Mel Blanc

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Loser 2.JPG Mel Blanc já morreu!

Não era sapateiro, mas bateu as botas!

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno


Cquote1.png Experimente também: Falar cuspindo Cquote2.png
Sugestão do Google para Mel Blanc

Mel Blanc seguindo as dicas de Pernalonga, de como aproveitar bem a cenoura.

Mel Blanc é o responsável por muitas frases idiotas que muitos de nós, nossos pais e avós gostamos se não sempre, ao menos em tempos pirralhais, aquelas frases toscas do tipo I-isso é t-tudo p-pessoal! - e outras assim, claro que no original em inglês, mas essas frases na dublagem não tiveram maiores modificações nesse caso, até porque ninguém entendia as mensagens subliminares nelas contida.

Vida e obra sem noção[editar]

Mel Blank sempre foi um sem noção pelo simples fato de que era baixinho e raquítico e, assim, mesmo, achava de ficar tirando uma com a cara de quem ele achasse estranho: Em geral a maioria das pessoas, pois a maioria era normal e por isso bem diferente dele. Seus pais, que tinham mais oito filhos, todos se não normais, ao menos mais saudáveis física e mentalmente do que Melzinho, de modo que seus pais, avós, tios, apenas olhavam para aquela criatura saltitante, que falava bobagem (bobagens essas inintelegíveis, algumas vezes) e não demonstrava interesse em nada, a não ser provocar as pessoas com suas piadinhas e imitações de mal gosto.

Achavam que seu destino seria, com certeza, o hospício, o caixão precocemente, ou a cadeia por excesso de chatice, mas como ele não era pior do que muitas coisas, tipo jacarés na área urbana, ursos invasores ou mesmo furacões intempestivos, algumas pessoas resolveram lhe dar uma chance. A primeira delas foi sua professora, que diferente das demais, não disse aos pais dele que era um caso perdido, pois ela gostava de testar ao máximo sua paciência... teve horas em que ela quase se arrependeu assim mesmo.

Mel então, com a ajuda dela, que não tinha mais o que fazer pois ficou viúva muito cedo e naquele tempo ela nem casar novamente poderia mais, por já estar usada, ela conseguiu a proeza de encaminhar aquela joça a uma universidade, o curso escolhido não foi Comunicação e sim, Agronomia... daí você pergunta o que tem a ver Agronomia com dublagem tv e afins? Explicação tão cretina quanto esse artiguinho e o próprio Mel Blanc: Ele conseguiu se especializar apenas em cenouras e, como precisavam de alguém para dublar um coelho, coisa que ninguém aceitava, por que ele não tirava as cenouras da boca e do rabo, digo, do pompom, mais o fato de que Mel Blanc não conseguiu muito sussesso como agrônomo, aceitou o sacrifício e, voltando a fazer o que sempre soube: Vozinhas irritantes e provocar os outros, se saiu muito bem nisso.

Que mais[editar]

Pernalonga tomando conta de Mel Blanc e o deixando ainda mais doido por cenouras.

Mel Blanc passou a dublar as vozes daquelas figuras conhecidas, uma pior do que a outra e, sempre que surgia uma frase idiota em sua cabeça, ele sugeria que aquilo se transformasse em bordão do personagem dublado. O problema de mel Blanc, que o fez pagar por todos os pecados dee encher tanto o saco dos outros começou a partir disso, pois cada seuqência que ele dublava acabava o deixando com as características do bicho, por exemplo quando dublava o Frajola (no original Sylvester), ele saía erguendo o rabo e cantando coisas sem noção, além de perseguir periquitas idiotas. E quando dublava o Patolino, saía cuspindo em todo mundo, o Pernalonga, o deixava muito doido por cenoura, etc.

Isso sem falar na veia, que quando ele dublava, o deixava com muita vontade de pegar no passarinho de quem passasse em sua frente. Apesar disso tudo, ele continuou seu trabalho sem reclamar e, por isso merece todas as honras e, também foi copiado por todos os seus sucessores, elám dos dubladores de outros países fora de USA. Mel Blanc se habituou aos sentimentos deixados nele pelos bichos antropomorfos, pois direcionou-os para algo construtivo, como por exemplo, quando dublava Tweetty (Piu-Piu), ele não saía correndo de gatinhos, nem cantava sentando no pau, mas sim, ia nos asilos cantar para as vovós... que em maioria eram surdas mesmo e sorriam com a visita dele.

Ver também[editar]