Migrações dos povos bárbaros

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
D opressaoromana.jpg Este artigo é relacionado à história.

Não entre na Cortina de Ferro!

Romanopre.jpg ROMANI ITE DOMVM!!!

HÆC ARTICVLVS ROMANVM EST. LATIM LOQVÆBITVR. NON INTERLEGIT? HVMORIS PRIVATVS NON EST. MVITISSIMVS ENGRAÇATVS! SED ROLA MEAM VADE MAMARE! VADE FŒDERE CVM PORRIBVS NOSTRVM.

Spqrpre.jpg

60px-Bouncywikilogo.gif
Para aqueles sem senso de humor, os espertalhões da Wikipédia têm um artigo (pouco confiável) sobre: Migrações dos povos bárbaros.

Cquote1.png Você quis dizer: Turismo barbaros Cquote2.png
Google sobre Migrações dos povos bárbaros
Cquote1.png Ih,fudeu agora! Cquote2.png
Romanos sobre Invasões(ou migrações,tanto faz!)Bárbaras
Cquote1.png Se eu pudesse eu matarra mil,que eu sô cabra home! Cquote2.png
Átila sobre os Romanos
Cquote1.png Pede pra sair,porra!Pede pra sair! Cquote2.png
Odoacro sobre Rômulo Augustulo
Cquote1.png Bom,antes eles do que nós. Cquote2.png
Império Romano Oriental sobre Império Romano Ocidental

Na História da Europa, dá-se o nome carinhosamente de invasões bárbaras, ou período das migrações, ou a expressão alemã Völkerwanderung (vamos quebrar tudo), à série de migrações de vários povos que ocorreu entre os anos 300 a 900 a partir da Europa Central e que se estenderia a todo o continente com um toque um pouco sangrento.

Por que causa,motivo razão ou Circunstâncias[editar]

Os limites do Império Romano no século IV, já dividido em duas metades ( Império Romano do Ocidente e do Oriente), faziam fronteira com várias outras culturas, não romanizadas, as quais os senadores romanos adoravam cobrar altos impostos e taxar os integrantes: a sul, na África, eles faziam fronteiras com os berberes, os cartagineses e algumas tribos do Sudão;a leste com povos do Oriente Médio como os fenícios, os judeus e os hunos; a oeste com os celtas;e finalmente a norte, onde moravam os seus mais numerosos vizinhos, os germanos,populações tipicamente sem-teto nômades que viviam desde a península escandinava passando pelos arredores do mar Negão até a região além do rios Rena Reno e Danúbio. Todos esses povos vizinhos foram genericamente designados pelos romanos como sendo "povos bárbaros", com todo um tom esnobe, apenas por não partilharem o mesmo nível civilizacional e costumes romanos.No entanto, alguns destes bárbaros já conheciam vários aspectos do Império e, inclusive, alguns transitavam livremente para dentro e fora das fronteiras.

A instabilidade romana[editar]

A estrutura administrativa do Império Romano dependia fortemente dos tributos que eram impostos pelos inimigos derrotados:além de ser uma forma de pagar as despesas de guerra, eram também impostos como medida de benevolência(ou seja, pagar pra não morrer) ou castigo pela resistência durante as conquistas. A paralisação das conquistas tinha igualmente paralisado o fluxo destes impostos, que iam diminuindo progressivamente. No século III, tinham já diminuído consideravelmente e no século seguinte já se haviam esgotado, até que sem o dinheiro pago pelos súditos o governo de César faliu, não pode pagar soldados e entrou numa inflação dos diabos.

No ano 395, o Império Romano foi formalmente dividido duas partes: o Oriental, com as províncias mais ricas e populosas que eram as zelites dominadoras, e o Império Ocidental, em acelerada decadência e que foi destruído pelas invasões barbaras. Por esta altura, alguns bárbaros coexistiam pacificamente no interior do império, pois já estavam cansados de matar tanto romano assim; no entanto, no século V deu-se um fluxo exorbitante de povos em busca de proteção contra os Hunos que se mobilizavam em direção à Europa latina; ao que muito derramamento de sangue ocorreu.

O numeroso exército romano,antes das invasões bárbaras.

Motivos para a invasão[editar]

Os bárbaros sempre botaram um olho gordo em cima dos domínios romanos, afinal eles eram extensos pra caralho:iam desde a Puta que pariu,a Norte,até Casa do Caralho,a Sul;e da Monarquia Presidencialista do Acre, a Leste,até o Cu do Judas, a Oeste. E aproveitando a queda de Roma,devido a uma forte crise financeira(apesar do Imperador Aluisius Inácius ter garantido que era uma marolinha...),seguida da queda do Euro em 9.2 pontos percentuais,de várias revoltas pela divisão de terras no Império,de escândalos de corrupção na capital(promovidas principalmente pelo senador romano Paulus Malufus), e de um processo de ruralização(o povo cansou de pagar impostos e de viver em cidades sem água nem esgoto que eram toda hora destruídas e foram pra roça,formando comunidades isoladas auto-suficientes,as favelasos feudos,o que deu merda do mesmo jeito...);os bárbaros viram nisso uma brecha pra atacarem, e conseguirem alguma grana com isso,claro.

O não muito numeroso exército romano,depois das invasões bárbaras.(Onde será que enterraram tanto morto,hein?)

Por quê o nome "Bárbaro"?[editar]

Os Romanos chamavam de Bárbaro qualquer um que não falasse línguas latinas,tipo italiano, francês, espanhol ou português(ou seja,caro leitor:você não é bárbaro,apesar de ter o rosto um pouco desorganizado,mas o Tio Sam é, porque ele fala inglês).Qualquer gringo que não falasse assim era chamado de bárbaro, mesmo sem ter feito nenhuma barbaridade e sem ter barba.Isso deixou os gringos tão putos por serem excluídos que eles desceram o pau geral na galera.

Povos bárbaros e suas barbaridades[editar]

Hunos[editar]

ArticUNO(ou "Huno do Ártico",em inglês),mascote oficial da Cavalaria Huna

Cquote1.png Sofri muito com a morte do meu irmão.Cuido do meu povo em nome dele Cquote2.png
Átila sobre Bleda
Cquote1.png E eu sofri mais ainda! Cquote2.png
Bleda,no Além, sobre ter sido morto pelo próprio irmão
Os hunos foram um povo super tranquilo,moradores da Mongólia,em companhia a seus também calmíssimos vizinhos,os Mongóis.Mas depois de se cansarem da monotonia rotineira de brigar em lutas sangrentas com seus colegas e de sobreviver a invernos de -30°Celsius,eles decidiram migrar em direção a Europa,em busca de novas vítimas novos pastos.Depois de gentilmente expulsarem emprestarem a terra de outros povos,começarem a pegar alguns empréstimos territoriais dos romanos,que reagiram com estranha violência;ao que os hunos tiveram que recorrer judicialmente a isso.

O dia-a-dia do povo huno era muito monótono.Todo dia era a mesma coisa:apenas matar,pilhar,roubar,saquear,furtar,destripar,estuprar,esfaquear, piratear ,eu já disse matar?,quebrar tudo que vissem pela frente,arrasar cidades,caçar mafagafos e afins.Nos feriados havia algumas comemorações habituais,com a destruição de alguns impérios,matança de mais de oito mil,carnificina de qualquer um que passasse pela frente,queima de plantações,envenenamento de rios,quebra de estádios de futebol e algumas semanas de shows de Rock pesado,com direito a quebra de milhares de guitarras em praça pública.
Os hunos eram liderados pelos irmãos fodásticos Bleda e Átila:Bleda era o rei de uma metade do povo,os Hunos Caucasianos Brancos(que preferiam o White Metal),enquanto Átila imperava sobre os Huno Afrodescendentes Negros(que eram fãs de Black Metal);mas depois da morte misteriosa de seu irmão e aliado partidário,Átila virou o chefão supremo de todos os hunos,e criou o Gray Metal para agradar a todos.
Cquote1.png "Átila era baixo, de peito largo e cabeça grande;olhos pequenos,barba fina e tinha o nariz achatado". Cquote2.png
Wikipédia sobre Átila.(É,parece que ele era assim mesmo...)
Átila governava com justiça e era muito querido,chegando até a ser um ídolo pop na Europa.Quando chegava em um lugar multidões gritavam enlouquecidas,mulheres corriam histéricas,cidades eram arrasadas nas festas em sua homenagem.O grande jornalista Prisco até o chamava carinhosamente de "O Flagelo de Deus","O arqueiro do terror" e "Hitler a cavalo".Átila era tão bondoso e calmo que seu calor humano chegava a derreter paredes,e a queimar qualquer guerreiro que olhasse pra ele,e essa ternura toda destruiu 99,999% do Império Romano(os outros 0,0001% foram destruídos pela generosidade dos outros 30 povos bárbaros).
Papa Leão Magno,salvando o couro dos romanos desde 452.
Átila só não devastou Roma porque,quando estava quase chegando lá para presentear o imperador com um paletó de madeira que ele mesmo havia tricotado,foi parado pelo seu arqui-inimigo:Super-Homem Chapolin Colorado o papa Leão Magno,padroeiro do bom papo!O confronto foi às margens do Rio (ele era muito seco):depois de ter dado uns toques pra Átila,passado umas idéias e de ter dito algumas máximas de sabedoria incomensurável,ele convenceu o huno a fugir se retirar estrategicamente dali.Não se sabe se Átila ficou com medo de que alguém azarasse seu exército,já que ele era supersticioso, ou se ele ficou meio chapadão depois de cheirar o pó do rio;mas ele desistiu na cara do gol e pediu pra sair,deixando Roma a salvo pra ser destruída por algum outro.(OBS:Alguns estudiosos dizem que ele se mandou porque recebeu um suborno do papa,mas é mentira!ÁTILA ERA UM HOMEM INCORRUPTÍVEL,E ELE ASSUMIU QUE NÃO SABIA DE NADA SOBRE NENHUM SUBORNO!

Celtas[editar]

Veículo de guerra dos celtas.
É, mas nem todos os celtas foram derrotados.Uma certa aldeia de irredutíveis gauleses ainda resiste, hoje e sempre,ao invasor.

Os celtas eram povos que viviam ao norte da Itália e da Grécia, numa faixa de terra que ia da terra das touradas até a terra dos vendedores ambulantes.Eles viviam em favelas aldeias no meio das matas, viviam da agricultura, eram bons na produção de armas, de calças e principalmente de cachaça, já que são eles os ancestrais dos irlandeses.Eles não sabiam escrever, muito menos ler e matavam todos aqueles que escreviam sobre eles, por isso são tão desconhecidos, e tudo o que sabemos sobre estes povos tão amáveis vem de fontes duvidosas como os livros de Oscar Wilde e relatos orais ditos por irlandeses, escoceses e gauleses altamente embriagados eruditos.A arte dos celtas é extremamente conceitual e abstrata (pois nunca estão sóbrios), cheias de espirais, desenhos e rabiscos toscos que ninguém sabe para que servem.Quanto ao aspecto religioso, o principal sacerdote dos celtas era o druida. O mais famoso deste druidas era Gandalf. Os antigos celtas (e até os mais novinhos também) praticavam sacrificios humanos, pendurando a cabeça dos seus inimigos (e amigos também) nos santuários.

Por mais que houvesse um punhado de povos desse grupo espalhados pela Europa, não foi possível a eles deterem a expansão romana, que se tornava cada vez mais expansiva.Muitas lutas contra Roma foram realizadas, mas as migrações dos celtas através das fronteiras do Império não serviram pra porra nenhuma muita coisa.Finalmente, quase todos esses caras acabaram por se acabarem-se e Júlio César finalmente triunfou.Alguns acreditam que o trauma deixado sobre tais povos foi tão intenso que acabou transformando alguns desses rudes e violentos guerreiros nos franceses atuais, que são ligeiramente diferentes dos seus antepassados(mas com a semelhança de não gostarem de tomar banho).

Germanos[editar]

É, parece que a convivência entre visigodos e ostrogodos não foi muito pacífica.Na imagem,visis e ostros comemorando em um pacífico churrasco de fim de semana.
Os germânicos em um passeio matinal, indo destroçarem cumprimentarem seus coleguinhas romanos.

Os germanos ou povos germânicos foram cerca de 80% desses tais povos bárbaros que migraram para conquistar e destruir o Império Romano.Esse grupo de conterrâneos, formado por mais de oito mil civilizações diferentes, na verdade sempre estiveram convivendo com os itálias, mas em um momento de maior descontração é que começaram a atacá-los.O motivo:o já mencionado Átila e sua gangue huna.Quando chegaram da Ásia, a primeira coisa que fizeram foi arrumar uma briga com os germanos ostrogodos, que tiveram que dar no pé pelo bem de suas cabeças, e continuaram seguindo para oeste, trazendo o mal e o caos por onde passavam.Os ostrogodos, tendo suas casas tomadas por esse bando de filhos da mãe, tiveram que fazer o que todo parente folgado faz: pediram para seus primos, os visigodos, emprestarem seu território pras eles ficarem por uma noite, e no final das contas ficaram por algumas décadas.

Depois de algum tempo, porém, putos da vida descontentes com seus folgados hóspedes, os visigodos tentaram entrar em guerra com os ostrogodos, mas já era tarde, porque os hunos estavam tentando atacar esse outro território também.Visigodos e ostrogodos fugiram pras terras de outro povo qualquer e esse círculo viciado vicioso continuou até Alarico, o chefe dos visigodos, pedir para o imperador romano abrir seus portões para tais imigrantes desesperados.O imperador não só deixou como caiu no velho truque do Cavalo de Tróia, e assim milhares de tribos germânicas conquistaram, saquearam e destruíram as principais metrópoles romanas.
Se formos contar todos esses povos, o caro leitor jamais chegará ao fim desse artigo, por isso só vamos contar os principais:
Dom Quixote Teodorico, o Ostrogodo.
Genserico, o Vândalo.
Hagar, o Horrível Viking.
  • Alamanos, manos muçulmanos seguidores de Alá;
  • Catos, mas se você for mulher diria que são gatos;
  • Bávaros, adoravam uma Bavária gelada;
  • Godos, um pouco acima do peso,foram os ancestrais dos góticos;
  • Visigodos, que atacaram os territórios romanos na Hispânia, liderados por Alarico, o Visigodo;
  • Ostrogodos, que foram direto em cima da Península Itálica, liderados por Teodorico, o Grande;
  • Bastarnas, uns bastardos meio desconhecidos;
  • Suevos, suaves, atacavam suavemente seus inimigos, mas eram cruelmente pisoteados na derrota;
  • Vândalos, conhecidos por vandalizarem a desciclopédia italiana, liderados por Genserico;
  • Asdingos, uns mendingos por aí;
  • Silingos, parentes dos de cima;
  • Burgúndios;
  • Francos;
  • Sálios, que sofriam de hipertensão, primos dos Açúcarios;
  • Francos ripuários;
  • Sicambros;
  • Quados, grandes pintores de quadros;
  • Gépidas;
  • Turíngios;
  • Lombardos, locutores famosos, apesar de desconhecidos;
  • Hérulos, que finalmente fuderam os romanos, liderados por Odoacro;
  • Anglos;
  • Saxões;
  • Jutos;
  • Anglo-saxões;
  • Teutões;
  • Frísios;
  • Queruscos;
  • Rúgios;
  • Marcomanos;
  • Cartagineses;
  • Rúgios;
  • Vikings;
  • até que enfim o fim, ufa!
Como se não bastassem os ataques bárbaros, os romanos também foram encurralados por setas coloridas gigantes.


A Queda do Império Romano[editar]

Cercados por todos os lados, os romanos tiveram que aguentar a surra, não havia como escapar dessa vez.
Mas as invasões bárbaras até que tiveram lados bons.Os povos bárbaros trouxeram outras culturas, linguagens, costumes, mulheres...

Por fim, de tanto ser atacado, o Império Romano caiu, e ninguém ajudou a levantar.Odoacro, rei dos Hérulos, pôs pra correr o imperador Rômulo Augustulo, vários reinos bárbaros se formaram pela Europa e, com os hunos já derrotados, eles podiam parar de correr e relaxar um pouco, guerreando entre si para tomar os reinos uns dos outros.Com o tempo, a cultura dos bárbaros se fudeu fundiu com a dos romanos e criou uma cultura muito mais diversificada, deixando ainda mais difícil alguém estudar sobre a História Antiga.

Império Romano:O Retorno[editar]

Cquote1.png Império Romano do Oriente é o caralho, o nome agora é Império Bizantino! Cquote2.png
Dadinho Zé Pequeno Constantino sobre Império Romano que sobrou.
Cquote1.png Eu prometo que, se for eleito, vou reestruturar todo o Império dos antigos romanos! Cquote2.png
Carlos Magno sobre Sacro Império Romano-Germânico.

Mas os romanos não foram totalmente derrotados.Enquanto na Europa Ocidental o povo havia fugido pros feudos pra se protegerem da guerra, iniciando assim a difamada Idade Média, na Europa Oriental o povo ainda lutava bravamente e continuaram resistindo por mais vários séculos.Mas, depois de algum tempo, na própria Europa Ocidental alguns reis bárbaros, que haviam gostado dos velhos tempos romanos, começaram a tentar recriar tal império.Até deu certo, mas ficou mais parecendo uma versão pirateada do original.

Ver também[editar]



Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!