra atuar. Em toda sua carreira, podemos contar mais de 8 mil quarenta filmes aos quais ninguém nunca ouviu falar tirando o "Garotas Selvagens", mas o tanto de mulher que ele comeu já valeu o tempo perdido para esses filmes. Matt Dillon em sua carreira também tentou ganhar um oscar pelo seu papel em num filme chamado Crash Bandicoot, mas assim como Leonardo DiCaprio, ele saiu com uma mão na frente e outra atrás.

Matt Dillon no pico de sua carreira.

Vida[editar]

Matt Dillon era um garoto playboyzinho, burro e comedor, seus país eram meio irlandeses ou alguma coisa assim, e ele ainda tinha outros cinco irmãos para ter que dividir os brinquedos e o banheiro. Sua mãe se chamava Mary Ellen, uma vagabunda doméstica, e seu pai se chamava Paul Walker Dillon, um pintor que pinta com meu pinto de quadros e gerente da Union Clamp. Por serem católicos, Mary e Paul arrastavam todo o domingo o pobre Matt e seus outros cinco irmãos para a igreja assistir a missa do Padre Marcelo Rossi as 5 da manhã.

Desde pequeno, Matt Dillon sempre sonhou em saber desenhar pra poder criar hentais e retratos barrocos aos quais teriam como tema xotas e cus ao invés de anjinhos e gente com um pires na cabeça, então seu pai, Paul, lhe pagou umas aulas particulares com um quadrinista anônimo desempregado e que estava disposto a ensinar qualquer um em troca de grana. No entanto, Dillon não sabia desenhar nem o básico, e por conta disso, acabou desistindo logo no primeiro dia de aula e entrando para o colégio Mamaroneck Hight School cheio de lagrimas nos olhos e com muita vontade de descontar sua raiva em alguém. Depois que terminou os estudos, Matt virou professor e passou a ensinar sexologia numa escola em Larchmont, onde conheceu uma aluna chamada Kelly Lanier Van Ryan, ao qual manteve relações sequiçuais.

Pornografia Filmografia[editar]

Matt Dillon dando uns pegas em uma de suas fãns durante o reveillon no Rio de Jeneiro.
  • Um passo para o autismo - 1979
  • Cu dado pro meu Guarda-Costas - 1980
  • Putinhas - 1980
  • A grande américa fode o mês de junho sem dor nem piedade - 1982
  • Rola com champanhe - 1982
  • Rex - Um tetudo em plenitude - 1982
  • Bimba em tudo - 1983
  • O tarado da motocicleta - 1983
  • Viado Kid - 1984
  • Quando o pau tem sorte - 1985
  • A Herança de Sandy - 1986
  • Taca no Jean - 1987
  • A cidade do Lodo - 1987
  • Onde está o meu boy - 1989
  • Desce com violência - 1989
  • Ficando com o John - 1991
  • Ronan & He-Men: Uma história de amor - 1991
  • Um beijo antes de fuder - 1991
  • Te gozei inteiro - 1992
  • Num rolou de verdade - 1993
  • Alguém pra dirigir meu ônibus - 1993
  • Um sonho sem bronha - 1995
  • Te comi nas estrelas - 1995
  • Cidade do coito - 1996
  • Nos pegaram sem roupão - 1996
  • Eu acho que te fudi - 1996
  • Será que ele é gay - 1997
  • Quem vai chupar a Mary? -1998
  • Garotas com sacanagem - 1998
  • Que puta é essa? - 2001
  • Rolas selvagens - 2002
  • Surubagem fantástica - 2002
  • Gretchen sem limite - 2004
  • Fui arrombado até o intestino - 2005
  • Herpes: Meu fusca aloprado - 2005
  • Gozei nesse seu cuzão - 2005
  • Dois é bom, mas ainda cabe mais - 2006
  • O rombo no meu PS - 2006
  • Assalto ao carro gozado -
  • Fumo dorgas riariaria - 2009
  • Viadões - 2010
  • Minha filha dá pra mim - 2012
  • Farpar é uma arte - 2013
  • A Sam dá em julho - 2013
  • Não chore que eu ainda não te comi - 2013
  • A piriquita - 2014
  • Chupei a Cléo Pires - 2015/2016
  • Hot Dog: Te fudi quieto - 2016
  • Dei pro seu melhor amigo - 2017
  • A praça onde comi seu tio - 2018