Mesquita (Rio de Janeiro)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rioband.jpg "Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!"

Não vandaliza, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia
pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh birhcoitosh.


Essi artigu é faveladu!
Irracionais.jpg
Sorriso-sem-dentes.jpg

Mas nem pur içu eça pájina tá di involvimentu cum drogas, putaria ou ladruagi!

Você deve estar sendo citado neste artigo.



Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Mesquita.

Cquote1.png Eu sonhei com um lugar perigoso... Cquote2.png
Joana D'Arc sobre Mesquita
Cquote1.png Nem rogando por vocês... Cquote2.png
Ave Maria Cheia de Graça sobre Mesquita
Cquote1.png Meu xará... Cquote2.png
Mosquito da Dengue sobre Mesquita
Cquote1.png Caralho neguinho, muito foda, zoamu todas... Cquote2.png
Funkeiro sobre Mesquita Show
Cquote1.png Onde?... Cquote2.png
Governador Sérgio Cabral sobre a Localização de Mesquita
Cquote1.png A chatuba de Mesquita come a mina de geral... Cquote2.png
MC sobre Virilidade dos mesquitenses
Cquote1.png Tudo bem Nilópolis??... Cquote2.png
Vocalista do Jota Quest sobre Show da banda em Mesquita
Cquote1.png Onde fica Aquele bairro de Nova Iguaçu? Cquote2.png
Iguaçuano sobre Mesquita

Tabela de conteúdo

[editar] História

Mesquita042.jpg

No começo, o território, hoje conhecido como Mesquita, era habitado pelos índios Jacutingas. Com a chegada dos portugueses e consequentemente dos negros, a população de Mesquita aumentou muito. Há fontes de que para essas terras as putas, viados e bandidos de Portugal eram trazidos. Dessa miscelânea, nasce a população mesquitense. Logo surgem então as primeiras gangues, Os Jacutingas e os Escravos (Que deram origem às atuais Chatuba e Coréia). Os Jacutingas, que eram canibais, assim como os escravos que aqui chegaram, sempre viveram aqui, então tinham mais facilidade em conseguir sobreviver em Mesquita. Os Jacutingas e os escravos travavam violentas batalhas que sempre eram notícia no RJTV da época, pela disputa do melhor ponto de venda de ervas aromáticas da região, um lugar hoje conhecido como (Praça de Mesquita), ponto de encontro de bêbados, vira-latas e pula-pulas. As infusões dos Jacutingas eram mais apreciadas e mais consumidas pelos Pseudo-playboys da época, o que trazia muito prejuízo aos escravos. Um dia, o chefe da gangue dos escravos decidiu subornar um velho jacutinga para que ele passe a receita do bagulho para os escravos, o velho jacutinga cede à pressão e abre o jogo por uma garrafa de 51. Logo é desmascarado por seus amigos e é terrivelmente amaldiçoado pelo Pajé Pastor João-Não-Sei-De-Quê a viver eternamente perambulando fantasiado pelas ruas e butecos de Mesquita gritando coisas sem sentido. O velho jacutinga é conhecido hoje em dia como JOOU e pode ser visto próximo à padaria Flor de Mesquita. É a figura símbolo da cidade, quase um mártir.

O reino de Mesquita foi fundado Evandro Mesquita, o mesmo que comia a Fernanda Abreu quando tocavam juntos no grupo de pagode Blitz. Mesquita era um bandeirante que se engraçou com uma índia Ianomami em São Paulo. Expulso de lá pelos índios, foi trazido para Mesquita pois tinha um tio que morava aqui. Seu tio cultivava umas plantas e ganhava muito dinheiro com isso. Evandro decidiu entrar no negócio da família e logo virou um homem bastante respeitado por essas terras. Conheceu a Dona Baronesa de Mesquita, a mesma que é nome de rua no centro. logo surgiu a notícia vinda de terras mais longínquas de que as Laranjas estavam em alta, e em pouco tempo sobre o comando de Evandro, a produção mesquitense era a maior de toda a região, o que atiçou a cobiça de poderosos de reinos próximos. O Reino de Iguassú, então comandado pelo Comandante Nelson Bornier (O mesmo que derrotou Napoleão) declara guerra a Mesquita e decide invadir. Evandro à frente do reino mesquitense o encara na mais tenebrosa batalha conhecida como a guerra dos Sem Ânus. Infelizmente os Iguaçuanos saem vitoriosos dessa batalha. Daí Mesquita é rebaixada a condição de sub-reino unido a Nova Iguaçu. A cidade que era alegre e próspera decai em trevas, os Iguaçuanos sujos e trapaceiros saquearam o vilarejo, comeram as mulheres, roubaram nossas melhores laranjas e cagaram nos nossos jardins. Os mesquitenses humilhados e cabisbaixos tiveram que passar por anos de submissão, sendo obrigados a ter que se divertir na Rio Sampa e estudar em colégios como Iguaçuano e IESA.

Porém, tudo mudou com a chegada do cavaleiro da esperança (José Paixão Prestes) que expulsa os malditos iguaçuanos de Mesquita restaurando a paz no reino, sua primeira decisão é construir dois portais Ovais Tridimensionais. Um para manter os (Sorvetes Nilopolitanos) longe de Mesquita e o outro para garantir que nenhum imigrante de Belfioford Roxo ultrapasse a fronteira (Dutra) e peça asilo político em Mesquita fugindo da limpeza étnica organizada pelo reino de Belfioford Roxo.

Logo Paixão se autodeclara Imperador de mesquita e instala um regime socialista totalitário em Mesquita, há rumores de que Paixão era amigo pessoal de Fidel Castro e Hugo Chávez. Mesquita novamente em frente seus piores momentos, a população é manipulada e ameaçada, é declarado o AI24 Ato Impugnatório 24 onde o poder só pode ser passado para o clã dos Paixão ou da família do Rei Artur Messias.

Tempos depois, quando Waltinho Paixão tentou devolver o comando ao clã dos Paixão, como vice do Gelsinho Guerreiro, o próprio Guerreiro aplica um golpe de estado assumindo todo o comando da cidade, revogando o AI24 e promove várias festas para distrair a população enquanto governa a cidade com mão de ferro.

Hoje Mesquita é aquela cidade que ninguém sabe onde fica, e você é obrigado a ouvir as famosas piadinhas: (Você mora em Mosquito??) ou quando não cantam: (A chatuba de Mesquita come a mina de geral) O Hino da cidade.

[editar] Economia

Fraca, basicamente o Mercado Novo Mundo, uns butecos xexelentos (onde acontecem brigas e até homicídios periodicamente) e a feira de Domingo. A única fábrica de grande porte, a Brasferro, foi demolida para a construção do prédio-fantasma da prefeitura, e para servir de terreno para circos e parques por períodos sazonais, ainda temos a Fábrica do Pomar (Pumar) liderada pela família que escravisa os empregados residentes na cidade, todos os moradores um dia já trabalharam ou vão trabalhar no Pomar, ela faz parte do teste de resistência para provar que o menino se tornou homem. A grande fonte de renda do município (?!) é a grande casa Mesquita Show, o único lugar que até o seu chevette 72 pode ser roubado na porta.

[editar] Bairros de Mesquita

[editar] Cosmorama

O "Bairro de Uma Rua Só" é considerado "Bairro nobre" de Mesquita, por falta de coisa melhor que a Vila Emil, o local mais assediado para aquisição é o Cemitério Jardim da Saudade. É onde se pode encontrar os filhinhos de papai cheiradores de gatinhos da cidade. A diversão dessa juventude é ir ás festinhas dos famosos condomínios (Beija - Flore(s) 1 ao 69) ou pedir para o papai levá-los para Nova Iguaçu. Hoje em dia o bairro está sendo invadido por moradores da Vila Norma e também pelos moradores do CDC. Eles já tomaram os prédios e o beija-flor 1.

[editar] Vila Emil

O verdadeiro "Bairro Nobre" de Mesquita, superando até mesmo Cosmorama, que morre de inveja e não admite que é "Vice Bairro Nobre" e o Centro. Com um comércio vasto e casas mais valorizadas do que os condomínios da Barra da Tijuca o Bairro já foi controlado por dois magnatas e o dono do Turbo 1000, porém um dos magnatas, dono de supermercado, faliu. Assim, atualmente, o comércio é disputado pelo magnata restante e o dono do Turbo 1000 que brigam violentamente para obter o monopólio da região e ainda sofre com tentativas de invasão das filiais do Comando Vermelho da Coréia, Chatuba e de outros municípios devido as UPPs.

[editar] Coréia

O Bairro foi colonizado na década de 60 por refugiados militares da Guerra da Coréia. No bairro fala-se o coreano, e até hoje é dividido entre Coréia do Sul (comandada pelas Milícias mercenárias) e Coréia do Norte (comandada pelos traficantes idealistas do Comando Vermelho)

[editar] Chatuba

O bairro mais famoso da cidade, famoso nas páginas policias do jornal dos noticiários do Wagner Montes. Possui uma economia forte, com empresas de grande porte, como a Comando Vermelho S.A. dona de vários estabelecimentos farmáticos do bairro. Também é conhecido pela música e poesia.

[editar] Edson Passos

É lar do famoso clube Auvirrubro, América, time que tenta sair da série D com a ajuda de Romário, e outros reforços locais. Também é a porta de entrada hiperdimensional para Nilópolis. Inclusive foi construído na fronteira um pórtico (vortex) em forma de cúpula para facilitar o acesso.

Outro atrativo é o mercado Cristal, com carnes de segunda ... divisão, fabricadas no América F.C. Onde você e sua mãe vai fazer as compras, só aceitam dinheiro vivo pois como boa parte da mercadoria vendida é de contrabando, tem medo de que a PF faça uma visita.

[editar] Rocha Sobrinho

O Bairro é um dos 15 do Estado que tem "Rocha" no nome, junto com coelho da ROCHA,ROCHA miranda, etc.. É lá que fica uma Usina Nuclear, que foi disfarçada de Cimento Liz para desviar a atenção dos ambientalistas.


Cquote1.png Em Rocha Sobrinho o trem da MRS espera passar VOCÊ Cquote2.png
Reversal Russa sobre o trem da MRS em Rocha Sobrinho

[editar] Jacutinga

Um bairro de Póbri, feito por póbri. Mas com um regular abastecimento de água (Diferente do grande bairro nobre - Vila Emil - onde só cai água de mês em mês). Bem iluminado e Arborizado, tem como pontos de referência o mercado Via Light(êx- Nova Rainha), pelo conglomerado do Lacy, além do postinho JacuD'or. Adentrando pelo bairro, você é apresentado à fauna Local, cabritos, bodes, galinhas, bois, e cavalos. neste bairro você também poderá apreciar a magnitude da música brega (ou forró-brega). Mas Jacutinga também tem muito a oferecer, como o projeto social da reciclagem. Sendo um grande bairro, é invejado pelos moradores de Santo Elias e Banco de Areia (Banco de Poeira).

[editar] Hino da Cidade

Chatuba de Mesquita - Furacão 2000

Atenção chegô chatuba, hein
Atenção chegô chatuba, hein
Vamo esculacha, hein
Máquina de sexo
Eu transo igual a um animal
A chatuba de mesquita
Do bonde sexo anal
Muleque playboy
Funkero sexo anal
A chatuba de mesquita
Come a mina de geral
Andamos de redley
Viemos pegá mulhé
A chatuba de mesquita
Do bonde do nike air
Chatuba come cu
E depois come xereca
Ranca cabaço
É o bonde dos careca
Máquina de sexo
Eu transo igual a um animal
A chatuba de mesquita
Do bonde sexo anal
Muleque playboy
Funkero sexo anal !!!
A chatuba de mesquita
Come a mina de geral

Mesquita foi cantada em verso e prosa em diversas oportunidades, as mais conhecidas são: Funk dos 3 ovo e Marcelo caralho enfia o pastelão no cu.


Personalidades de Mesquita

Rodrigo Brandão Bastos Diguinho Barbosa Péricles Cabelo de Laura RBBB

São nomes do chefe do tráfico de drogas de Mesquita, que faz parte da banda Premature Death. Muleque playboy funkero sexo anal a chatuba de Mesquita come a mina de geral

[editar] População

  • Galinhas: cerca de 1.000, normalmente frequentam a Via Show ou o Tênis Clube de Mesquita.
  • Cabras (macho, da peste ou não): cerca de 200
  • Cavalos: cerca de 15.000, conforme diz os panfletos dentro das estações da Supervia. Costumam entra de forma bem educada nos trens.
  • Morcegos: ameaçados de extinção desde o fim da "Passarela do Rock".
  • Burros: 168 403 hab. (RJ: 18º) – Censo IBGE/2010[3]
v d e h
GUANABARA RIO DE JANEIRO, TERRA DOS BISCOITOS
Rioband.jpg
Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas